Consultor Jurídico

Comentários de leitores

26 comentários

ERRO DE DIREÇÃO

arno (Bacharel)

MUITOS PENSAM QUE O CULPADO É SÓ O TRAFICANTE, O BANDIDO QUE MAIS PREOCUPA A SOCIEDADE ATUALMENTE.
ENQUANTO EXISTIREM OS CONSUMIDORES RICOS, OS POBRES SERÃO UTILIZADOS PARA VIABILIZAR O TRÁFICO DE DROGAS, QUANTO MAIORES AS APREENSÕES DE DROGAS MAIS ATRATIVA SERÁ A ATIVIDADE, MENOR OFERTA MAIOR PREÇO.
A HIPOCRISIA É UMA REALIADADE, ESSA NOSSA SOCIEDADE APODRECIDA NÃO CONSEGUE EDUCAR OS FILHOS PARA CONSTRUIR UM MUNDO MELHOR, ENTÃO A SAÍDA É ENCARCERAR "OS FORNECEDORES", NA MAIORIA POBRES, E DEIXAR IMPUNES OS CONSUMIDORES NA MAIORIA RICOS E FAMOSOS.
QUEM FOMENTA O CRIME?
SÃO ESSES FROUXOS FILHINHOS DE PAIS FROUXOS QUE NÃO SABEM DE ONDE VIERAM E NÃO SABEM PARA ONDE IR, DESORIENTADOS ENCONTRAM NA DROGA UMA CORTINA PARA A SUA FRAQUEZA.
ACORDA SOCIEDADE HIPÓCRITA E GOVERNO INCOMPETENTE.
NÃO É VIOLANDO DIREITOS QUE REDUZIREMOS O CRIME.
PRECISAMOS NOS CONCIENTIZAR DE QUE O CONSUMO DE DROGAS É O MAIOR FOMENTO AO CRIME, EMBORA, ATUALMENTE, TENHAMOS ESQUECIDO DE QUE EXISTEM OUTROS CRIMES TIPIFICADOS, EM QUALQUER CASO, SÓ A EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO HUMANA PODERÃO REDUZIR A DELINQUÊNCIA.

ESCUTA

tania (Advogado Sócio de Escritório)

A verdade é que o Estado tem que se municiar de meios para contem a criminalidade.Em um Estado Democrático de Direito por certo,onde os limites e as regras são claras,é uma questão complexa.O que queremos Liberdade ou Segurança? Este é o grande questionamento
Podemos trocar Liberdade por Segurança.Fica aqui a pergunta.

Nome e não pseudônimo

Dr. Marcelo Alves (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Ao ainda bacharel Gilberto Serodio Silva
Meu nome é Marcelo Alves Stefenoni Di Omertà.
Algum problema?
Para sua informação o verbete "Omertá", nada tem a ver com meu patronímico Omertà.
O indigitado verbete tem sua origem na expressão "Tradimento di omertá", e guarda correlação com o lendário código de silêncio nas comunidades do interior da Sicília.
Ainda que meu último patronímico fizesse alguma alusão à Máfia, seria a Cosa Nostra (que é Siciliana), e não com a Camorra que é Napolitana.
Logo, percebo que o distinto bacharel também precisa aquilatar seus conhecimentos gerais sobre aquilo que pensa e diz.
At.
Marcelo Di Omertà

Crime Organizado

Sargento Brasil (Policial Militar)

Acho válida toda medida tomada para coibir as ações praticadas pelo crime organizado. Não é tolerável que de dentro de um presídio se arquitete planos para que delitos sejam executados fora deles. Isso é uma afronta aos poderes constituidos e nem poderia ser cogitado, quanto mais se consumir. É a falência da segurança, é a morte da idoneidade, a vitória do caos. Os presídios são na verdade a universidade do crime, porque não visa nem de longe o seu objetivo principal que é a recuperação do ''paciente'' e o homem é devolvido ao seio da sociedade, por meio de diversos recursos legais, prisionais, muito mais feroz de quando nele entrou e retornam rapidamente, pela prática de outros delitos, mais violentos ainda. Claro que não estou falando de todos os presídios, mas, de uma grande maioria. Agora admitir que de dentro dos presísios se ''comandem'' delitos a se consumar fora deles, é o fim da picada!

Dr. Omerta???????!!!!!

