Consultor Jurídico

Comentários de leitores

42 comentários

ILEGALIDADE E IMORALIDADE DO PELUSO

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

Sobram razões ao Rodolpho. O Peluso pisoteou a Constituição, cuspiu no Estatuto do Idoso, e praticou imoralidade repulsiva.
De fato, se ele denegou a liminar no habeas corpus em 2007, era ali, naquela decisão monocrática, que ele deveria decidir sobre o seguimento do habeas corpus, e não procrastinar durante quase três anos essa decisão, pois essa procrastinação constitui obstrução da justiça e cerceamento de defesa.
Se ele, ilegalmente, mandou pedir informações, não ao STJ que era a autoridade coatora, mas sim ao juiz, isso também constitui troca de figurinhas, como disse o Rodolpho, comprovando que o Peluso é corporativista. Aliás, quando ele mandou soltar os desembargadores federais presos por venda de acórdãos, ele deixou preso todos os outros acusados que não eram juízes. Esse ato do Peluso foi repudiado com nojo por toda a advocacia, mas ele deu de ombros, com desprezo, como quem diz: “que se danem, eu sou ministro”.
Qualquer decisão nesse habeas corpus referido pelo Rodolpho tinha que ser colegiada, e não monocrática, e, no máximo, em dois meses, em razão da idade, 68 anos, do advogado, e nunca procrastinar escandalosamente por quase três anos.
Finalmente, a Constituição Federal, diz – artigo 5º, XLIX: é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral – e a violação desse inciso tipifica o crime de tortura, que, segundo a Lei de Tortura, nº 9455/97, impõe cadeia brava de até 8 anos contra autoridade que praticar esse crime.

ILEGALIDADE E IMORALIDADE DO PELUSO – Cont.1

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

Desse modo, se um advogado insulta um juiz durante uma audiência, o crime será de desacato, punível com até 2 anos de detenção. Mas, se um juiz insulta a parte que está submetida a ele, o juiz comete crime de tortura, punível com até 8 anos de reclusão e expulsão da Magistratura. Essa é a diferença.
Mas no caso vertente, segundo as informações do Rodolpho, o Peluso deu carta branca ao juiz para torturar um advogado idoso, com insultos, calúnias, ofensas. E o que é mais escandaloso: com direito a “julgar” a vítima desse crime praticado pelo juiz.
É por isso que os americanos não confiam nos juízes, e lá o juiz não julga, quem julga é o júri - 12 jurados - sejam nas ações cíveis, sejam nas penais, e o advogado tem o direito de recusar qualquer jurado e quantos jurados quiser.
Desse modo, se um afro-americano estiver sendo acusado de molestar uma mulher branca, é claro que o advogado de defesa recusará quaisquer mulheres, brancas ou negras, para compor os 12 jurados, e quaisquer homens brancos.
Vale lembrar que lá não é só o crime de homicídio que é julgado por júri: é qualquer crime. E mais, o juiz americano está absolutamente proibido de interrogar testemunhas ou partes, e de produzir quaisquer tipos de provas, sob pena de nulidade do processo e perda do cargo, enquanto que aqui o juiz é um delegado de polícia, cuja prática, nos processos penais, é cercear todo tipo de defesa.
Portanto, o Rodolpho provou que o Peluso, além de retrógrado, é extremamente corporativista, e que, para ele, juiz tem imunidade absoluta para fazer o que bem entende, sem responder por nada perante ninguém.
Está coberto de razão o Rodolpho.

PELUSO ENDOSSA PERSEGUIÇÃO DE JUIZ CONTRA ADVOGADO IDOSO (1)

rodolpho (Advogado Autônomo)

