Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pegadas do delegado

Livro avalia erros de operação contra Dantas

O Escândalo Daniel Dantas - Duas Investigações - Divulgação

Visão crítica de investigação mais alardeada dos últimos anos na imprensa, o trabalho meticuloso de apuração do jornalista Raimundo Rodrigues Pereira, publicado no livro O Escândalo Daniel Dantas – Duas Investigações, chega ao público nesta sexta-feira (11/11).

O lançamento da obra acontece em São Paulo, na FNAC Pinheiros, às 19h30. Depois, ocorre em Brasília, no dia 23 de novembro, a partir das 20h, na Livraria Cultura do Shopping Casa Park (SGCV - Sul, S/N lote 22 loja 4-A - Zona Industrial - Guara). No dia 26, é a vez do Rio de Janeiro, que recebe o autor na Livraria Argumento (Rua Barata Ribeiro, 502 - Loja A - Copacabana), a partir das 20h.

Repórter experiente, Raimundo Pereira revela, por meio de documentos e depoimentos, as falhas grosseiras que levaram o delegado Protógenes Queiroz, comandante da Operação Satiagraha, da Polícia Federal, a responder uma ação penal por fraude processual e quebra de sigilo funcional. Atribuindo ao banqueiro Daniel Dantas o papel de inimigo número um do Estado, o delegado protagonizou uma perseguição que usou arapongas da Agência Brasileira de Inteligência e um efetivo cinematográfico para prender, entre outros, Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta.

A operação, que custou milhões aos cofres públicos, contou com a onipresença de câmeras de televisão em todas as prisões. A proximidade suspeita do delegado com a imprensa levou a Justiça Federal paulista a condenar o delegado por vazamento de informações sigilosas. Protógenes ainda foi condenado por adulterar um vídeo em que supostos emissários de Dantas conversam com outro delegado federal. De acordo com o relatório de Protógenes, eles acertavam o preço para que os nomes do banqueiro e de familiares fossem tirados do inquérito. No entanto, segundo a sentença, Protógenes editou o vídeo e retirou partes em que funcionários da TV Globo, que se encarregaram de fazer as gravações da ação controlada da PF, aparecem refletidos em um espelho durante a gravação.

O autor do livro tem passagens pelas revistas Veja, Isto É, Senhor, Realidade e Ciência Ilustrada, além de Jornal da Tarde, Opinião e Movimento. Atualmente é supervisor editorial da revista Retrato do Brasil.

Serviço:

O Escândalo Daniel Dantas - Duas Investigações
Editora Manifesto
Lançamento: Quinta-feira (11/11), às 19h30
Local: Fnac Pinheiros (Praça dos Omaguás, 34, São Paulo - SP)

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2010, 18h02

Comentários de leitores

9 comentários

ESCLARECIMENTO AO ILUSTRE COLEGA, DR. MARCOS PINTAR

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Prezado Colega, Dr. Marcos Pintar: A questão D.Dantas, a meu ver, é muito simples. Provas de que o mega banqueiro está envolvido até o pescoço com corrupção ativa, desvio de dinheiro, envolvimento com políticos e até como sócio do filho do presidente Lula,além de remessas ilegais de numerário a paraísos fiscais há de sobra. A questão não é a condenação de D.Dantas em 1ª instância (efetivada),mas sim evitar a prisão naquele momento do flagrante e,um pouco antes, pela representação nesse sentido feita pelo Del.Protógenes ao Juiz Di Franco que a acolheu. Veja,como como o nobre colega deve saber, mesmo não militando na área penal,uma condenação em 1ª instância, no Brasil, não vale absolutamente para nada. A Constituição exige, e a jurisprudência do STF pacificou,que a prisão só poderá sobrevir a uma condenação com TRÂNSITO EM JULGADO e isso pode levar 20 anos, ou mais, considerando a lentidão do nosso judiciário (lentidão essa que ainda é maior qdo. pessoas influentes, do tipo em questão,são os agentes do delito).A condenação inicial de D.Dantas, s.m.j.,só serviu para aquietar o ânimo da população; amenizar o 'clamor público', acirrado ainda mais com as decisões do Min. G.Mendes. Na verdade,não houve qualquer irregularidade na condução das investigações e a cooperação da ABIN se fazia necessária diante da grandeza das irregularidades investigadas.Por outro lado, a atuação da imprensa, ainda que se admita tenha sido avisada do flagrante que estava por acontecer,em nada muda a situação,apenas foi noticiado o que ocorreria as escuras, caso não houvesse a filmagem.Note que não foi um flagrante 'preparado' (o que legitimaria a sua nulidade)mas, antes, um flagrante "esperado",situação totalmente diferente.Um abraço.

Desculpem-me pela "faia"

Richard Smith (Consultor)

Ops, "heterônimo" e não "heteronico" (?!) como constou. Desculpem-me

IH , AMIGO, ESPERE SENTADO...

Richard Smith (Consultor)

Caro amigo Marcos:
Você vai esperar e é sentado. Circulo pelas páginas eletrônicas deste democrático espaço há mais de seis anos e JAMAIS vi um único PeTralha responder, de forma urbana, argumento por argumento, lógica com lógica. Os tipos, como este robespierre, heteronico com o qual também se faz conhecer o "fessô" PeTralha etc. e tal, que cumprem tarefa partidária e agem como "Legião" só sabem, bradar, xingar, gritar slogans, lançar ameaças e maldições, tentar desatruir nomes e reputações, mais nada!
Aliás, constituem a única seita do mundo que além de não saber PERDER (isso todos já sabemos) também não sabe GANHAR!!!
Deveriam estar, todos, como "pintos no lixo", felizes a se regozijarem, em adoração, com a vitória da candidata-títere, hoje, presidente-eleita-marionete, mas qual nada! Ficam aí, raivosos, xingando, a procurar por "traidores", "desertores" e dissidentes do "pensamento" oficial!
Vai entender...! (mas EU ENTENDO...)
Um abraço

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.