Consultor Jurídico

Notícias

Falta de orçamento

Júri que MP abandonou é remarcado para 2011

Comentários de leitores

5 comentários

Jornada do Xamã

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

....Convido os profissionais do direito a embarcar em direção a uma Aldeia Indígina, ficar na Floresta alguns dias, participar dos rituais dos xamãs, dos Pagés, dos Caciques- ou seja lá o que quiserem denominar, quanto aos rituais mágicos-místicos- religiosos, prática comum da cultura americaíndia e quando fecharem os olhos, numa Jornada Xamânica, na hora do medo, pedirem ajuda aos índios na lingua portuguesa, sem que tenham intérprete ao lado... O que se defende nessa causa justa é a dignidade do resgate da cultura indígena. Pegam o índio, trazem para São Paulo, colocam-o num Tribunal e ainda exigem que ele fale português !!!Rir para não chorar. Nas terras deles, tenho certeza, o tratamento humano, com o branco seria outro. É ver para crer.Abandonem um pouco as vestes talares e mergulhem no maravilhoso mundo da Jornada Xamã com os índios brasileiros. Aprendemos muito com eles.Muito.
Repito, faria o mesmo que o Procurador da República Aras fez, em nome do resgate da cultura do índio, na dignidade de preservar a própria língua. E, mandem a conta pra mim...antes que me atirem a primeira pedra.Parabéns ao MPF. Meu respeito por vocês só aumentou. E olha...já briguei muito com vocês. Mas nessa causa,baixo a crista de Galo ( egocêntrismo do advogado criminal, às vezes, insuportável....
Otávio Augusto Rossi Vieira, 43
Advogado Criminal em São Paulo.

E o direito de ir e vir ?

Le Roy Soleil (Outros)

O eminente Procurador da República nada mais fez senão exercer o seu direito constitucional de ir e vir. O CPP não contempla a saída do plenário, mas a Constituição Federal sim, e permite que qualquer cidadão saia do recinto em que estiver na hora em que bem entender.
Logo, não vislumbro razão para tanta celeuma.

é caso de improbidade administrativa

Republicano (Professor)

Pelo que está escrito, é caso de improbidade administrativa. Aguardemos o MPF ingressar com a ação contra seu par. Na outra vertente, vimos o Dr. Gurgel defendendo o MP, então, está na hora de começar a afastar a pexa de corporativista da instituição e mande para o CNMP o comportamente, ilegal e arbitrário, de seu colega. Esse caso é paradigmático, não pode ficar assim, deve ter responsabilização. O STF de há muito vem se calando frente ao MP (exceção de Gilmar Mendes), é hora de um reencontro constitucional, fazendo com que os deveres fiquem bem expostos quando os operadores do direito estão à frente de juízes.

kuhvbfugye

Mário de Oliveira Filho (Advogado Sócio de Escritório)

oishf8uysfb98e2

(IR)Responsabilidade

Marcos MF (Advogado Autônomo)

Correto o entendimento da magistrada sobre a responsabilização do Procurador que deu causa ao adiamento do júri, pois há recursos previstos na legislação para se combater decisão considerada ilegal. Aliás, se fosse abandono pela defesa, é provável que além de ter de arcar com as despesas do novo júri, haveria aplicação da multa do artigo 265 do CPP.

Comentar

Comentários encerrados em 15/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.