Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem fundamento

Toffoli nega pedido de deputado federal cassado

O ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli negou pedido do deputado federal cassado Jerônimo de Oliveira Reis (DEM-SE), que pretendia reaver seu mandato. Segundo o ministro, “não há qualquer fundamento jurídico ou fático que sirva de lastro à pretensão do requerente”. Na decisão, o ministro determina o arquivamento do processo.

O político foi condenado em primeira instância por improbidade administrativa. Em agosto deste ano, ele perdeu o mandato por decisão da Mesa da Câmara dos Deputados. Segundo Dias Toffoli, o parlamentar cassado quer converter uma situação consolidada em direito liquido e certo de continuar no exercício do mandato.

“O Poder Judiciário deu-lhe o veredicto, a Câmara dos Deputados aplicou-lhe a pena política e não será o Supremo Tribunal Federal que lhe irá restituir direito submetido a esse arco jurídico-político”, adverte o ministro.

O político ajuizou uma Ação Cautelar com objetivo de obrigar o presidente do Tribunal de Justiça de Sergipe a remeter para o Supremo Recurso Extraordinário que contesta a decisão que o condenou por improbidade, com a consequente perda do mandato político. O presidente do TJ manteve o processo no tribunal do estado por entender que não havia urgência para remeter o caso para o Supremo. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

AC 2.730

Revista Consultor Jurídico, 30 de novembro de 2010, 1h11

Comentários de leitores

2 comentários

... de vez em quando ...

Luiz Eduardo Osse (Outros)

... de vez em quando, esse ministro acerta ...

Não sei se é para rir ou para chorar.

Diego. S. O. (Advogado Autônomo - Civil)

O fato deste sujeito não voltar a ser Deputado é ótimo, podemos rir...mas, não deveria este sujeito estar preso, pagamento por seus desvios na Administração!?!? Com a palavra os juristas que comentam neste site...

Comentários encerrados em 08/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.