A Constituição Federal dá proteção ao idoso, nos seguintes termos: Artigo 230: “O Estado tem o dever de amparar as pessoas idosas, defendendo sua dignidade e bem estar”.
A Lei Federal nº 10.741/03, Estatuto do Idoso, declara o seguinte: Artigo 71: “É assegurada prioridade na tramitação dos processos e procedimentos e na execução dos atos e diligências judiciais em que figure como parte ou interveniente pessoa com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, em qualquer instância”.
Em outubro, 23, de 2007, o advogado, de 68 anos, impetrou no STF um habeas corpus contra o STJ, que havia negado um habeas corpus contra o tribunal estadual que, por sua vez, havia negado reconhecer um escancarado impedimento de um juiz que há três anos vinha usando o cargo para perseguir ferozmente o advogado que tinha representado contra juízes da comarca.
O Peluso não pediu informações ao coator, que era o STJ. O que ele fez foi pedir informações ao juiz. Por ai se vê o corporativismo alucinado do Peluso em favor dos juízes.
Nas “informações” o juiz acusado de perseguição, comprovou que realmente perseguiu o advogado, pois, em dezenas de laudas, injuriou, difamou, caluniou, o advogado idoso, e também a esposa do advogado, que é advogada e defensora do mesmo. É claro que só por essas calúnias já estava provada a perseguição do juiz contra o advogado idoso.
O Peluso não disponibilizou essas “informações” descabidas e caluniosas do juiz, mas o advogado conseguiu em Brasília as cópias das mesmas, e impugnou-as todas, linha por linha.

PELUSO ENDOSSA PERSEGUIÇÃO DE JUIZ CONTRA ADVOGADO IDOSO (2)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Em face disso, o Peluso, não tendo meios de negar o habeas corpus, o que fez foi violentar a garantia constitucional do idoso, e o Estatuto do Idoso, e procrastinou o julgamento até março de 2010: dois anos e quatro meses, portanto. Num habeas corpus, prestem atenção, num habeas corpus para um idoso, que ele não poderia levar mais do que dois meses para julgar.
Passados esses dois anos e quatro meses, esse retardamento brutal, essa violação do Estatuto do Idoso, o Peluso, arbitrariamente, sem levar o caso ao Colegiado, numa decisão monocrática, negou seguimento ao habeas corpus.
Ora, o habeas corpus tinha sido impetrado com pedido liminar, que ele negou sem fundamentação absolutamente nenhuma. Se queria negar o seguimento, que negasse naquela ocasião, e não esperar quase três anos para fazê-lo.
Quem ler um voto da Suprema Corte americana, e ler um voto do Peluso, verá que a última coisa que ele poderia ser é Ministro do Supremo.
Qualquer decisão judicial tem que ser justificada com argumentação dedutiva, com base no silogismo intitulado “modus ponens”, que, simbolicamente se expressa: se P, então Q; ora, P está presente, portanto a conseqüência Q se impõe.
Nesse silogismo, a premissa maior é a norma em que a decisão judicial tem que ser amparada; a premissa menor é o fato comprovado, e a conclusão é o resultado inevitável dessas premissas.

PELUSO ENDOSSA PERSEGUIÇÃO DE JUIZ CONTRA ADVOGADO IDOSO (3)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Nesse habeas corpus, cujo seguimento o Peluso negou, nenhuma norma jurídica existe para amparar tal decisão. A única norma é o achômetro ditatorial e tirânico do Peluso. Como ele nunca foi advogado, e sempre teve a segurança financeira dos gordos proventos do Estado, ele nunca foi obrigado a apresentar argumentos dedutivos com base na lei das decisões que toma. E ai do advogado que reclama disso.
No presente caso ele disse que habeas corpus não é instrumento para decidir sobre impedimento ou suspeição de juiz, mas não diz de que regramento jurídico ele tirou isso.
Se a Constituição Federal garante, no artigo 5º, inciso LIV, o devido processo legal, essa expressão significa ser julgado por juiz imparcial, e ficar livre da perseguição, comprovada documentalmente, de um juiz, pois esse juiz impedido confessou sim nas “informações” que deu ao Peluso que era inimigo figadal do advogado idoso.
O fato de o Peluso ter pedido informações ao juiz e não ao STJ que era o impetrado, tornou o Peluso impedido de julgar, pois ele estava trocando figurinhas com o juiz.
Portanto, o Peluso pisou e sapateou em cima do artigo 230 da CF e do artigo 71 do Estatuto do Idoso, demorando quase três anos para dar uma decisão totalmente destituída de fundamento e baseada só na ditatorial palavra dele.

