Consultor Jurídico

Entrevistas

A defesa da União

Decisões judiciais nem sempre resolvem conflitos

Comentários de leitores

7 comentários

IGUALDADE DE TRATAMENTO?!?!

JailtonFederal (Procurador Federal)

"O cidadão tem direito à uniformidade de tratamento. Ele não pode se submeter a regras diferentes por razões eminentemente casuísticas de organizações diversas".
Esperava que esse raciocínio da isonomia se aplicasse aos candidatos aprovados no concurso de procurador federal, mas não tivemos o mesmo tratamento dos gestores do MPOG, que foram todos nomeados.
Carreira forte só se faz com dirigentes fortes.

O Céu é limite.

JPLima (Outro)

Caro Dr. Carlos André, creio que a questão dos subsídios seja Política. Alguém está ganhando com isto. Para os servidores do Poder Judiciário também existe uns Deputados com está ideia de transformar a remuneração em subsídios e aí as vantagens pessoais sumiriam. Mas, neste artigo o que me chama atenção é o fato do Dr. Adams falar não como Advogado Geral da União, mas como um Ministro ou Juiz do Poder Judiciário. Alguém precisa lebrá-lo de que ainda não foi indicado ou nomeado pela companheira Dilma. Acorda Adams, você é um advogado e não um Juíz.

Sucesso?

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A União tem uma dívida judicial estimada em 380 bilhões de reais com os cidadãos. É dinheiro que foi literalmente surrupiado do bolso do contribuinte, sendo certo que a Instituição que Adams comanda se especializou em postergar ao máximo o cumprimento da obrigação por parte do Governo Federal e rolar essa dívida ao extremo. Sob esse ponto, a Instituição é um sucesso, já que bilhões de reais que deveriam estar nas mãos do cidadão estão nos cofres do Governo, sendo gasto da forma que bem conhecemos. Mas como fica a situação do cidadão lesado pela União em meio a todo esse "sucesso" da AGU?

Carlos André Studart Pereira

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

Sou advogado particular, mas, sinceramente, sou a favor da percepção dos honorários de sucumbência pelos advogados públicos. Ora, se se exije inscrição na OAB para prestar os concursos, porque não permitir tal verba?

Fazer concurso é ato discricionário do Executivo ?

daniel (Outros - Administrativa)

Fazer concurso é ato discricionário do Executivo ?
Pensei que a Constituição fosse de verdade no Brasil.

Uma dúvida.

Carlos André Studart Pereira (Procurador Federal)

Quer dizer então que o grande óbice para não recebermos honorários é o nosso modelo de remuneração por subsídios, que exclui qualquer outra parcela de remuneração (registrando ainda que em quase a totalidade dos Estados-membros os Procuradores passaram a receber)?
Pergunto então: e receber o decantado "DAS" pode? Por quê? Até hoje ninguém me deu uma explicação plausível.
Não se trata de retórica, mas de uma dúvida mesmo.
Alguém se habilita a responder?

Decisao

ServidorP1970 (Odontólogo)

Decisões

Comentar

Comentários encerrados em 18/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.