Consultor Jurídico

Programa ao vivo

TV não responde por ofensas feitas por entrevistado

A Televisão Pioneira, do Piauí, não é responsável por ofensa praticada por entrevistado em programa ao vivo. O entendimento da Justiça estadual foi mantido pelo Superior Tribunal de Justiça porque seria necessário o reexame de provas em Recurso Especial, o que é proibido pela Súmula nº 7. A segunda instância entendeu que a emissora e o apresentador do programa “Eleições 98” não deram causa ao dano alegado.

O autor do recurso é o empresário Paulo Delfino Fonseca Guimarães, que ajuizou ação de indenização por danos morais contra a TV Pioneira. Ele alegou que se sentiu ofendido pelo então deputado Carlos Augusto Araújo Lima, que já morreu. Lima acusou Guimarães e Sílvio Leite, superintendente do Sistema Meio Norte de Comunicação, de exigirem “dinheiro que daria para colocar em funcionamento 25 hospitais”, para ficarem calados e não falarem mal do governador do estado.

Guimarães, no entanto, alegou que o apresentador do programa não impediu o entrevistado de dizer as ofensas, acarretando a responsabilidade civil da empresa de televisão. Esse foi o argumento que não pode ser analisado por força da Súmula nº 7 do STJ. O empresário pediu também a redução dos honorários advocatícios arbitrados em 15% do valor da causa, fixado em R$ 2 milhões.

O relator do caso, ministro Sidnei Beneti, afirmou que, como não houve condenação, a fixação dos honorários deve ser feita de acordo com artigo 20, parágrafo 4º, do Código de Processo Civil.

Para o ministro Beneti, nos autos de ressarcimento de dano moral, em que o valor atribuído à causa é meramente estimativo, já que fica a critério do julgador o arbitramento da indenização, os honorários de R$ 20 mil mostram-se adequados para remunerar os advogados, sem onerar demais os recorrentes.

O Recurso Especial foi parcialmente provido apenas para anular a multa imposta pelo Tribunal de Justiça do Piauí, em razão de Embargos de Declaração considerados protelatórios. O ministro Beneti constatou que os embargos foram manifestados com o intuito de prequestionar os termos abordados no recurso. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de outubro de 2010, 15h54

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.