PELUSO ENDOSSA PERSEGUIÇÃO DE JUIZ CONTRA ADVOGADO IDOSO (1)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Só por esse retardamento nessa decisão, o Peluso deveria ser expulso da magistratura, expulso do STF, inclusive porque ele deu carta branca para que um juiz se prevalecesse do cargo para insultar, humilhar, ofender, pisotear, torturar, um idoso. Quando uma autoridade insulta uma pessoa que está submetida a ela, mormente num processo, isso constitui crime de tortura, e o Pelsuo endossou e acobertou essa tortura. Expulsão do Supremo Tribunal Federal é o que o Peluso merece, e um dia teremos aqui um Hugo Chaves que bote na cadeia um indivíduo como esse.
E lembrem-se: essa foi uma decisão monocrática, exclusivamente do Peluso. O Colegiado não tomou parte nela. Portanto, o Peluso deu carta branca e imunidade total para um juiz insultar, difamar, caluniar a parte, quando isso constitui crime de tortura; crime de tortura, sim, pois a parte está submetida ao juiz.
O Peluso, de posse dessas “informações”, dessa troca de figurinhas com o juiz, não permitidas pela lei, estava obrigado a encaminhar as peças do habeas corpus ao Ministério Público Criminal, conforme manda o artigo 40 do CPP, para apurar essas calúnias praticadas pelo juiz contra um advogado idoso, e não apenas para dar parecer no habeas corpus, mas ele acobertou o juiz e negou seguimento ao habeas corpus, depois de violar a Constituição e o Estatuto do Idoso durante quase três anos, retardando o andamento do habeas corpus.
Mas o Peluso é juiz, e juiz defende juiz. Para o Peluso, juiz pode tudo e tem imunidade total para tudo, conforme ficou provado aqui.

MAIORIA DOS ADVOGADOS HOJE É ISSO AI !?

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

OAB/RJ – ADVOGADOS COM MEDO...
*
http://sites.google.com/site/arrudafilialriocom/
*
MAIORIA DOS ADVOGADOS CARIOCAS TEMEM PELO FUTURO DE SUAS CARREIRAS JUNTO AO TJRJ, QUANDO SE TRATA DE LUTAR PELA EXTINSÃO DA COBRANÇA DO PEDAGIO DA AVENIDA CARLOS LACERDA.
*
Consultados vários advogados do Rio de Janeiro, sobre a possibilidade de entrarmos com uma ação para extinguir a cobrança de pedágio na AVENIDA Carlos Lacerda - Linha Amarela - tanto a OAB-RJ, MPERJ, DPGE, e outros advogados autônomos se dizem com receio e até medo de impetrar tal ação...
*
-Preciso trabalhar tenho família e filhos não posso me arriscar, entrar com uma ação dessas é mexer no vespeiro, criar inimigos poderosos no MP, OAB e no TJ-RJ!
*
-Por acaso o senhor já viu alguma ação contra essa cobrança no TJRJ... O senhor acha que estamos satisfeitos em pagar pedágio na avenida, claro que não, mas tem coisas que o melhor é fazer como nas favelas, respeitar a Lei do silencio !

LEWANDOWSKI: INIMIGO DOS ADVOGADOS E AMIGO DOS JUÍZES (1)

rodolpho (Advogado Autônomo)

No dia 22 de abril do ano de 2009, Joaquim Barbosa desacatou Gilmar Mendes, então Presidente do STF.
Aos berros, Barbosa esculhambou com Gilmar Mendes, gritando que Gilmar Mendes estava “destruindo, enlameando a Justiça Brasileira”, em referência ao caso Daniel Dantas, e dizendo que Gilmar Mendes “tinha capangas em Mato Grosso do Sul”.
Gilmar Mendes pediu a Lewandowski que assinasse uma nota de repúdio contra Joaquim Barbosa, mas Lewandowski recusou-se terminantemente.
O caso era para instauração de ação penal contra Joaquim Barbosa, por crime de desacato ao Gilmar Mendes e ao Tribunal.
Esse crime não pode ser punido com uma simples notazinha de repúdio, mas nem essa notazinha o Lewandowski quis assinar.
Entretanto, Lewandowski, advogado que entrou na Magistratura por meio do quinto constitucional, sem fazer concurso, tornou-se inimigo figadal dos advogados, razão pela qual é odiado por toda a advocacia deste país, e, usurpando ditatorialmente a competência do Poder Legislativo, destruiu, na Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 1127-8, o parágrafo 2º, do artigo 7º, do Estatuto da Advocacia, que garante que o advogado não pode ser vitimado com acusação de desacato, difamação ou injúria, no exercício da função.

