Consultor Jurídico

Eldorado dos Carajás

Coronel condenado a 228 anos de prisão espera HC

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, pediu vista do Habeas Corpus em que o coronel da Polícia Militar do Pará, Mário Colares Pantoja, pede a nulidade do processo que o condenou a 228 anos de reclusão. Pantoja foi condenado pelo massacre ocorrido em Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996.

O relator do HC na 2ª Turma, ministro Gilmar Mendes, afirmou que a nomeação de um juiz especial, que condenou o coronel, teve por objetivo acelerar o processo. De acordo com o ministro, a ação ficou parada durante 10 meses porque nenhum juiz quis preencher a vaga aberta na Comarca de Curionópolis depois da transferência do titular para outra comarca.

A defesa de Pantoja alega que houve ofensa ao princípio do juiz natural e que o coronel foi julgado por um tribunal de exceção. O defensor do coronel alega ainda que um mês depois da designação do juiz especial foi nomeada uma nova juíza para a Comarca de Curionópolis, mas não lhe foi atribuído o julgamento do caso. Diante disso, a defesa diz que houve parcialidade do juiz que proferiu a sentença.

Segundo o ministro relator, o presidente do Tribunal de Justiça do Pará, ao baixar a Portaria 420/1997 para designar o juiz especial, baseou-se na Lei paraense 5.008/81 e no próprio Regimento Interno da Corte estadual.

Gilmar Mendes observou ainda que a defesa já apelou da condenação nas várias instâncias inferiores da Justiça até chegar ao STF, e todas elas confirmaram a condenação. “A própria competência do Tribunal do Júri aponta contra o argumento de tribunal de exceção”, argumentou.

A ministra Ellen Gracie acompanhou o voto do relator, mas o ministro Celso de Mello pediu vista, argumentando que se trata de um caso complexo que ele pretende estudar melhor.

O crime
O episódio conhecido como massacre de Eldorado dos Carajás trata da morte de 19 sem-terra que aconteceu no dia 17 de abril de 1996, no município de Eldorado dos Carajás, no sul do Pará, depois de conflito com a Polícia Militar.

Cerca de 1,5 mil sem-terra estavam acampados na região e decidiram fazer um protesto contra demora na desapropriação de terras. A Polícia Militar foi encarregada de tirá-los do local, porque estariam obstruindo a rodovia PA-150, que liga a capital do estado Belém ao sul do estado. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 86.604




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de junho de 2010, 5h54

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 23/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.