Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ameaça pública

Tragédia em Realengo antecipa campanha por desarmamento

Desarmamento - Spacca

A tragédia na escola de Realengo, no Rio de Janeiro, em que 12 crianças e o atirador foram mortos, fez o Ministério da Justiça adiantar a campanha nacional do desarmamento para o dia 6 de maio. De acordo com o ministro José Eduardo Cardozo, um conselho de representantes do governo federal e da sociedade civil vai coordenar a campanha. As informações são da Agência Brasil.

A reunião do conselho está marcada para a próxima segunda-feira (18/4). Além de organizações da sociedade civil, entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil, o Conselho Nacional de Justiça, Conselho Nacional de Segurança Pública e o Conselho Nacional do Ministério Público deverão integrar o conselho. Segundo o ministro, a campanha não tem data para terminar e deve ser feita anualmente.

Nessa segunda-feira (11/4), Cardozo se reuniu com representes do Instituto Sou da Paz e da organização não-governamental Viva Rio, em Brasília, e disse que o governo tem discutido formas de acelerar o pagamento das indenizações, que demorava cerca de três meses nas outras campanhas. Segundo ele, "a demora do pagamento traz um desestímulo à população, que demora ou até desiste de entregar as armas".

Na última campanha, os valores das indenizações variavam entre R$ 100 e R$ 300 por arma. Este ano, as pessoas que entregarem munições também serão ressarcidas. Os valores ainda não estão definidos, mas cada munição deve valer centavos.

Na última campanha do desarmamento, feita entre dezembro de 2008 e dezembro de 2009, foram recolhidas mais de 40 mil armas no país. De acordo com a ONG Viva Rio, há 14,5 milhões de armas em circulação no país.

O desarmamento também está sendo discutido no Senado Federal. Nessa terça-feira (12/4), o presidente do Senado, José Sarney, vai apresentar proposta de um novo referendo sobre o desarmamento. O objetivo é debater um projeto de lei para ser feita nova consulta à população sobre a proibição da venda de armas de fogo no país.

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2011, 10h34

Comentários de leitores

9 comentários

DESARMAMENTO

SÍLVIA SEMPRE PELA JUSTIÇA (Advogado Autônomo - Criminal)

OS CIDADÃOS DE BEM JÁ ESTÃO DESARMADOS. É POR ISSO QUE OS BANDIDOS INVADEM CASAS, BANCOS, COMÉRCIOS, ROUBAM E MATAM PORQUE OS HOMENS DE BEM ESTÃO TOTALMENTE DESPROTEGIDOS. AS ARMAS DOS BANDIDOS PROVÊM DE CONTRABANDOS. PROIBIR A VENDA DE ARMAS? ORA, NINGUÉM COMPRA ARMA EM LOJAS ESPECIALIZADAS SEM A DEVIDA AUTORIZAÇÃO E BANDIDO NÃO AS COMPRA ALI. O QUE ESSES SENADORES, SARNEY E O MINISTRO DA JUSTIÇA DEVIAM FAZER ERA COMBATER "DE VERDADE" A CRIMINALIDADE, EXIGINDO A CONSTRUÇÃO DE PRESÍDIOS, TANTOS QUANTOS NECESSÁRIOS E EDITANDO LEIS QUE NÃO FACILITASSEM A "PROGRESSÃO" DE REGIME, QUE EM POUCO TEMPO COLOCA A BANDIDAGEM NA RUA PARA VOLTAR A DELINQUIR. O STF TAMBÉM DEVIA RACIOCINAR UM POUCO, PORQUE COM FACILIDADE CONCEDE HABEAS CORPUS, SEM PENSAR NA VIDA DOS CIDADÃOS HONRADOS QUE VIVEM COMO PRISIONEIROS ENTRE GRADES EM SUAS CASAS, ENQUANTO A BANDIDAGEM RI E SE DIVERTE NAS RUAS, AFIRMANDO QUE NÃO IMPORTA SER PRESO PORQUE EM POUCO TEMPO SE VERÁ LIVRE PARA NOVAMENTE COMETER SEUS CRIMES.

O certo e o errado

A. Salomão (Advogado Autônomo)

Se um meliante entrar na casa do meu vizinho eu somente poderei tentar chamar a polícia que entre chegar e não chegar poderá demorar mais de uma hora e até lá o bandido terá aterrorizado, furtado/roubado, violado, enfim está completamente à vontade para pintar e bordar e sair sem ser incomodado. A justificação para desarmar o povo que paga impostos e que sustenta o sistema só pode ser aplaudida por infelizes. De resto se as pessoas não podem deter arma porque existe polícia para as defender, também não existe um polícia em cada esquina porque é impossível. Então a conversa do desarmamento só poderá ser para desarmar a polícia porque as pessoas de bem já o foram. Se a população estivesse armada e obrigada a provar que sabia fazer uso da arma, muito crime não aconteceria. Gente doida existe em qualquer lugar do mundo, assim como governantes que se governam em vez de governar. Chega de demagogia e de oportunismo político.
Devolvam ao povo o direito de se defender.

Desarmamento.

krieger (Advogado Autônomo - Civil)

Senhores.
Pertinente a questão do desarmamento, todo o cuidado é pouco.As várias situações existentes,não pode dar ensejo a desarmamento de toda a população. Exemplifico :Sítio de lazer no interior do Estado, longe da policia. O assaltante adentra nessa propriedade.Como ficaria a família que está nessa propriedade ? Esperaria sentada ser assaltada ? eis que o assaltante saberia que não haveria nenhuma arma na propriedade.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.