LEWANDOWSKI: INIMIGO DOS ADVOGADOS E AMIGO DOS JUÍZES (2)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Se fosse na Venezuela, o Hugo Chaves teria fechado o Supremo, como fez lá, e prendido o Lewandowski.
Portanto, compare-se o confronto: quando se tratou do Joaquim Barbosa, um juiz, que esculhambou com o Supremo na frente de todas as câmeras da TV Justiça, e praticou o crime de desacato, ele, Lewandowski se recusou a assinar uma simples notinha de repúdio. Mas, quando se trata de advogado, é pau em cima de advogado. Para o Lewandowski, juiz pode desacatar a autoridade que quiser, mas advogado não. Para Lewandowski, a imunidade dos juízes é absoluta, mas, para os advogados, a imunidade é nenhuma. É por isso que o Lewandowski é odiado por toda a advocacia do país. Esse é o Supremo, esse é o Lewandowski.
Precisamos de um Hugo Chaves neste país, que feche o Supremo e ponha na cadeia os Ministros que se atreverem a, sem fundamentação alguma, na única base do achômetro, dar aos juízes carta branca para ofender a quem quer que seja, inclusive ofender Juízes e Ministros do Supremo, enquanto que um advogado que disser, em um recurso, que o Juiz sentenciante “não teve capacidade sequer para justificar a sentença”, será imediatamente alvo de processo administrativo na OAB, alvo de ação penal, e alvo de pesadíssima ação indenizatória que, com certeza, ganhará.
É por isso que o Lewandowski é odiado por toda a advocacia brasileira.

JOHN098 (Arquiteto)

Jurista_ (Professor)

Burro é você...
.
Achei que estivesse escrevendo outra coisa, confundir os termos.

Cumprimentos

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Prezado PEREIRA. Parabéns pela notável análise que fez do tema. Palavras assim nos incentivam a nos comportamos como verdadeiros advogados, deixando de lado o derrotismo e a inércia.

CILA E CARIBIDES – FORMALISTAS E CÉTICOS

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

Céticos são os que não acreditam que o Judiciário Brasileiro respeite a imunidade dos Advogados.
Formalistas são os que têm a ilusão de que o Judiciário Brasileiro respeita essa imunidade, baseados no fato de que um ou outro habeas corpus consegue trancar ações por ofensas a Juízes.
O que esses formalistas iludidos não percebem é que, se há imunidade, não pode haver processo, e se for necessária a impetração de um habeas corpus é porque o processo foi instaurado.
E por que é que essa imunidade não é respeitada, e os Juízes zombam dessa imunidade?
A resposta é: pela mesma razão de que o gato come o rato, mas não se atreve a atacar o leão.
Os parlamentares, Deputados Federais e Senadores, têm imunidades, e só podem ser processados com autorização do Senado ou da Câmara, respectivamente.
Até hoje nunca o Supremo se atreveu a dizer que essa imunidade não é absoluta. E por quê? Porque com o Congresso Nacional o Supremo não pode.
Se um General de cinco estrelas xingar um Juiz, ou um Desembargador ou um Ministro do Supremo, de vagabundo, canalha, sem vergonha, por acaso esses Magistrados terão raça, peito, de dar voz de prisão em flagrante para esse General de cinco estrelas? Vamos morrer de dar risada.

CILA E CARIBIDES – FORMALISTAS E CÉTICOS – cont.1

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

No ano de 1649, o General Oliver Cromwell cortou, e jogou no lixo, a cabeça do rei Carlos I, mas Oliver Cromwell era um General que, numa guerra civil, trucidou os exércitos do rei.
Cento e quarenta e quatro anos depois, em 1793, o povo cortou a cabeça do rei Luis XVI e da rainha Maria Antonieta, mas isso aconteceu numa guerra civil, na Revolução Francesa.
Os Juízes brasileiros escarram e cospem na imunidade dos Advogados, declarando monarquicamente que essa imunidade não é absoluta, e fazem isso porque os Advogados são fracos, não têm força para reagir.
E a coisa não fica somente na ação penal. Agora, eles estão reclamando fortunas, pelos chamados “danos morais”.
Basta o Advogado escrever, numa apelação, que o Juiz foi parcial, foi tendencioso, e o Juiz exige 100 mil reais de indenização.
O Tofolli, que foi reprovado em concurso para Juiz, na condição de Ministro do Supremo confirmou a indenização de 200 salários mínimos para um Juiz do Rio de Janeiro, que se disse ofendido por um Advogado.
E a coisa atingiu o clímax porque a OAB perdeu o direito de fazer desagravo contra Juiz. No ano de 2008, um Juiz trabalhista esculhambou com uma Advogada porque ela reclamou que ele iniciou uma audiência com duas horas de atraso. A Advogada pediu e obteve, na OAB, um desagravo contra esse Juiz. O Juiz, alvo do desagravo, entrou com pedido de indenização e um colega dele, de primeira instância, condenou a OAB a pagar 30 mil reais de indenização, e, ainda por cima, por meio de um jornal de grande circulação do Rio de Janeiro, pedir desculpas ao Juiz.