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Deve ser pseudonimo de mais um desses sem coragem de expor de público suas idéias pois é um dos nomes da Máfia. Camorra, então tudo a ver dada as opiniões.
Tem que gravar mesmo. Vale citar o Advogado com "A" maiúsculo, Evandro Lins e Silva paraninfando turma de advogados na Candido Mendes em 2002:
O DEVER DO ADVOGADO
"O advogado tem que ter uma postura absolutamente correta e decente diante da vida. Ele não é solid~´ario com o crime, ele é solidário muitas vezes com a dor, com o sofrimento do cliente. Sempre digo aos jovens advogados: sejam honesto, como disse um Italiano antigo, nem que seja por velhacaria".
"Defender é palavra de significado diverso de acobertar".
E o público em geral faz como para saber se não está contratando um desses advogados sancionados ou advertidos repetidamente pelos Tribunais de èticas da OAB, exemplar o caso da Jorgina de Freitas que lesou os cofres da previdencia social, o povão, em centena de milhões de reais é só teve o registro cassado diante do clamor, questionamento da mídia e pressão polular? O que é hoje em dia a OAB que nãom tem mais que prestar contas ao TCU?

Becas enlameadas, bandidos. Togas enlameadas, bandidos.

Stela Advogada (Advogado Assalariado - Família)

Concordo plenamente com o Dr OMERTA. Bandidos existem em todss as profissões e, como tal, devem ser punidos. Porém, não devemos cometer a injustiça de "generalizar", como fazem alguns "comentaristas" desta coluna. Se alguns destilam seu ódio contra os advogados e contra a OAB é porque algo não vai bem com eles, e um dia certamente poderão precisar de um advogado ( ou será que eles são imunes aos problemas do cotidiano?). Ao colega Dr. Dianamarco, um conselho: denuncie, pois quem sabe os colegas a quem o sr. se referiu, poderão ir para a cadeia, dando-lhes, é claro, o direito da ampla defesa.

VAI DAR TEMPO ???

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

SERÁ QUE HAVERÁ TEMPO PARA EU VER ISSO ? TENHO 72 ANOS DE IDADE E TORÇO PARA VER ALGUNS "COLEGAS" NA CADEIA !!
acdinamarco@aasp.org.br

parabéns Dr. Omerta

Cícero José da Silva (Advogado Autônomo - Criminal)

Caro Colega Dr. Omerta.
Seu comentário atingiu os que por não conseguirem passar no Exame de Ordem, destilam seu veneno sem ao menos possuírem o menor conhecimento do que estão comentando, o que já demonstra a razão do insucesso, revolta e inveja.
Parabéns.

Direito e Democracia

Dr. Marcelo Alves (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Terminei o curso de Direito em 2007 e passei no primeiro exame de ordem de 2008. Sou pós graduando numa Escola da Magistratura e estudo cerca de 12 horas por dia, além de trabalhar para poder viver.
Conheço o meio em que atuo e tenho orgulho do caminho que escolhi, pois, mesmo aqueles que perdem seu tempo escrevendo excrescências deveriam ter em mente que nos dias atuais devem sua constitucional liberdade de expressão em muito ao trabalho de Advogados que lutaram por esse e outros direitos e garantias do cidadão.
Talvez mudar a realidade ao seu redor seja a mais autêntica das atribuições de um Advogado, pois, no Estado de Direito quando não podemos mudar algo por nós mesmos é a um deles que recorremos.
Advogado é mais ou menos como um médico: você nunca sabe quando irá precisar de um, e quando precisar, tanto a sua vida como bens e liberdade estarão a depender do trabalho e conhecimentos de um deles.
Se existem maus profissionais, isso atinge qualquer outra profissão, inclusive o MP e a Magistratura, a exemplo do que ocorreu recentemente no MS e ES, quando desembargadores foram presos e compulsoriamente aposentados por práticas em nada condizentes com o exercício da toga.
Se há gente que enlameia a beca, não faltam aqueles que rasgam a toga.
Então meus caros leitores, vamos pensar antes de escrever, pois vejo nas palavras de alguns muito do desconhecimento absoluto (característica dos ignorantes) e muito recalque, que é marca indelével dos frustrados com a vida e com suas escolhas pessoais.

