Consultor Jurídico

Devolução de parcelas

STJ vai decidir sobre valores pagos em consórcios

A 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça vai uniformizar o entendimento das Turmas Recursais sobre a restituição de valores pagos em consórcio. Com isso, a ministra Isabel Gallotti suspendeu a tramitação de um processo que discute, na Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Distrito Federal, o prazo para a restituição de parcelas que foram pagas a uma administradora de consórcio por uma consorciada que desistiu do negócio.

O processo foi suspenso por liminar e nele a Caixa Consórcio recorreu de uma decisão da 1ª Turma Recursal que entendeu ser abusiva, e portanto nula, a cláusula que estabelece a devolução das parcelas pagas pelo consorciado desistente apenas no final do encerramento do grupo. Além disso, a Turma limitou em 12% a taxa de administração.

A Caixa alegou que a devolução dos valores só poderia acontecer ao final do grupo, e que a limitação à taxa de administração é ilegal. Além disso, argumentou que os valores recolhidos a título de seguro e os destinados ao fundo de reserva não devem ser devolvidos.

A jurisprudência da corte é pacífica no sentido de que, em caso de desistência do consorciado, a restituição dos valores por ele pagos somente se dá em até 30 dias após o encerramento do grupo, e de que as administradoras de consórcio possuem liberdade para fixar as respectivas taxas de administração. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Rcl 5.531




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 4 de abril de 2011, 15h33

Comentários de leitores

1 comentário

Questão Já Decidida

Leônidas Leal (Outros - Comercial)

Não é a primeira vez que o STJ tem de intervir em questões de consórcio.
Na Reclamação Rcl 3.752/GO, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, já foi observada tal situação. Alguns dias após a publicação desta decisão o STJ publicou a decisão do Recurso Especial Repetitivo 1.119.300/RS
RECURSO ESPECIAL REPETITIVO. JULGAMENTO NOS MOLDES DO ART. 543-C DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. CONSÓRCIO. DESISTÊNCIA. DEVOLUÇÃO DAS PARCELAS PAGAS PELO CONSORCIADO. PRAZO. TRINTA DIAS APÓS O ENCERRAMENTO DO GRUPO.
1. Para efeitos do art. 543-C do Código de Processo Civil: é devida a restituição de valores vertidos por consorciado desistente ao grupo de consórcio, mas não de imediato, e sim em até trinta dias a contar do prazo previsto contratualmente para o encerramento do plano.
2. Recurso especial conhecido e parcialmente provido.
(REsp 1119300/RS, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 14/04/2010, DJe 27/08/2010)
Creio que o STJ já mostrou de forma uniforme por 2 vezes o seu entendimento sobre o tema.
Em que pese eu tenha entendimento um pouco diverso face ao CDC sobre alguns aspectos, me parece que deverá ser súmulada a questão.
Destaco ainda que ainda vejo nos jornais anuncios de pessoas que recuperam valores do consórcio no qual houve a exclusão do consorciado.
Leônidas Santos Leal Filho - Jurista de Curitiba-PR.
Especialista em Processo Civil e Direito Civil-Empresarial.

Comentários encerrados em 12/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.