Consultor Jurídico

Crédito bloqueado

Contribuinte tem crédito suspenso pode dever ao fisco

O Superior Tribunal de Justiça suspendeu decisão que obrigava a União a fazer o pagamento de mais de R$ 40 milhões, no prazo de 24 horas, à empresa Vitapelli Ltda. Ao analisar o pedido de Suspensão de Liminar e Sentença, o ministro Hamilton Carvalhido disse ter sido "determinado à Fazenda Nacional o pagamento imediato de vultosa quantia ao contribuinte, que, por sua vez, tem débitos tributários também de altíssima monta, cuja exigibilidade encontra-se suspensa em razão da pendência de julgamento de recursos administrativos".

Carvalhido disse que existe relevante interesse público envolvido no caso, e que esse interesse deveria prevalecer, já que a ação cautelar fiscal proposta pela União visava à garantia do patrimônio público, e que o prazo para análise do crédito da empresa contribuinte é razoável.

Ele considerou comprovada a iminência de grave lesão à economia pública e deferiu o pedido da Fazenda Nacional para suspender a decisão proferida no Agravo de Instrumento, no dia 22 de julho de 2010. Assim, o ministro restabeleceu o provimento do dia 8 de julho, que definiu o dia 28 de abril de 2010 como termo inicial do prazo de 120 dias.

Segundo a Fazenda Nacional, em 8 de julho de 2009 foi ajuizada uma medida cautelar fiscal contra a empresa, com o objetivo de bloquear valores discutidos em pedidos de ressarcimento. A empresa pretende ter de volta PIS e Cofins não cumulativos. O pedido da Fazenda foi deferido em primeiro grau, com a determinação do bloqueio de todos os bens do contribuinte, inclusive contas bancárias.

A empresa recorreu e conseguiu a liberação das contas bancárias. Em seguida, obteve também a suspensão de todas as constrições determinadas em primeira instância, sob o fundamento de que os créditos tributários do contribuinte estavam com a exigibilidade suspensa, nos termos do artigo 151, inciso III do Código Tributário Nacional, tendo em vista a interposição de recursos administrativos ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais.

A Fazenda Nacional argumenta que, mesmo existindo um Agravo Regimental pendente de apreciação no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, foi determinada a liberação dos créditos. Em 15 de dezembro de 2009, foi liberado o pagamento de R$ 23 milhões ao contribuinte.

A União afirmou que nem todos os créditos bloqueados eram líquidos e certos, e postulou prazo para análise da situação fiscal do contribuinte. “O prazo em questão expirava em 9 de julho de 2010, momento em que se tornou necessária a postergação desse lapso, tendo em vista a demora do contribuinte na apresentação de documentação indispensável à apuração dos valores”, disse o fisco.

A União disse ainda que foi notificada, em 28 de julho de 2010, de nova ordem proferida pelo juiz convocado do TRF-3, que reconsiderou a prorrogação do prazo anteriormente deferido e determinou que as apurações e o pagamento dos valores devidos ao contribuinte fossem pagos em 24 horas.

No pedido ao STJ, o fisco alega que a ordem judicial “ignora o fato de que o contribuinte a ser beneficiado com os pagamentos em questão possui quase R$ 140 milhões em créditos tributários constituídos em seu desfavor”. Sustenta ainda que a decisão acarreta grave lesão à ordem e à economia públicas, tendo em vista os valores envolvidos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

SLS 1.262




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 31 de julho de 2010, 10h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.