Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Será que a Unitaliban mudará...?????

Mig77 (Publicitário)

O que ficou esquisito nessa história é que os alunos(homens)se revoltaram por ver as pernas torneadas da aluna microvestida.O que há contra pernas femininas expostas?Pegou mal para a rapaziada?Mulher é bom... moçada!!!Ou vcs não gostam???????????
Outra coisa é que no Carnaval ninguem fica revoltado com as mulheres nuas na Globo em rede nacional.
A Unitaliban ainda ainda precisa mostrar a que veio.Não sei até que ponto faz parte do cartel do Di Gênio, dono da educação no Brasil.Pois se entrar alguem sério no governo, um dia, ele terá que vomitar as gerações que enterrou juntamente com a incompetência governamental e corrupção.A moça, sobreviverá ou não à fama.A vida artística é volátil...
A Unitaliban formará quem pode pagar uma faculdade.Não tenham dúvida!!!Não sei se o Brasil ganhará com isso...

Em breve

Manente (Advogado Autônomo)

Novas Geisys de micro mini saia aparecerão. Iludidas com a fama e o dinheiro fácil.
A moça já se acha uma "celebridade", parece até uma estrela de Hollywood.
Não se assustem se a moça for a ganhadora daquele programa de péssimo gosto.
Lamentável!!!

DUAS NULIDADES

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Duas são as verdades nessa história. 1ª A moça realmente buscou seus quinze minutos de glória; provocou uma situação prevista e dela se valeu para aparecer na mídia, participar de programas de 5ª categoria em emissoras idem e agora conseguiu uma reparação por danos morais aos quais, sem dúvida, deu causa. 2ª A UNIBAN, por sua vez tem muita influência e dinheiro para alterar decisões em qquer. nível recursal. Então, o resumo da ópera é o seguinte: Geyse escolheu a profissão errada (seu negócio é a carreira artística (para a qual até se acha apta.) e a UNIBAN é uma faculdade, que se não existisse, nenhuma falta faria.

Juiz sentenciou de forma justa mas.....

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

A Uniban teve sua primeira turma de direito formada no ao de 1998.
Centenas de bacharéis não puderam, durante um ano, prestar concurso e nem fazer pós-graduação. Sabem porque? Porque o curso de direito não era reconhecido pelo MEC. Alguns alunos entraram com ação por danos morais. GANHARAM TODOS....em primeira instância. Porém, não se sabe como (mas não é muito difícil de imaginar...), quase TODAS as condenações foram revertidas em segunda instância (TJSP). Teve uma condenação por danos morais, nas mencionadas ações propostas pelo gravíssimo erro de deixar os formados um ano sem diploma, que, em primeira instância a Uniban (Academia Paulista Anchieta) foi condenada a pagar 150 mil reais por danos morais. Sabe qto o TJ achou que a Uniban deveria pagar de danos morais neste caso? ZERO!! NADA!!!. O formado em direito, passou um ano sem poder fazer concurso público ou uma pós e o TJ simplesmente achou que não houve nenhum aborrecimento. Claro que se fosse o filho dos desembargadores que julgaram a específica ação, SERIA DIFERENTE...
Logo, tenho muita convicção que no TJSP, estes 40 mil se transformarão em nada ou em uns 5 mil reais.
Os dirigentes da Uniban devem ter uma graaande influência sobre alguns desembargadores....
Os dirigentes da Uniban nunca tiveram um mínimo de preocupação com a aplicação das leis, com a fiscalização e muito menos com o Judiciário. Lembram do campus Osasco da Uniban? O MEC tinha proibido o funcionamento de cursos de direito lá. E? O curso de direito teve início sem problema algum. Com autorização ou sem autorização, com ordem judicial ou não. Afinal, neste país reina a impunidade. Geisy, não comemore ainda, pois há mais política no TJ de SP que no Congresso Nacional....

Comentar

Comentários encerrados em 13/10/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.