Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Arrastões e incêndios

OAB-RJ pede que Força Nacional atue no Rio

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, Wadih Damous, defendeu nesta terça-feira (23/11) a convocação da Força Nacional em caráter emergencial, caso se prove que os arrastões com incêndios que se intensificaram no Rio são uma retaliação às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs).

Para Damous, os arrastões na cidade do Rio, principalmente na Zona Sul, mudaram de padrão. Antes, eles eram feitos por homens interessados em levar bens fáceis de carregar ou para roubar veículos. Agora, os bandidos incendeiam automóveis e aterrorizam a população. “Tudo leva a crer que se trata de ações para jogar a população contra as UPPs. Se essas ações criminosas perdurarem por mais tempo, sem que haja uma pronta resposta contra essa violência, corremos o risco de desmantelamento das UPPs, que são um projeto que vem dando muito certo”, analisou o presidente da OAB do Rio.

Damous afirmou ainda que a intenção é que essa estratégia do banditismo não se prolongue em razão da inexistência de número suficiente de soldados da Polícia Militar. “Um concurso público levaria tempo para ser feito e também há o período para que os aprovados estejam aptos a ir para as ruas. O que não pode acontecer é que a população consolide um sentimento de insegurança, de que a polícia do Rio não é capaz de enfrentar essa criminalidade. Essa sensação não pode existir”.

O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, apoiou a proposta de Damous, defendendo o que chamou de “conjugação de forças” para combate mais efetivo ao crime no Rio, o que inclui a Força Nacional e a Polícia Federal. Para ele, diante dos ataques do tráfico nos últimos dias, “a sociedade não quer saber se a farda é da PM ou da PF, o que ela quer é segurança”.

Cavalcante afirmou que o momento é de deixar de lado as vaidades e apelou ao governador Sérgio Cabral “que tenha humildade para ousar”. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB.

Revista Consultor Jurídico, 23 de novembro de 2010, 21h16

Comentários de leitores

3 comentários

- BANDIDOS ou HERÓIS !!!

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

A questão é:
*
- Porque o cidadão comum e a policia estão sendo o principal alvo da revolta, se a policia é do povo para o cidadão e o cidadão é vitima do ESTADO CRIMINOSO, tanto quanto a policia é também vitima desse mesmo estado?
*
Ao contrario do que dizem na imprensa, a minha visão é outra, não consigo ver bandidos pura e simplesmente, o que vejo são pessoas semi-analfabetas oriundas das classes mais baixas da sociedade na maioria das vezes, oprimidos, esquecidos e revoltados, agindo de maneira criminosa. Porem, a exemplo do ESTADO NÃO MENOS CRIMINOSO, opressor, culto, preparado e monetariamente abastado, violento, sanguinário, assassino contumaz, insensível e hediondo.
*
- Então porque os BANDIDOS nos atacam, porque atacam a nossa policia?
*
Na verdade, não deveriam agir desta maneira criminosa, mas levando em consideração que optara por esse caminho, e não foi imotivadamente. A quantos anos o povo e os cidadãos procuram pacifica e ordeiramente os caminhos da legalidade, não foi de ontem pra hoje que se estabeleceu a revolta, e motivos não faltam. São tantos os motivos que eu diria, na minha avaliação, que esta acontecendo é uma MODESTA E HIMILDA RECLAMAÇÃO DE DIREITOS CONSTITUCIONAIS e cobrança aos DIREITOS HUMANOS ora estuprados e violados impunemente da maneira mais sórdida e hedionda possível.

CONTINUA...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Se minhas armas fossem as mesmas dos BANDIDOS rebelados, pois também me considero um rebelado, mas não cheguei ainda ao status de BANDIDO, eu faria ataques diferentes, eu pouparia o cidadão e a policia, só atacaria autarquias estatais e a classe integrante do Executivo, Judiciário, políticos e Legislativo, de maneira cirúrgica, esse seria o meu alvo. Mas como não sou bandido e discordo de justiça pelas próprias mãos, muito embora descrentes da justiça.
*
Afinal se nossos entes queridos morrem a míngua nos hospitais, se não temos a mesma oportunidade de alfabetizar os nosso filhos, se moramos em condições sub-humanas, se somos tratados como ratos de esgoto, se fomos cooptados pelo crime em todos os níveis e ai inclui-se a corrupção, isso não é na totalidade culpa da Policia nem do seu vizinho, que, de modo geral são também vitimas desse sistema. Muito embora não estejamos 100% isentos dessa responsabilidade social, por comodidade, omissão ou submissão intencional pessoal, ou simplesmente por absoluta falta de condições junto as autarquias que desdenham das nossas reivindicações como em alguns setores do MINISTERIO PUBLICO, etc.

CONTINUA...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

No meu tempo, nós éramos chamados de subversivos, que o diga Franklin Martins, Dilma, e tantos outros que conheceu o personagem Elmar Soares de Oliveira que rebelado contra os desmandos sociais, surpreendeu a todos após reunião na Casisa, no dia seguinte, ele filho milionário, seqüestrou um avião pra Cuba em nome dos DIREITOS HUMANOS e da LIBERDADE. Era uma pessoa acima de qualquer suspeita, dócil, filho único de um milionário e morava na Avenida Atlântica, também sede dos encontros. Quero dizer com isso, que os rebelados existem a muitas décadas e em todos os níveis sociais, mas, as quadrilhas do poder econômico insistem e vencem dia a dia a batalha, SOB A TOGA DA PSEUDO LEGALIDADE HIPOCRITA.
*
Não há do que reclamar, o ESTADO tem é que modificar o sistema, pois não haverá poder de policia, não haverá cidadão que possa conter os rebelados, a não ser o trabalho social, a divisão de renda justa, um PODER JUDICIARIO honesto e integro.
*
Dizem as línguas mal fadadas da corrupção em causa própria, que muitos críticos ou são apólogos do crime, ou não oferecem solução, mas a verdade é que a solução esta no próprio poder e é do conhecimento universal.

Comentários encerrados em 01/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.