Consultor Jurídico

Compra e venda

Imóvel objeto de promessa não pode ser hipotecado

Imóveis que são objeto de promessa de compra e venda não podem ser hipotecados. Com esse entendimento, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça acolheu recurso de um grupo de particulares contra o Banco Regional de Brasília para garantir a aquisição de imóveis pertencentes ao banco. Em decisão unânime, os ministros determinaram o retorno do processo ao tribunal de origem para que a questão seja julgada adequadamente.

O grupo entrou com recurso contra decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que negou o direito dos particulares a receber os imóveis. O TJ considerou que não havia contrato registrado em cartório com a promessa de compra e venda e, por isso, o imóvel poderia ser hipotecado. De acordo com a decisão, a hipoteca teria precedência sobre a simples promessa de compra e venda.

No recurso ao STJ, alegou-se que houve desrespeito ao artigo 535, incisos I e II, do Código de Processo Civil, que define a possibilidade do Embargo de Declaração quando o julgado omite pontos fundamentais ou não é claro. Também afirma ofensa aos artigos 32, 37 e 44 da Lei 4.591 de 1964, que determinam as obrigações de incorporadores e de registro de apartamentos, decretam a irretratabilidade de contratos de compra e venda e promessas de venda e também obriga o incorporador a informar qualquer ônus sobre o imóvel. Também teriam sido ofendidos os artigos 214 e 252 da Lei 6.015 de 1973, que definem as nulidades do registro de imóveis.

O ministro Fernando Gonçalves, em seu voto, reconheceu a ofensa ao artigo 535 do CPC, uma vez que o TJ-DF não analisou a questão da impossibilidade de oferecimento à hipoteca de imóvel objeto de promessa de compra e venda. Para o ministro, essa questão era essencial para o adequado julgamento da questão. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Resp 403.308




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de março de 2010, 8h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/03/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.