Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Greve no Judiciário

Ajufe quer esclarecer corte em sinal de internet

O presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Gabriel Wedy, pediu à diretora do Foro do Distrito Federal, Danielle Maranhão, esclarecimentos sobre a interrupção do sinal de internet durante manifestação da categoria em Brasília, nessa quarta-feira (27/4), durante a paralisação dos juízes federais.

O caso é mais um desdobramento de uma notícia publicada pela Ajufe em seu site. A entidade atribuiu a Danielle Maranhão a afirmação de que o sinal de internet, que transmitia o evento no portal, foi cortado por decisão do Conselho da Justiça Federal (CJF) e da presidência do Tribunal Federal da 1ª Região. Em nota, o presidente do CJF, ministro Ari Pargendler, informou que o conselho não teve qualquer relação com a interrupção do sinal e que a informação divulgada pela Ajufe é “mentirosa e irresponsável”.

Agora, em novo comunicado, Wedy reafirma que recebeu a informação sobre a interrupção da internet pela diretora do Foro. “Ela afirmou que o corte do sinal nas transmissões da solenidade não havia sido decorrência de problemas técnicos. Ao meu lado estava o vice-presidente da Ajufe, conselheiro eleito do CNJ, desembargador federal Tourinho Neto. Agradeci a diretora do Foro por restabelecer o sinal cortado, por sua coragem e dignidade, na frente de cerca de 200 juízes e por aqueles cidadãos que assistiam em todo o Brasil a transmissão já restabelecida”, observou.

“Se qualquer autoridade pretendeu cortar esse sinal, trata-se de um crime cometido contra a democracia brasileira e ao direito à liberdade de expressão e de informação”, disse Wedy. “Por que impedir a sociedade de ouvir líderes sindicais de outros países sobre o direito de greve de juízes? Qual a razão de impedir que a sociedade ouça os verdadeiros motivos de nossa paralisação: segurança, condições de trabalho, igualdade com o Ministério Público e revisão do teto constitucional moralizador? A quem interessa essa censura?”, questionou. Com informações da Assessoria de Imprensa da Ajufe.

Leia o ofício enviado pela Ajufe para a diretora do Foro do DF:

EXCELENTÍSSIMA SENHORA JUÍZA FEDERAL DIRETORA DO FORO DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

A Associação dos Juízes Federais do Brasil – AJUFE vem, muito respeitosamente, requerer seja certificado pelo setor responsável o motivo da interrupção da transmissão para as demais Seções Judiciárias do evento organizado no último dia 27 pela Ajufe no auditório desta Seção Judiciária.

Requer, ainda, a Ajufe, lhe seja fornecida cópia da referida certidão. Renova a Ajufe a Vossa Excelência protestos da mais elevada estima e distinta consideração.

N. Termos.
P. Deferimento.
Brasília, 29 de abril de 2011.
GABRIEL WEDY
Presidente da Ajufe

Revista Consultor Jurídico, 30 de abril de 2011, 4h28

Comentários de leitores

2 comentários

comentario Improbidade

futurae visionis (Advogado Autônomo - Civil)

Brilhante comentario do Dr. Tulio Mendonça Procurador do Estado. Os cidadãos devem ficar felizes com a existencia de pessoas com altissimo respeito a "coisa publica".

Improbidade

Le Roy Soleil (Outros)

Não, senhor presidente da AJUFE, não há na espécie nenhum "crime contra a democracia", mas sim e tão-somente um lamentável episódio de IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, pelo uso, por uma entidade privada (AJUFE), de um bem público (sinal de internet do TRF).

Comentários encerrados em 08/05/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.