CILA E CARIBIDES – FORMALISTAS E CÉTICOS – cont.2

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

A Constituição Federal declara, no artigo 133, que o Advogado tem imunidade. A Lei Federal 8906/94 confirma, no artigo 7º, § 2º, que o Advogado tem essa imunidade. Mas os Juízes dão risada, rasgam, jogam no chão, pisam e cospem em cima da Constituição e da Lei, com uma simples declaração: a imunidade é para os outros, não para Juízes. Nós, os Juízes, temos sangue azul, somos da alta nobreza, e temos que ser chamados de Excelência.
Por que eles não fazem isso com um General de cinco estrelas, do Exército? Com um Almirante de Esquadra? Com um Capitão de Mar e Guerra? Com um Tenente-Brigadeiro, da Aeronáutica?
Todos sabemos que os militares têm o pavio curto e não mandam dizer. Se qualquer Magistrado pisar no calo deles, a resposta será a altura. Haverá neste país um Magistrado que se atreva a dar um desacato contra um desses Generais?
Os Juízes não têm sangue azul, eles têm o sangue vermelho como todo mundo. Envelhecem como todo mundo. Apodrecem como todo mundo. Não têm direito algum a tratamento privilegiado.
Eles não batem ponto, chegam ao trabalho na hora que bem entendem, e se não quiserem trabalhar não dão satisfação a ninguém. Jamais cumprem prazos processuais e nunca respondem por isso. Jamais são punidos por nada. E por quê? Porque a fraqueza dos Advogados é que permite isso.

CILA E CARIBIDES – FORMALISTAS E CÉTICOS – cont.3

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

Quando aparecer um Oliver Cromwell entre os Advogados, que lidere uma revolução contra esses Juízes prepotentes, que deixam de trabalhar para dar pseudo-aulas, como pseudo-professores, nas 1500 faculdades de Direito do país, então esses Juízes vão tremer de medo.
E, por esse motivo, os processos se amontoam sem decisões, sem julgamentos. Interrompe-se o andamento dos processos, mas não os ganhos desmerecidos e absurdos desses Juízes.
Eu vi, nos Estados Unidos, todos os Juízes chegarem à Corte às 7 horas da manhã. Todos os Juízes. E saírem às 5 horas da tarde, durante todos os dias do ano, e com apenas um mês de férias por ano. Lá, Juiz é Juiz, e Professor é Professor.
Quem denunciou a preguiça dos Juízes foi o Ministro Pargendler, quando declarou que a maior parte do trabalho dos Juízes é feito pelos cartórios.
O grande lutador é aquele que sabe apanhar, e apanhar muito, sem cair. É o caso de Mandela: 25 anos de cadeia e depois botou na cadeia os Juízes que o prenderam. Mandela apanhou 25 anos. No dia em que os Advogados aprenderem a apanhar e enfrentar esses algozes, essa nobreza de mentira, essa nobreza falsificada, que são os Juízes, eles vão tremer de medo, vão se apavorar, e nunca mais dirão que a imunidade do Advogado não se refere a Juízes e não é absoluta.

XINGAR COM LINDAS PALAVRAS NÃO OFENDE!

SÍLVIA SEMPRE PELA JUSTIÇA (Advogado Autônomo - Criminal)

EM GERAL, QUANDO UM ADVOGADO HONESTO ARGUI A SUSPEIÇÃO DE UM JUIZ, FÁ-LO PORQUE TEM CERTEZA DE SUA INCAPACIDADE MORAL DE PRESIDIR UM PROCESSO E SUA REVOLTA SE EXPRESSA MEDIANTE TERMOS INCONTROLADOS. QUANDO O ADVOGADO É DESONESTO(DATA VENIA,ESTES EXISTEM),SEMPRE O FARÁ DENTRO DE SEU "JUS SPERNEANDI". NO PRIMEIRO CASO, O EMPREGO DE FRASES EDUCADAS, MEDIANTE O USO DO AURÉLIO PARA CONFUNDIR "ALHOS COM BUGALHOS", CONVENCE MAIS E EVITA QUE O PROFISSIONAL SEJA PUNIDO, TENDO AINDA QUE DESEMBOLSAR O FRUTO DE SEU ÁRDUO TRABALHO PARA QUE O M.M. GOZE SUAS IMERECIDAS FÉRIAS EM CANCUN. A FRANQUEZA RUDE NÃO FAZ BEM A NINGUÉM E PENALIZA O MAIS FRACO, IN CASU, O ADVOGADO QUE NÃO TEM O "PODER DA CANETA" NEM DA "AUTORIDADE".

