Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Teste de alfabetização

Tiririca lê e escreve frases em audiência no TRE-SP

O deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira Silva, o Tiririca, leu e escreveu, na manhã desta quinta-feira (11/11), durante audiência no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. O juiz da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, Aloísio Sérgio Rezende Silveira, submeteu Tiririca a teste de ditado e leitura. Tiririca é réu em ação penal que apura se houve falsidade ideológica na declaração de alfabetização entregue no pedido de registro de candidatura com vistas às eleições 2010.

O juiz aplicou um ditado de texto extraído aleatoriamente da página 51 do livro Justiça Eleitoral: uma retrospectiva, publicado em 2005 pelo TRE-SP. Além disso, o juiz solicitou que Tiririca lesse dois trechos de reportagens publicadas nesta quinta-feira (11/11) em jornal para demonstrar leitura e compreensão.

De acordo com o presidente do TRE-SP, desesembargdor Walter de Almeida Guilherme, Tiririca se recusou a fazer perícia para avaliar a veracidade da declaração apresentada, mas destacou que "o material coletado durante a audiência é suficiente para o juiz chegar a uma conclusão".

Depois dos testes, o juiz deu continuidade ao processo para colher novos elementos. Serão ouvidas, no mesmo dia, quatro testemunhas: duas arroladas pela defesa e duas pela acusação.

Segundo o presidente do TRE, a ação não impede a diplomação do candidato eleito, pois não ataca seu mandato. A partir da diplomação, Tiririca passa a ter foro privilegiado e o processo é encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (artigo 53, parágrafo 1º da Constituição Federal).

A denúncia, oferecida pelo Ministério Público Eleitoral, foi recebida em 4 de outubro, com base no artigo 350 do Código Eleitoral, que prevê pena de até cinco anos de reclusão e o pagamento de multa por declaração falsa ou diversa da que deveria ser escrita para fins eleitorais em documento público.

O processo segue em segredo de Justiça. O presidente informou que, considerando o grande interesse público, o sigilo foi parcialmente suspenso para que somente os atos feitos na audiência fossem divulgados.

Tiririca, que é filiado ao PR, foi eleito com 1.353.820 votos para o cargo de deputado federal nestas eleições, pela coligação Juntos por São Paulo (PR / PT / PRB / PC do B / PT do B). Com informações da Assessoria de Imprensa do TRE-SP.

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2010, 17h55

Comentários de leitores

20 comentários

Tiririca

Sargento Brasil (Policial Militar)

Não sou a favor que deputados sejam analfabetos, é claro, mas, transformá-lo em réu por falsidade ideológica, quando não se exige sequer que os candidatos sejam honestos, é muito. Acham que não? Pois, o que estão fazendo com a Lei Ficha Limpa que foi aprovada para que fossem impugnadas as candidaturas dos chamados fichas sujas, por que não se chega à uma conclusão? Não sabem o que fazer com ela, mesmo quando se trata de candidatos já condenados.

ELEGER É CONTRATAR

Ana Só (Outros)

A questão é que quando votamos, estamos contratando alguém para ajudar a administrar o país.
Se o Tiririca está preparado para isso, então todas as agências de colocação e recolocação de pessoal não tem razão de existir, pois se exige tantas habilidades de um jardineiro, de um torneiro mecânico, se faz tantos testes e se exige escolaridade para cargos simples em empresas, e para administrar o país basta ser semi analfabeto para ser deputado, senador e presidente.
Se 1.353.820 de pessoas contratam alguém para administrar suas vidas, estamos roubados. Este é um país que vai pra frente, sim, da maneira mais estouvada possível, sendo roubado pelo caminho e andando alegremente rumo a um abismo sem cerca ou aviso de PÁRE. Não é à toa que muitos esperem que Deus seja brasileiro.

ELEGER É CONTRATAR

Ana Só (Outros)

A questão é que quando votamos, estamos contratando alguém para ajudar a administrar o país.
Se o Tiririca está preparado para isso, então todas as agências de colocação e recolocação de pessoal não tem razão de existir, pois se exige tantas habilidades de um jardineiro, de um torneiro mecânico, se faz tantos testes e se exige escolaridade para cargos simples em empresas, e para administrar o país basta ser semi analfabeto para ser deputado, senador e presidente.
Se 1.353.820 de pessoas contratam alguém para administrar suas vidas, estamos roubados. Este é um país que vai pra frente, sim, da maneira mais estouvada possível, sendo roubado pelo caminho e andando alegremente rumo a um abismo sem cerca ou aviso de PÁRE. Não é à toa que muitos esperem que Deus seja brasileiro.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/11/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.