Direito e Democracia

Dr. Marcelo Alves (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Terminei o curso de Direito em 2007 e passei no primeiro exame de ordem de 2008. Sou pós graduando numa Escola da Magistratura e estudo cerca de 12 horas por dia, além de trabalhar para poder viver.
Conheço o meio em que atuo e tenho orgulho do caminho que escolhi, pois, mesmo aqueles que perdem seu tempo escrevendo excrescências deveriam ter em mente que nos dias atuais devem sua constitucional liberdade de expressão em muito ao trabalho de Advogados que lutaram por esse e outros direitos e garantias do cidadão.
Talvez mudar a realidade ao seu redor seja a mais autêntica das atribuições de um Advogado, pois, no Estado de Direito quando não podemos mudar algo por nós mesmos é a um deles que recorremos.
Advogado é mais ou menos como um médico: você nunca sabe quando irá precisar de um, e quando precisar, tanto a sua vida como bens e liberdade estarão a depender do trabalho e conhecimentos de um deles.
Se existem maus profissionais, isso atinge qualquer outra profissão, inclusive o MP e a Magistratura, a exemplo do que ocorreu recentemente no MS e ES, quando desembargadores foram presos e compulsoriamente aposentados por práticas em nada condizentes com o exercício da toga.
Se há gente que enlameia a beca, não faltam aqueles que rasgam a toga.
Então meus caros leitores, vamos pensar antes de escrever, pois vejo nas palavras de alguns muito do desconhecimento absoluto (característica dos ignorantes) e muito recalque, que é marca indelével dos frustrados com a vida e com suas escolhas pessoais.

Direito e Democracia

Dr. Marcelo Alves (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Terminei o curso de Direito em 2007 e passei no primeiro exame de ordem de 2008. Sou pós graduando numa Escola da Magistratura e estudo cerca de 12 horas por dia, além de trabalhar para poder viver.
Conheço o meio em que atuo e tenho orgulho do caminho que escolhi, pois, mesmo aqueles que perdem seu tempo escrevendo excrescências deveriam ter em mente que nos dias atuais devem sua constitucional liberdade de expressão em muito ao trabalho de Advogados que lutaram por esse e outros direitos e garantias do cidadão.
Talvez mudar a realidade ao seu redor seja a mais autêntica das atribuições de um Advogado, pois, no Estado de Direito quando não podemos mudar algo por nós mesmos é a um deles que recorremos.
Advogado é mais ou menos como um médico: você nunca sabe quando irá precisar de um, e quando precisar, tanto a sua vida como bens e liberdade estarão a depender do trabalho e conhecimentos de um deles.
Se existem maus profissionais, isso atinge qualquer outra profissão, inclusive o MP e a Magistratura, a exemplo do que ocorreu recentemente no MS e ES, quando desembargadores foram presos e compulsoriamente aposentados por práticas em nada condizentes com o exercício da toga.
Se há gente que enlameia a beca, não faltam aqueles que rasgam a toga.
Então meus caros leitores, vamos pensar antes de escrever, pois vejo nas palavras de alguns muito do desconhecimento absoluto (característica dos ignorantes) e muito recalque, que é marca indelével dos frustrados com a vida e com suas escolhas pessoais.

NÃO HÁ ADVOGADO BANDIDO.

Jesiel Nascimento (Advogado Autônomo - Criminal)

Começo explicando: Há bandidos que são advogados, assim como há bandidos que exercem outras nobres profissões.
Neste passo acompanho o pensamento do ilustre Dr. Vladimir Aras (Procurador da República de 1ª. Instância) para concordar com a escuta ambiental SOMENTE NAQUELES CASOS PONTUAIS, ESPECÍFICAMENTE FUNDAMENTADOS.
Escuta clandestina com fundamentação genérica é criminosa!

Fala que eu te escuto

Vladimir Aras (Procurador da República de 1ª. Instância)

Se há provas de que certos (maus) "advogados" estão envolvidos com o crime organizado, a escuta telefônica ou ambiental pode ser feita. No Inq 2424 (Operação Hurricane), o ministro Cezar Peluso autorizou escutas no gabinete de um desembargador federal e de um advogado. Por que tanto espanto?
Escrevi sobre o tema, inclusive na perspectiva do direito comparado, no meu blog.
Convido-os ao debate: http://www.blogdovladimir.wordpress.com/

E a Magistratura que conduz o pais ao ilícito internacional?

