Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fatos marcantes

Defesa do casal Nardoni descarta acareação

Por 

Ilustração do Tribunal do Juri do casal Nardoni - Stockel

O advogado Roberto Podval descartou acareação entre a mãe de Isabella, Ana Carolina Oliveira, com o casal Nardoni. Ela estava à disposição da Justiça desde o primeiro dia de julgamento e chegou até passar mal nesta quinta-feira (25/3) pela manhã. Esse foi o principal motivo para a sua dispensa. Um psicólogo forense atestou que Ana Oliveira está com o psicológico abalado e não podia fazer a acareação. O julgamento foi interrompido às 20h50. Na saída, diante da fúria dos manifestantes pedindo Justiça, Podval afirmou ter “pena dos manifestantes, pois amanhã vão bater na porta de um advogado para defendê-los da fúria do Estado”.

O pedido de acareação foi motivado depois do depoimento da mãe de Isabella, que, segundo a defesa, mentiu em alguns momentos. O seu depoimento foi colhido logo no primeiro dia do Júri. O tema já tinha sido motivo de discórdia na quarta-feira (23/4). O juiz Maurício Fossen tinha indeferido o pedido da defesa de manter a acareação, mas resolveu voltar atrás no momento de fundamentar o seu despacho.

Fossen percebeu que cercearia o direito de defesa dos réus e levantou a tese da plenitude de defesa, prevista na Constituição, que garante mais direito que a própria ampla defesa. Um dos direitos é que poderão ser usados todos os meios de defesa possíveis para convencer os jurados, inclusive a acareação entre testemunha e réu.

O quarto dia de julgamento também foi marcado pelo depoimento do casal. O depoimento de Anna Carolina Jatobá durou mais de quatro horas. Entre frases confusas e desconexas, ela relata diversos abusos da polícia durante a fase de investigação. Conta que foi pressionada para se declarar culpada desde o início. “Eles [investigadores] me perguntavam se eu tinha noção do que era a cadeia, além de reforçarem que Alexandre tinha curso superior completo e eu não.”

Anna também contou que ficou sabendo da proposta que a polícia fez para o seu marido, na época do crime, para ele assumir a responsabilidade pelo homicídio culposo (aquele que não tem intenção de matar), em troca de sua inocência. Questionada se os seus advogados tomaram providência depois de saber do tal acordo, ela disse que não.

Outro ponto alto do depoimento, foi a declaração de Anna de que a delegada Renata Pontes fez de tudo para ela dizer que Alexandre tinha cometido o crime. “A delegada disse que ele [Alexandre] era um psicopata, que tinha cara de psicopata.” Enquanto isso, Alexandre escutava atentamente o interrogatório da mulher.

Antes de Anna, Alexandre foi interrogado. Na maioria das perguntas, dizia não se recordar do seu depoimento anterior. Nardoni chegou a perguntar para o promotor onde ele queria chegar com tais perguntas. A ousadia foi interrompida pelo juiz Maurício Fossen. O juiz garantiu que se a pergunta fosse impertinente ele mesmo iria interromper.

O casal entrou em contradição em vários momentos. Alexandre disse que não trancou a porta do apartamento depois de ter deixado Isabella. Já Anna disse que ele tirou a chave do bolso para abrir a porta. Alexandre disse que não colocou a cabeça no buraco para ver a filha no terraço. Do outro lado, Anna disse que ele colocou sim a cabeça pelo buraco da janela.

A próxima fase do Júri será de debates. A acusação tem duas horas e meia para falar. Depois vem a réplica (que ficará a critério do promotor). Se ocorrer a réplica, passa-se à tréplica, com a fala da defesa por duas horas.

Após encerrada a fase de debates, o Conselho de sentença reúne-se na sala secreta com o juiz, promotor e advogados, para votação dos quesitos, que determinará o veredicto (absolvição ou condenação). Terminada a votação, o juiz lê a sentença em plenário, com base na decisão dos jurados.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de março de 2010, 21h45

Comentários de leitores

27 comentários

LAMENTÁVEL E LASTIMÁVEL

Manente (Advogado Autônomo)

26/03/2010 00:16 Douglas (Outros)
VEJA QUANTA IMBECILIDADE!!!
ATENÇÃO OAB, PRECISAVAMOS LOCALIZAR ESTE IMBECIL E COVARDE E PUNI-LO RIGOROSAMENTE!!!
LAMENTAVELMENTE, TEMOS QUE DEPARARMOS COM UM SUJEITO "INSANO", O QUAL AGREDIU COVARDEMENTE O DR. ROBERTO PODVAL.
VEJAM, A CONDUTA LASTIMÁVEL:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2010/03/24/advogado-do-casal-nardoni-e-agredido-por-manifestante.jhtm
ATÉ QUANDO SR. MARCIO CHAER, ESTE tal do antoniovinicius, bacharel, não sei em que, permanecerá cuspindo veneno aleatoriamente?
Para credibilidade deste site, este senhor deveria ser banido definitivamente.
Embora, não conheça pessoalmente o Dr. Podval, ele merece respeito, aliás, o mesmo respeito que adquirimos através dos nossos avós e pais.
ATÉ QUANDO DEPARAREMOS COM ESTA FRUSTRAÇÃO DE QUEM SEQUER DEVE TER SIDO APROVADO NO EXAME DA ORDEM????
Obs: Mas não tem uma reportagem, ou melhor, uma matéria que este senhor não seja VENENOSO!!!
Para que tanta maldade nessse pequeno coração?

Resposta

RBS (Advogado Autônomo)

Murioco, acredito que você está no mundo do faz-de-conta...onde, para se provar algo, apenas se a pessoa ajoelhar e pedir para ser preso. Mesmo assim...pode ser que não seja preso...Houve um caso no Norte que o culpado foi a Delegacia, mostrou as provas e não conseguiu ser preso...
Um mundo de pessoas boas...que podem contar histórias sem sentido e assim devemos aceitar, sem questionar...
É natural do ser humano (quase em 100% dos casos) não assumir a culpa, principalmente nos casos onde sua liberdade é restrita.
Agora quando há provas claras da acusação e os réus não conseguem ser coerentes...
No caso dos Nardonis, tanto eu quanto você estamos lendo o que estão nos jornais. Porém, são fatos relatados pelos proprios acusados dentro do Juri. Ninguem aqui inventa. As inoerências no relato dos fatos foram dos réus e não das minhas palavras.
Como já disse, absolutamente nada contra o Advogado do caso. É um excelente profissional e muito respeitado.
Os proprios réus estão se auto-incriminando. Se a sociedade achar que, mesmo assim, eles são inocentes. Parabéns também.
Infelizmente temos sempre a imagem negativa do povo, imprensa, etc. Na verdade, após este caso terminado, se outras "Isabelas "dexarão de ser atiradas pela Janela por qualquer motivo (roubo, discussão de casal, brincadeira de mal gosto, etc.) em virtude da sua repercussão, fico feliz que ele tenha tido a repercussão que teve.
Muitos maus políticos são estão sendo cassados devido a pressão do povo e da imprensa. Situações claras, objetivas e com provas concretas. E que, mesmo assim, tem demonstrado ser um parto para que a punição realmente aconteça.

O RBS - Advogado...

Diego. S. O. (Advogado Autônomo - Civil)

Você está assistindo muito Jornal Nacional, Datena e outros.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.