Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Defesa da classe

Colégio de Seccionais da OAB critica Cezar Peluso

O Colégio de Presidentes de Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil saiu em defesa do presidente da entidade, Ophir Cavalcante, pelo o desentendimento dele com o presidente do Conselho Nacional de Justiça, ministro Cezar Peluso. Foi publicada uma nota assinada por 27 presidentes de seccionais em que criticam Peluso.

Na sessão plenária do dia 1º, o presidente da OAB — que tem direito a voz, mas não tem direito a voto nas sessões do conselho —  se irritou porque Peluso tentou impedi-lo de se manifestar durante um julgamento. Os conselheiros julgavam um processo sobre irregularidades no relacionamento entre uma juíza e um advogado quando Ophir foi advertido pelo presidente do Conselho. Peluso argumentou que a OAB somente pode se manifestar após a sustentação oral dos advogados das partes e antes dos votos dos conselheiros. Surpreso com a interrupção, Ophir Cavalcante lembrou ao presidente do CNJ que suas manifestações nas sessões não são feitas na condição de advogado das partes, mas sim em nome da advocacia brasileira que tem assento e voz naquele Conselho.

Para os presidentes das seccionais, a atitude do ministro “afigura-se não só deselegante e desrespeitoso para com a advocacia, mas inconstitucional e com verniz autoritário”. Eles se disseram perplexos e indignados diante do episódio. “A firme e equilibrada reação do presidente Ophir, de que a OAB não é peça de adorno no CNJ, não poderia ter sido mais feliz. Resumiu o que está assegurado na Constituição Federal, em seu artigo 103-B, parágrafo 6º, que trata do poder/dever do presidente nacional da OAB de oficiar perante o Conselho Nacional de Justiça”, diz a nota.

A nota reforçou o argumento de Ophir sobre a OAB de não representar uma das partes naquele momento, mas atuar como guardião da ordem jurídica. “Cercear a participação da entidade, vedando-lhe o direito a voz durante os debates, afigura-se não só deselegante e desrespeitoso para com a advocacia, mas inconstitucional e com verniz autoritário”.

A nota à Imprensa, assinada pela Secretaria de Comunicação do Supremo Tribunal Federal, esclarece que "a Ordem dos Advogados do Brasil tem, sim, o direito de se manifestar nas sessões do CNJ, mas não a qualquer momento, como pretende. Pois os princípios constitucionais do contraditório e do devido processo legal não podem ser violados em meio ao julgamento, sob pretexto do exercício do direito de manifestação".

Segundo a Nota, a questão da manifestação do advogado nos julgamentos já foi objeto de decisões do STF no julgamento de duas Ações Diretas de Inconstitucionalidade, de números 1.105-7 DF e 1.127-8. Nesse caso a corte entendeu que é inconstitucional o dispositivo do Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/94) que faculta a sustentação oral do advogado após o voto do relator.

Leia a nota:

“O Colégio de Presidentes de Seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) torna pública a sua perplexidade e indignação diante do episódio ocorrido na reunião de 1º de junho do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), quando presidente daquele órgão e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso, tentou vetar a manifestação de cerca de 700 mil advogados brasileiros representados, naquela oportunidade, pelo digno colega Ophir Cavalcante Junior, presidente do Conselho Federal da OAB.

A firme e equilibrada reação do presidente Ophir, de que a OAB não é peça de adorno no CNJ, não poderia ter sido mais feliz. Resumiu o que está assegurado na Constituição Federal, em seu artigo 103-B, § 6º, que trata do poder/dever do presidente nacional da OAB de oficiar perante o Conselho Nacional de Justiça. A OAB, naquele momento, não funcionava como defensora das partes, como quis fazer parecer o ministro Peluso, mas como guardião da ordem jurídica. A atitude de cercear a participação da entidade, vedando-lhe o direito a voz durante os debates, afigura-se não só deselegante e desrespeitoso para com a advocacia, mas inconstitucional e com verniz autoritário.

A OAB é uma autarquia democrática, possuidora de legitimidade para provocar o controle de constitucionalidade de normas, responsável pela indicação de um quinto dos membros dos tribunais e de dois Conselheiros com assento no CNJ. Sua missão não pode ser apequenada com atitude cerceadora de sua livre manifestação.

Em seus 80 anos de história, a Ordem obteve um inegável respeito da sociedade brasileira, sendo uma das instituições de maior credibilidade da nação. Seu presidente, nessa condição, merece o devido respeito. A presença da OAB no CNJ decorre de dispositivo constitucional, estando nossa instituição, por preceito legal, ético e moral, comprometida em zelar pela correta e justa aplicação dos dispositivos que constituem a formação do Estado democrático de Direito. É o mínimo que se pode esperar também do presidente da mais alta Corte do País.

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2010, 18h26

Comentários de leitores

4 comentários

Defender Ophir Colégio de Seccionais da OAB x Peluso

CCB1949 (Contabilista)

O Presidente da OAB NACIONAL,talves,não tenha ainda lido na Bíblia Sagrada que:
"A humildade vai adiante da honra"...
"Vindo a soberba,virá também a afronta;mas com os humildes está a sabedoria"
Por este fundamento bíblico,ninguém pode e deve faltar com o respeito.Especialmente se esse respeito é devido a uma autoridade suprema.Qual a exercida por PELUSO que é o presidente nacional do STF e CNJ.
A defesa feita pelo Colégio de Seccionais,agiu a esse resspeito,precipitadamente...
Nem sempre a lívre manifestação do pensamento pode ser exercida sem as cautelas necessárias...
No uso do direito de agir em hora oportuna...
130610 domingo às 09:52

APENAS MAIS UM PROFISSIONAL LIBERAL

pessoa jurídica (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

1- A OAB merece respeito, mas o mesmo que o CRECI, o CREA, o CRF..., nada mais que isso.
Advogado não é autoridade, muito menos membro de Poder, mas apenas um profissional liberal como o dentista, o corretor de imóveis.

A OAB não é autarquia

Fabrício (Advogado Autônomo)

Em primeiro lugar, a OAB não é autarquia, mas serviço público independente (ADI 3026/DF, Relator: Min. EROS GRAU, julgamento: 08/06/2006; ADI 1707/MT, Relator: Min. Moreira Alves; DJ: 06/10/1998). A OAB tem natureza heterodoxa, é uma entidade da sociedade civil, não da sociedade estatal. Não recebe verbas públicas e não adminsitra verbas públicas. E, quanto ao assunto, o Supremo já decidiu que a OAB não se submete ao concurso público. Apenas se o quiser, voluntariamente.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.