Consultor Jurídico

Desvio de recursos

TJ de Mato Grosso aposenta juiz compulsoriamente

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso decidiu aposentar compulsoriamente o juiz de Entrância Especial de Rondonópolis, Paulo Roberto da Silva Pedroso. Ele é acusado de desvio de recursos do Fundo de Apoio ao Judiciário (Funajuris) e apropriação indébita de dinheiro de cliente. A investigação feita pela Corregedoria Geral de Justiça durou 3 anos. A informação foi dada pelo jornal A Gazeta no sábado (22/5).

Ele entrou na magistratura em 1990. Desde 2007, quando o processo disciplinar foi aberto, o juiz foi afastado do cargo. Pedroso vai receber aposentadoria proporcional ao tempo de contribuição previdenciária. Esta é a segunda punição desta natureza neste ano. Em fevereiro, o TJ de Mato Grosso afastou o juiz Permínio Galdino Cortez. Ele foi acusado de apontar arma de fogo e ameaçar pessoas, inclusive policiais militares. Além desses dois casos, houve mais um recente, o do juiz Geraldo da Rocha Palmeira, ex-titular da Vara de Falências e Concordatas de Cuiabá.

O Judiciário de Mato Grosso entrou em crise este ano. No início de 2010, o Conselho Nacional de Justiça aposentou compulsoriamente 11 magistrados. No caso de três desembargadores e sete juízes, houve acusação de desvio de verbas do TJ-MT para a maçonaria. Outro desembargador foi aposentado compulsoriamente porque mantinha dois filhos empregados em seu gabinete, mas eles não trabalhavam.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de maio de 2010, 12h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.