Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nostra culpa

Greve no Judiciário é resultado de leniência

Por 

A grave crise que assola há anos o Judiciário paulista é um misto de letargia e leniência das instituições. Cabe no caso concreto o nostra culpa, pois o Executivo nunca se preocupou em melhorar as condições salariais ou estruturar as carreiras, o Legislativo somente agora recentemente aprovou um plano que já chega tarde, e o Judiciário peca pela falta de planejamento. Resultado destas imperfeições levam ao estado deflagrado de crise que incomoda aos jurisdicionados e desserve à maioria dos advogados.

Não é possível deixar de abrir um canal de diálogo e pelo menos conhecer as reivindicações, uma vez que cumpre ao Estado e exclusivamente a ele equipar o Judiciário de recursos disponíveis para pagamento do quadro de servidores. As razões da greve são variadas e ninguém detém os seus números. Em algumas comarcas é maior e outras menor. Não importa. Precisamos saber se o Supremo Tribunal Federal a considerará legal ou ilegal.

É preciso uma diretriz sobre prazos e comunicação interna mais eficiente. Vaticinam alguns mais cépticos que se perdeu um ano de trabalho. Mesmo se não for assim, qualquer desassossego fere mortalmente a finalidade da segurança jurídica. Qualquer que seja a solução, é preciso criar condições dignas de trabalho e boas instalações, com infraestrutura compatível. Radicalizar neste momento significa a própria divisão de forças. O Judiciário paulista com o volume de 18 milhões de feitos não se pode dar ao luxo de transmitir intranquilidade aqueles que batem às suas portas por Justiça.

 é juiz convocado do TJ-SP e doutor em Direito pela USP.

Revista Consultor Jurídico, 16 de junho de 2010, 10h29

Comentários de leitores

6 comentários

O FOCO

Antonio Grandi Filho (Cartorário)

É este o caminho para a melhoria do judiciário, não é ficar discutindo se a greve é legal ou não....Buscar o foco e combater a alta investimento para podermos ter um judiciário mais eficiente e competente...é discutirmos a falta de servidores a falta de investimento em tecnologia e qualificação dos servidores...é sempre bom dizer que para acabar com a evazão de bons servidores para a justiça federal temos que melhorar o salário dos servidores, e neste caso até mesmo do magistrado...Vamos ao FOCO...convoco OAB, Tribunal de Justiça e Servidores para discussão de melhoria no Judiciário paulista.

GREVE DO JUDICIÁRIO E OS PODERES DA REPÚBLICA

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

É claro que existe nesta republiqueta tres poderes: Executivo, legislativo e judiciário. Está na Carta Magna. Entretanto, o poder judiciário depende, financeiramente, do poder executivo. Os poderes executivo e o legislativo não têm o menor interesse na salvação do poder judiciário. Quanto pior o poder judiciário melhor para o poder executivo, seu melhor cliente. Muito apropriado e em boa hora este artigo do ilustre Juiz dr. Carlos Henrique Abrão, excelente Juiz do foro paulistano. Justa, justissima, a greve deflagrada pelos servidores do judiciário. Nosso total apoio.

Chegou a hora do funcionário!!!

Manfrei (Advogado Autônomo - Criminal)

O TJ de SP já deu a devida atenção aos Juízes elevando suas remunerações, que hoje chegam a 19 mil reais iniciais, fora adicionais de sentenças de outra comarca, adicionais em razão de convocação em 2 [ Instância, etc... Portanto, a valorização dos Juízes já foi feita. Ninguém pode reclamar. quem reclamar que vai advogar para ver se é fácil. Agora chegou a vez do fiuncionário ser valorizado. É o funcionário que cuida do expediente judicial. 80 % dos processos são despachados pelo próprio cartório. Os funcionários do cartório é que levam o Judiciário nas costas. Chegou a hora de reconhecer e valorizar esse serviço. Tão importante quanto os juízes são os funcionários que trabalham muito, cumprem expediente durante todo o dia (e não só meio período) e sem o mínimo de condições de trabalho (muitos funcionários são acometidos de doença profissional pela falta de condições de trabalho). Chega de hipocrisia!!!! Se o juiz é importante, os funionários não são menos importantes, pois são esses bravos servidores que que fazem o serviço pesado. É a estória do papagaio que come milho e periquito que leva fama! Parabéns aos funcionários da Justiça. Sem vocês, também não haveria justiça. Carlos Manfrei - Advogado.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.