Consultor Jurídico

Fora do prazo

Liminar mantém promoção de servidores do TRT-SP

Atos administrativos da administração pública podem ser anulados no prazo máximo de cinco anos, exceto as práticas comprovadas de má-fé. Com esse entendimento, o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio suspendeu decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que anulou a promoção de um grupo de servidores do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

A decisão do TCU, de 2006, considerou irregular o ato administrativo de 1993 do TRT paulista, que permitiu a ascensão funcional de servidores da categoria Artesanato, da qual fazem parte os cargos de profissionais de artes gráficas, carpintaria e marcenaria, eletricidade, comunicações e mecânica.

O ministro considerou “a passagem inexorável do tempo” para deferir a liminar, já que 13 anos separam uma decisão da outra. Marco Aurélio destacou que o artigo 54 da Lei 9.784/99 estabelece o prazo máximo de cinco anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé, para que a administração pública tenha direito de anular seus atos administrativos.

O caso
Com a decisão do TRT-SP os cargos dos servidores da categoria Artesanato passaram de nível auxiliar para nível intermediário. Treze anos depois, a Secretaria de Controle Externo no Estado de São Paulo (Secex-SP) realizou uma auditoria no órgão e encaminhou um relatório ao TCU, que considerou o ato administrativo irregular e suspendeu as promoções.

O Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo (Sintrajud), em nome dos servidores filiados à entidade de classe, recorreu ao STF com Mandado de Segurança, alegando que houve abuso por parte do TCU, pedindo liminarmente a suspensão da decisão. O Supremo deu parecer favorável ao Sintrajud. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

MS 29.305




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de outubro de 2010, 3h43

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/10/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.