Consultor Jurídico

Lamentável e preocupante

CNJ já cortou da própria carne, diz ministro

Impedido de falar especificamente sobre a inspeção na Justiça Estadual de Mato Grosso do Sul para não antecipar o seu voto como vice-presidente do Conselho Nacional de Justiça, o ministro Carlos Ayres Britto, do Supremo Tribunal Federal,  afirmou, que o conselho já “cortou da própria carne” ao proibir o nepotismo no Judiciário. Segundo ele, foi um pedido de confiança à população sobre a apuração do suposto esquema de mensalão que envolve o Estado. A notícia é do portal Campo Grande News.

Se reservando ao direito de não falar sobre o caso de Mato Grosso do Sul, que foi alvo de denúncias durante o período eleitoral, Ayres Britto disse que é “ruim, lamentável” e preocupante as notícias recentes de envolvimento do Poder Judiciário em esquemas criminosos.

“Estatisticamente - não vou dizer que é inexpressivo, porque vai dar a entender que não é preocupante - é muito preocupante, mas no universo do Judiciário é um número pequeno”, afirmou. Para Britto, que participou do IX Congresso Nacional dos Defensores Públicos, o CNJ faz um serviço à população ao “cortar da própria carne” e com isso cumpre o seu dever.

O CNJ determinou a realização da inspeção na Justiça de Mato Grosso do Sul a partir do dia 29 deste mês. A fiscalização foi justificada pela “necessidade de se garantir absoluta transparência à apuração da suposta existência de um mensalão junto a instituições públicas do Mato Grosso do Sul, para que a credibilidade do Poder Judiciário seja preservada”. As denúncias de corrupção envolvem os três Poderes do Estado.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2010, 16h01

Comentários de leitores

3 comentários

CORTE OU ARRANHÃO ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

" ESSES CASOS ,NO UNIVERSO DO JUDICIÁRIO, SÃO UM NÚMERO PEQUENO.." SIC- Pequeno, Sr. Ministro, porque pequeno também é o Judiciário em relação aos demais poderes da República e a sociedade civil.Não se pode admitir que a quem cabe fazer cumprir as leis, delas se eximam por considerarem-se inatingíveis. Portanto o "cortar a própria carne" para evitar nepotismo no Judiciário,na verdade representa uma leve "lanhada", quiça até sem sangrar. É preciso mais, bem mais. Só resta saber se estão dispostos a isso.

Cortes

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se "cortou da própria carne", na verdade cortou carne podre.

CNJ, UMA POESIA

themistocles.br (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

O que significa dizer que o CNJ "cortou a própria carne"? Aparentemente, significaria que se praticava nepotismo dentro do CNJ? Mas que depois foi proibido dentro do CNJ? Se eventualmente ocorreu nepotismo, o CNJ tomou alguma providência contra quem praticava nepotismo? Quais teriam sido os cortes na "própria carne"?

Comentários encerrados em 28/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.