Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

NÃO

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Se criminalista pode recorrer até ao inferno para manter um vagabundo fora da cadeia, não vejo razão para impedir Procuradores de fazer o mesmo.
.
Quanto aos vencimentos, também não vejo problema em ganhar vinte mil + sucumbência.
.
Aliás, creio que advogados, normalmente, são contratados para fazer defesas e não exatamente para "vencer". A derrota dos Procuradores deve ser analisada pela instituição que os contratou e não pela parte adversário ou por quem "está de fora".
.
Por fim, acho que se cada um fizer bem o seu trabalho e não se preocupar com o ... dos outros, seria tudo muito melhor. O meu problema é apenas com criminalista que defende "criminoso de carteirinha" e ninguém se preocupa da onde veio o dinheiro que irá remunerar o "profissional".

Controle

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Prezado Dr. Consumidor (Júnior Brasil). Não acha também que deveria haver um controle quanto a vencimentos recebidos por advogados públicos, que muitas vezes recorrem sem argumentos até a última instância, perdem a demanda, e mesmo assim recebem normalmente como se tivessem se sagrado vencedores?

TRABALHISTA - CRIMINAL

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Já vi reclamante da JT sair com 20% do valor da condenação. Passaram tantos advogados no processo..., cada um querendo receber 30%, que ao final não sobrou nada para o miserável.
.
Nem se fale dos narcotraficantes, ladrões de carreira, etc, etc., ou seja, aqueles que cometem crimes desde o berço, que nunca trabalharam, pagando valores milionários a advogados. Ora, da onde vem esse dinheiro?.
.
Não estou falando de uma pessoa abastada que cometa um crime e contrate um bom advogado. Refiro-me aos criminosos de carreira. Não deveria haver um controle sobre esses pagamentos?
.
Para os defensores do JEITINHO BRASILEIRO, desse jeito está tudo bem.

Faroeste

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

De fato, conforme exposto pelo colega Raphael Fernandes (Advogado Autônomo - Administrativa) logo abaixo, por aqui todo mundo mete o bedelho em matéria de honorários advocatícios, principalmente quando chega a hora de pegar. É juiz que quer determinar quanto o advogado vai receber pelos honorários contratuais, mesmo sem qualquer provocação do interessado. É membro do Ministério Público Federal que ingressa com ação penal contra o advogado pelo fato de estar cobrando honorários contratuais. É membro de tribunal de ética da OAB que quer prejudicar o colega que inveja. É advogado que quer ingressar em ações já quase findas com o intuito de se aproveitar do trabalho do colega que o antecedeu, e assim por diante. Independentemente do critério adotado, se vê que na Itália há todo um sistema claro a respeito de honorários advocatícios, com a participação de todos. Por aqui, vivemos um verdadeiro faroeste, sendo que o maior prejudicado acaba sendo a própria população uma vez que bons profissionais acabam abandonando a advocacia privada para buscar uma vida profissional mais tranquila junto ao serviço público.

Aqui já acontece isso...

Raphael F. (Advogado Autônomo)

Isso já acontece no Brasil. Inclusive este portal jurídico noticiou, na semana passada, uma matéria sobre o assunto. É a moda atual o Poder Judiciário querer dizer o quanto vale o trabalho do advogado. Em que pese haver uma tabela de honorários elaborada pela OAB, não há qualquer obrigação constitucional que se cobre além ou aquém dela. Cada um estudou e estuda para aprender e se manter atualizado e apto a defender os interesses de outrem. Logo, seu trabalho vale o que entende valer, de modo que o cliente o constitui ciente dos honorários. E em um país como o Brasil, com faculdades de Direito até em copas de árvores, não há de se falar em formações de cartéis. Há advogado que trabalha por migalhas, aceitando qualquer negociação - o que também não é errado, ao meu ver. Afinal ele deve saber o quanto vale o seu trabalho!

Comentar

Comentários encerrados em 12/04/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.