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

E a Magistratura quando coloca o país em ilícito internacional, em condições de ser levado a possível julgamento na Corte Interamericana de Direitos Humanos?
http://www.cidh.org/Basicos/Portugues/c.Convencao_Americana.htm
Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, norma supralegal, vide súmula vinculante 25 do STF.
Ao ponto onde a OAB pode representar na Comissão Interamericana de Direitos Humanos contra o Estado Brasileiro.
Artigo 8. Garantias judiciais
2. Toda pessoa acusada de delito tem direito a que se presuma sua inocência enquanto não se comprove legalmente sua culpa. Durante o processo, toda pessoa tem direito, em plena igualdade, às seguintes garantias mínimas:
d. direito do acusado de defender-se pessoalmente ou de ser assistido por um defensor de sua escolha e de comunicar-se, livremente e em particular, com seu defensor;"
Estamos falando de norma supralegal, vide súmula vinculante 25 do STF, acima de qualquer lei ordinária e complementar. O Magistrado argumenta no vazio, demonstrando o déficit democrático e a baixa constitucionalidade que grassa em alguns rincões da Magistratura.
No mais aos profissionais que não são da área, e um dia eu fui, por anos, até resolver a aprender as regras quando precisei, por que repetir o mesmo erro um milhão de vezes é uma máxima de Goebbels, e nada eficaz, sugiro a leitura do Agravo Regimental no Habeas Corpus 89.025-3-SP, Relator para Acórdão Ministro Eros Grau. Belíssimo debate, e útil ver a pág. 48 do arquivo PDF, fl. 376 da numeração.
Ah, e se não gostar? Não gosta da Constituição? Visto o inciso IV do §4º do ar. 60 da Constituição Federal, ou consegue fazer uma revolução, ou pode se mudar para os EUA, mas lá o sigilo cliente advogado é garantido pela Suprema Corte...

VERDADEIRO ABUSO

VITAE-SPECTRUM (Funcionário público)

Exatíssimo, advogado Cícero!!! Por que, então, não se registram todos os atos de todos?! O juiz do RS isentou de "suspeição" os defensores públicos (advogados do mesmo jeito), os procuradores da República, os servidores etc. Em que bases está assentada tamanha presunção?! Em que são melhores os defensores públicos em relação aos advogados privados?! Coisa notoriamente abusiva, insustentável e reprochável.

Prova ilícita

Cícero José da Silva (Advogado Autônomo - Criminal)

Ouso discordar dos posicionamentos de quem defende essa ilegalidade, pois os fins jamais devem justificar os meios.
Falo isso por ter uma experiência razoável na defesa de Policiais Militares não apenas perante o Tribunal do Júri, mas também nas Auditorias Militares e no Tribunal de Justiça Militar de São Paulo, e passo garantir que não tenho a menor preocupação de estar sendo gravado, pois sempre me pautei pela ética e pela legalidade, porque sou Advogado e não sócio de criminoso, e quando sou constituído deixo claro que somente comparecerei ao estabelecimento prisional quando julgar necessário, porque entendo que o local de trabalho do Advogado não é nas prisões.
Todavia, o segredo entre o Advogado e seu constituinte deve ser preservado.
Já me deparei com casos em quem que um Policial Militar confessou a participação no delito de homicídio de membros do crime organizado, especialistas em matar policiais, guardas municipais e agentes penitenciários, deixando claro que como homem estava cumprindo a sua parte, fornecendo-me os nomes dos demais companheiros de farda que negaram a prática do delito.
Já imaginaram se essa confissão com o fornecimento de outros nomes fosse gravada, e o Comando desse início a um Conselho de Disciplina para apurar uma infração disciplinar baseado nesta prova que a meu ver é totalmente ilícita visando a expulsão dos que não confessaram?
É certo que existem Advogados que são verdadeiros marginais, mas a grande maioria é formada por pessoas integras, e também há que se preocupar com o fato do crime organizado também contar com seus tentáculos em todas as esferas do Poder. Então que se monitorem todos,sem exceção.

COMENTÁRIO TATIBITATE II

VITAE-SPECTRUM (Funcionário público)

Ademais, a ser verdadeiro o argumento do comentarista anterior, no seu "pasmo", com o qual também estou pasmado, um Ministro como Celso de Mello também deve ter algo a "esconder", pois, mais d euma vez, ele se posicionou pela intransigente defesa das prerrogativas dos advogados, em situações bastante similares. Recorde-se, por exemplo, o acesso dos advogados aos autos de inquéritos sigilosos. De idêntico modo, não adianta ovacionar atos ilegais pelo só fato de, supostamente, responderem aos anseios retributivistas da sociedade. De vez em quando, em face de argumento jurídico, exsurge uma falácia do tipo "argumentum ad terrorem" ou "argumentum ad hominem", na perspectiva de desfocalizar o debate. Então, alguns Ministros do Supremo Tribunal Federal devem ocultar algo à sociedade, pois, iterada e reiteradamente, eles têm afirmado, mais do que nunca, o amplo direito de defesa dos cidadãos, ao lado das prerrogativas dos advogados. De notar, para tanto, que o comportamento de respeitável juiz daquele Estado já mereceu alguns "desagravos" públicos a alguns advogados. Na "internet", podem-se encontrar referências a tais atos públicos em que se desagravaram advogados. Então, a sociedade, iludida por uma pretensa garantia criminal, não tem sentido a nem tão sutil ofensa a direitos conquistados durante inúmeros decênios. Tudo, bem se diga, a título de resposta aos "anseios populares". Mais tarde, quando tais relativizações forem contra ela usadas, não deve ela reclacitrar neme espernear. Não tenho nenhuma dúvida de que tais condutas judiciais não terão a placitação do STF, sobretudo porque, "duela a quien duela", direitos e garantias fundamentais devem ser defendidos a todo custo, embaixo de toda a saraivada de quem não enxerga a história.

