Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

21 anos depois

Homem que matou ex-mulher é condenado a 79 anos

O comerciante José Ramos Lopes Neto, 47 anos, assassino confesso de Maristela Just, foi condenado a 79 anos de reclusão. Ele foi condenado pela morte da mulher e pela tentativa de homicídio contra o cunhado Ulisses Just e os filhos Nathalia Just e Zaldo Just Neto. A Justiça de Pernambuco condenou o réu por homicídio duplamente qualificado por motivo torpe. O comerciante está foragido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo, portal G1, O Globo e Jornal do Comércio (PE).

A sentença do júri popular, de homicídio duplamente qualificado e tentativa de homicídio qualificado, foi anunciada pela juíza Inês Maria de Albuquerque após cerca de 13 horas de julgamento no Fórum de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. O Ministério Público pediu pena máxima para o réu, 90 anos de prisão. No entanto, a juíza entendeu que, por não serem mais marido e mulher, haveria um atenuante.

Nem o réu nem seus advogados compareceram ao julgamento. A juíza confirmou que a prisão preventiva do réu foi pedida no dia 19 de maio, mas estava sendo mantida em sigilo para garantir a captura.

Dessa forma, o Júri condenou o réu a 26 anos de reclusão pelo homicídio duplamente qualificado de Maristela Just; 39 anos e 2 meses pela tentativa de homicídio qualificado contra seus filhos, Nathália e Zaldo; e 14 anos pela tentativa de homicídio contra seu cunhado, Ulisses. O crime ocorreu em abril de 1989, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, em Pernambuco.

A defesa
Dois defensores públicos fizeram a defesa de José Ramos com base na tese do homicídio privilegiado – sob domínio de forte emoção e por injusta provocação da vítima – na busca de atenuar a pena. Foi destacado o desequilíbrio do réu, que não se conformava com a separação – ocorrida dois anos antes do crime – e o fato de ele ter confessado que matou a ex-mulher.

A defesa buscou ainda convencer os jurados de que José Ramos não teve intenção de atirar nos filhos e no cunhado Ulisses Just. Ulisses morreu há dez anos por motivos não relacionados ao caso.

No entanto, a filha do casal, Nathalia Just, atualmente com 25 anos e testemunha ocular da tragédia, desfez a tese dos defensores. Ela assegurou que o pai, a quem se referiu como José, precisou fazer um giro com o braço para atingir todas as quatro pessoas que se encontravam no quarto da casa dos pais de Maristela, com quem ela e os filhos passaram a morar depois da separação.

“Eu queria que ele estivesse presente para olhar na cara dele e ver se ele teria coragem de negar que atirou com um revólver na minha direção, do meu irmão e do meu tio e matou a minha mãe”, disse ela, emocionada, em seu depoimento.

Nathalia destacou que seis tiros atingiram os quatro. Maristela foi morta com três tiros na cabeça. Nathalia, na época com 4 anos, foi atingida por um tiro transfixante no ombro direito e o irmão, com 2 anos, que estava brincando, no chão, levou um tiro na cabeça que deixou paralisado o seu lado esquerdo. Ulisses também foi atingido ao tentar socorrer a irmã.

O julgamento foi acompanhado por representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e por militantes do Fórum de Mulheres de Pernambuco. Todos destacavam o caso como “emblemático” diante da demora da Justiça. O crime ocorreu em 4 de abril de 1989. José Ramos foi preso em flagrante e passou um ano preso. Foi solto mediante Habeas Corpus impetrado pelo seu pai, o advogado criminalista Gil Teobaldo, e desde então respondia ao processo em liberdade, utilizando todos os recursos legais para prorrogar o seu julgamento. Em julho prescreve a pena.

Clique aqui e leia a decisão

Revista Consultor Jurídico, 2 de junho de 2010, 16h48

Comentários de leitores

3 comentários

mta rapidez

Carolaine ()

estou impressionada om a rapidez.

Homem que matou ex-mulher é condenado a 79 anos

Paulo Chaves de Araujo (Consultor)

Justiça que é lenta assim, não é justiça é injustiça. 21 anos para julgar um crime, isso não é justiça.

Até que foi rápido

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

Faltou bons advogados na reta final. Caso contrario, poderiamos contar mais 21 anos de impunidade.
E o cidadão nem matou mais ninguem? Arrependeu-se?
Vai trocar a pena por trabalhos comunitários?
Madoff no Brasil estaria de férias em sua cobertura na praia.

Comentários encerrados em 10/06/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.