Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo biênio

Defensoria Pública de SP empossa Daniela Cembranelli

A Defensoria Pública de São Paulo empossou, na sexta-feira (18/6), a nova Defensora Geral e os oito conselheiros eleitos da instituição para o biênio 2010/2012. Em seu discurso de posse, Daniela Cembranelli relembrou os desafios da implementação da Defensoria Pública em São Paulo desde sua criação em 2006 e agradeceu sua antecessora, Cristina Guelfi Gonçalves, pelo trabalho feito.

“A Defensoria vem pouco a pouco se firmando como uma instituição jurídica forte, independente, voltada à intransigente defesa dos necessitados, composta por Defensores Públicos conscientes de seu papel, preocupados com a efetivação da cidadania e comprometidos com a promoção dos Direitos Humanos”, afirmou.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio de Mello, abriu a cerimônia e ressaltou a importância do trabalho da Defensoria Pública entre os avanços obtidos pela sociedade brasileira nos últimos 20 anos. “As conquistas não teriam sido alcançadas sem os virtuosos homens e mulheres que se dedicaram a defender as pessoas que se encontram em flagelo social. Nesse país de tantas desigualdades não faltará serviço, embora o aparelhamento necessário ainda não esteja disponível”, disse.

A nova defensora pública-geral foi a primeira colocada na eleição para o cargo. Ela foi nomeada pelo governador do Estado, Alberto Goldman, no final de abril. A apuração para os cargos de conselheiros eleitos da instituição foi feita em 26 de maio. Em ambas as votações, todos os defensores públicos do Estado são convocados a votar. Os membros eleitos para o conselho possuem mandato de 2 anos, sendo permitida uma recondução. Com informações da Assessoria de Imprensa da Defensoria Pública de São Paulo.

Os conselheiros eleitos são:
Octavio Ginez de Almeida Bueno – representante do nível I
Bruno Diaz Napolitano – representante do nível II
Juliana Garcia Belloque – representante do nível III
Franciane de Fátima Marques – representante do nível IV
Antonio José Maffezoli Leite – representante do nível V
Fabiana Botelho Zapata – representante das Defensorias da Capital
José Moacyr Doretto Nascimento – representante Defensorias Regionais
Pedro Antonio de Avellar – representante dos Núcleos Especializados

Revista Consultor Jurídico, 19 de junho de 2010, 12h43

Comentários de leitores

4 comentários

quanta ignorância

ilton (Defensor Público Estadual)

Chega ser esdrúxulo o comentário dessa senhora, não acredito que seja mesmo bacharel em direito para falar tanta asneira. Como pode exigir participação dos pobres nas eleições para escolha de Defensor-Geral? É rídiculo, demonstra total conhecimento sobre a Instituição.

pobre votou ou foi votado ??

analucia (Bacharel - Família)

Ou seja, é meio de controle e monopólio de pobre, o qual não é identificado e nem participa diretamente.
O comentarista abaixo mostra bem como funciona a ditadura, ou seja, quem discordar do "monopólio de pobre" será responsabilizado. Imaginem o que fazem com os pobres, os quais têm que ser servis.....

analucia (Bacharel - Família)

Jorge Cesar (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

VC PODE SER RESPONSABILIZADO PELA SUAS OFENSAS.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.