Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ondas da greve

Greve pode atrasar processos em um ano, diz OAB-SP

Para o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de São Paulo, a greve do Judiciário paulista pode atrasar em um ano os processos em tramitação. De acordo com o presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D’Urso, não se confirmou a expectativa do Tribunal de Justiça de São Paulo quanto à regularização do expediente forense. O conselho seccional da entidade fez uma reunião nesta segunda-feira (14/6).

“Entendemos que a decisão do TJ-SP de não conceder a suspensão de prazos  porque reforçaria o movimento grevista somente tem trazido danos ao jurisdicionado e à advocacia, posto que, para os servidores, a reação de desestímulo se deu pelos descontos em folha dos dias parados. Assim sendo, a Ordem reafirma hoje (14/6) a  necessidade de o Tribunal suspender os prazos processuais como medida para preservar direitos, a exemplo do que fizeram o TRF-3 (Justiça Federal) e TRT-2 (Justiça Trabalhista)”, afirmou D'Urso em comunicado.

Nesta segunda-feira (14/6), o TJ-SP  divulgou novo comunicado suspendendo os prazos na segunda e terça-feiras (15/6). O tribunal tem feito suspensões pontuais de prazo, como a que ocorreu na última quarta-feira (9/6), quando cerca de 80 grevistas ocuparam o prédio do Fórum João Mendes. O edifício permaneceu fechado até sexta-feira (11/6), quando os manifestantes deixaram o local.

O presidente da OAB-SP já oficiou duas vezes o tribunal, pedindo a suspensão de prazos nos dias 5 e 10 de maio. A Ordem considera justa e apoia as reivindicações dos servidores da Justiça, de reposição salarial de 20,16%, plano de cargos e carreira e melhores condições de trabalho, mas não admite a greve. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-SP.

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2010, 11h05

Comentários de leitores

2 comentários

D'URSO OMISSO.

Antonio Grandi Filho (Cartorário)

A anos estamos em contato com a OAB, para em tempos normais tentarmos melhorar o judiciário para a população,servidores e Advogados. Mas como sempre só aparece o seu D'urso, nestes momentos para dizer que é contra a greve...Nós servidores tbem somos, só queremos o mínimo salarial e condições de trabalho para atender melhor a população e os proprios advogados, coisa que parece não ser sua preocupação...

OAB saia do casulo

Cássio Tadeu de Almeida (Serventuário)

Gostaria que a OAB interviesse nesta greve. Já é a segunda data-base que o tribunal deixa de cumprir. O que os servidores estão pleiteando é justo, pois trata-se apenas de reposição salarial, direito amparado por lei constitucional. Um órgão na magnitude do TJ deveria dar exemplo em salvaguardar direitos e não o contrário. A greve não é o melhor caminho, mas o que fazer quando seus direitos não são respeitados? Ano passado não houve greve e nem por isso o TJ negociou. Acredito que a greve foi o último recurso dos servidores. Há 12 anos o escrevente estadual era melhor remunerado que o federal. Hoje não ganha nem a metade. Estão condenados por um arrocho contínuo alcunhado de Pior Salário Do Brasil. E para imperar a injustiça, estas perdas só afetaram os servidores, os magistrados tiveram aumentos significativos e vão bem, sem aperto, sem dor de cabeça, sem dor no calo.

Comentários encerrados em 23/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.