Ofensas

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Tudo bem RODOLPHO. Se quer partir para a agressão vamos seguir o mesmo caminho do litígio com a Juíza, se é assim que quer. Já que não acredita na imunidade profissional do advogado, por certo nunca irá sustentá-la em seu próprio proveito.

Ah não cobra ?

Le Roy Soleil (Outros)

Me indique, então, quais os criminalistas de renome que não cobram de colega ? Deixarei seus nomes na agenda, de prontidão para qualquer eventualidade ...

PINTAR E A BABA DO BEBÊ (1)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Pintar, você demonstrou de saída que não sabe matemática, e por isso é uma fraude como advogado.
Não vou lhe dar aulas dessa matéria, porque para aprender matemática você precisa antes aprender a ler, e você provou aqui que não sabe ler.
O máximo que você conhece são as letras do alfabeto, e sabe que ‘b’ com ‘a’ dá ‘ba’, e ‘ba’ com ‘ba’ dá ‘baba’, e ai você lê ‘a baba do bebê’.
Cara, você não percebeu que aqui todo mundo está dando risada de você? Você não tem senso de ridículo? Você é um gabola, contador de vantagens: “eu faço, eu aconteço, eu sou o maior, eu sou genial”. Qual que é, cara?
A prova de que você é burro é que você não procura se informar antes de fazer afirmações. Quem foi que lhe disse que eu sou criminalista?
Eu tento - isso mesmo - tento, no máximo, trabalhar com o Livro II do Código Civil – Direito de Empresa. Eu não entendo nada de Direito de Família, nem de Direito das Sucessões, nem de Direito das Coisas.
Estudo Direito das Obrigações e Contratos sempre me valendo dos conselhos de professores com quarenta anos de vivência na área, pois Contratos é um estudo que não termina nunca.
Portanto, você deveria perguntar se eu sou criminalista, e não afirmar.
Quanto a pagar advogado, você prova que é super burro nesse aspecto. Nenhum advogado criminalista, que tenha vergonha na cara, cobra de colega para defendê-lo em ação penal, pois, agir de outro modo, é jogar a ética e a moral na lata de lixo. Isso prova que você também está por fora nesse ponto. Se um grande criminalista cobrar de um advogado, então ele não é grande e nem é advogado, ele não passa de um safado.

PINTAR E A BABA DO BEBÊ (2)

rodolpho (Advogado Autônomo)

Quanto à OAB, você mostra que é burro outra vez, e que não sabe mesmo ler, pois em meu comentário jamais recomendei a você que procurasse a OAB. Se você quiser saber o que eu penso da OAB, leia meu comentário, aqui no Conjur, no artigo “STJ tem nova direção a partir desta sexta feira”, publicado no dia 03 do corrente mês, ou acesse o link abaixo:
http://www.conjur.com.br/2010-set-03/pargendler-fischer-melhorar-prestacao-jurisdicional-stj
Quando eu disse que você é recém chegado na advocacia, eu me baseei no fato de que você ingressou na mesma em 2002, mas não insinuei que você não tivesse capacidade. Não fui eu quem inventou a frase: “o advogado que advoga em causa própria tem um cretino como cliente”. Esse refrão é centenário e é repetido em todas as línguas do mundo civilizado.
Um advogado pode ter 50 anos de carteira e ser uma besta quadrada.
Você é uma besta quadrada, não porque tem pouco tempo de advocacia, mas porque é uma besta quadrada por natureza, e porque se esforça para sê-lo e para divulgar essa burrice aos quatro ventos.
O seu desespero, se auto elogiando, contando vantagens, a torto e a direito, mostra que o seu problema é um tremendo complexo de inferioridade. Você olha no espelho e não vê nada, a não ser um analfabeto. E por olhar no espelho, você acha que os outros são analfabetos que nem você.
Há um lugar onde você se dará muito bem: no hospício.

Comentar

Comentários encerrados em 16/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.