COMENTÁRIO TATIBITATE

VITAE-SPECTRUM (Funcionário público)

Mesmo. Imagine-se o que eu penso acerco deste senhor. Não me julgo o "suprassumo" de nada, mas eu tenho o direito de manifestar o meu descontentamento. Ademais, não se me venha dizer que o "objeto" da engenharia sejam "pessoas". Desse modo, quem deve na caverna esconder-se deve ser o comentarista abaixo. De mais a mais, não tenho nada a esconder não, apesar da malfadada insinuação. Eu apenas redargui à afirmativa de alguém que me questionou sobre a valência do conhecimento técnico-jurídico para discutir questões de direito. O "erro" leva às agressões gratuitas, sobretudo quando advindas de quem nem se ateve ao assunto. O advogado defende um cliente sim, mas isto não significa nenhuma "indiferença" às confissões dele ao defensor, pois a atividade do advogado não se cinge a meramente repetir leis. Quem pensa o contrário não parece dispor de conhecimento jurídico. Então, pouco importam as tentativas de enxovalhamento. O juiz está "tão certo", que a sua decisão movimentou o "Instituto de Defesa do Direito de Defesa", o "Conselho Federal da OAB" e o "Instituto dos Advogados Brasileiros". Ademais, não vivo em uma "caverna" e sim em uma casa projetada por engenheiro, cuja atividade não está, no caso, ligada à valoração de conduta humana. A estulticía alcança o nível de julgar alguém como fez o comentarista anterior. Não há nenhuma base legal para manter-se escuta e gravação visual em parlatórios. Só - repito - uma desventurada "Razão de Estado". Infelizmente, os que detêm o poder decisório se excedem em medidas impróprias. Assim fosse, dever-se-iam também gravar imagens de gabinete, acompanhadas pelo respectivo áudio, sob o argumento de que se está cometendo um ato de corrupção. Então, só o advogado se mostra corruptível?! Só ele?! Ah! paciência...

Trágedia anunciada

Cícero José da Silva (Advogado Autônomo - Criminal)

Essa violação faz parte de uma tragédia anunciada, pois o direito penal do inimigo ronda a América Latina, e principalmente o Brasil.
O enfraquecimento da Advocacia teve início com a proliferação das faculdades de direito, muitas das quais verdadeiros caça níqueis de fundo de quintal, depois vieram às violações ostensivas das prerrogativas profissionais dos Advogados, e agora os novos "paladinos da justiça", se juntam a outros que fazem de tudo para colocar a Advocacia de joelhos, sob o argumento de que os fins justificam os meios.
Mais grave do que um estado de exceção, é uma ditadura disfarçada de democracia como a que vivemos nos dias atuais.
Lamentavelmente nem nos piores tempos do arbítrio se assistiu a tantas violações aos direitos fundamentais.

1984

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Se é verdade que há advogados desonestos, que acabam se bandeando para o lado do crime, não é menos verdade que também entre magistrados e membros do Ministério Público há aqueles que fazem do exercício das nobres funções institucionais veiculo para a prática de crimes e irregularidades de todas as espécies. Dessa forma, se os advogados vão ser monitorados em suas conversas com seus clientes (só para conferir dei uma olhada aqui embaixo da mesa para ver se não havia algum grampo) vamos monitorar também os magistrados e membros do Ministério Público. Vamos intalar câmeras e microfones nos gabinetes, nas salas de audiência, nos corredores dos foruns, nos veículos, enfim, vigiar cada movimento de cada um deles a fim de que eventuais condutas criminosas sejam de pronto conhecidas, investigadas e punidas. E quando forem acusados (magistrados e membros do Ministério Público), que tenham suas conversas com seus advogadas devasadas e divulgadas em público. George Orwell, em seu clássico "1984" já nos mostrou ao que a interferência invasa do Estado nos leva. Mas se for vir, como muitos pretendem, que venha para todos.

Comentar

Comentários encerrados em 3/07/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.