Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ataque federal

Para Ajufe, Supremo é um tribunal de advogados

Por 

“Causa-nos preocupação quando olhamos a foto da atual composição do Supremo Tribunal Federal e percebemos que há apenas um juiz de carreira”. A frase é do presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Gabriel Wedy, para justificar os motivos de a entidade estar em campanha para que o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, escolha um juiz federal para a vaga do ministro Eros Grau, que se aposenta até o dia 19 de agosto.

Wedy não mede as palavras. Para ele, é “nefasto para a República” que se abra mão da experiência de juízes federais no STF. “Claro que temos grandes ministros vindos da OAB e do Ministério Público, mas a experiência do magistrado de carreira é fundamental. É triste que não tenhamos representatividade de juízes de carreira no Supremo. Que ele seja composto, em sua ampla maioria, por advogados. Um tribunal de advogados”, fala em tom de denúncia.

São cinco os ministros do Supremo que exerceram a advocacia por razoáveis períodos antes de se tornarem juízes: Carlos Britto, Cármen Lúcia, Dias Toffoli, Eros Grau e Ricardo Lewandowski. O ministro Lewandowski, advogou por 16 anos, mas foi desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo por outros 16 anos antes de assumir o posto no STF.

A ministra Ellen Gracie e o ministro Marco Aurélio também exerceram a advocacia no início de suas carreiras, mas logo integraram as fileiras do Ministério Público, de onde foram alçados a postos de juízes em tribunais colegiados por meio do quinto constitucional.

Ellen foi juíza do Tribunal Regional Federal da 4ª Região por 11 anos. Marco Aurélio julgou por três anos no Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região e compôs o Tribunal Superior do Trabalho por nove anos. Outros três ministros são oriundos do serviço público ou do Ministério Público. O atual presidente, ministro Cezar Peluso, é juiz de carreira, mas da Justiça estadual.

O presidente da Ajufe admite que o Supremo não é menos qualificado por não ter juízes federais em sua composição, mas diz que a falta de magistrados federais torna a Corte “menos democrática e menos plural”. Wedy reconhece que a bagagem jurídica dos atuais ministros que compõem o STF é “inquestionável”, mas isso não basta, em sua opinião.

“Quando nós transformamos um tribunal em um tribunal da OAB, será que a população está segura?”, questiona. “Soa estranho que o tribunal máximo do país seja composto por juízes que ao longo de suas vidas não foram juízes. Foram advogados ou representantes do Ministério Público”, afirma o presidente da Ajufe.

Diante dos argumentos do presidente da Ajufe, coloca-se a questão: não é melhor que se escolham os ministros do Supremo por seu notório saber jurídico e não porque representam essa ou aquela categoria? Wedy, então, defende a campanha de sua associação: “Isso não é uma ação corporativa, mas sim em benefício da sociedade. Nos últimos tempos tivemos decisões paradigmáticas, sejam no âmbito do tráfico de drogas, sejam na condenação de líderes do PCC, todas tomadas por juízes federais”.

Lista sêxtupla
A Ajufe pretende entregar nas próximas semanas ao presidente Lula os currículos dos seis juízes que foram escolhidos por seus pares para integrar o Supremo como representantes dos juízes federais. A lista com os nomes escolhidos foi encaminhada por ofício na semana passada. São eles: Fausto Martin De Sanctis, Leomar Barros Amorim de Sousa, Odilon de Oliveira, Reynaldo Soares da Fonseca, Ricardo César Mandarino Barreto e o ministro do STJ Teori Albino Zavascki.

A lista foi entregue em ordem alfabética, para não privilegiar ninguém. Votaram na pesquisa 1.008 juizes federais - segundo dados do CNJ, os magistrados federais de primeira e segunda instância eram 1.212, em 2008. Odilon de Oliveira e Fausto de Sanctis, dois juízes com forte presença na mídia, foram os mais votados: tiveram 67 e  62 votos respectivamente. Segundo o presidente da Ajufe, a eleição foi direta, sem a interferência da entidade.

É a segunda vez que a Ajufe promove uma consulta deste gênero. A primeira foi feita sob a presidência do juiz federal Jorge Maurique, em 2006, e o mais votado foi o juiz Vladimir Passos de Freitas, hoje aposentado e colunista da ConJur. Lula nomeou, na ocasião, o ministro Ricardo Lewandowski.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2010, 9h56

Comentários de leitores

43 comentários

Triste realidade do Judiciário

Spinola (Bacharel)

É de se fazer comentário a este ato "hostil" da Ajufe, uma vez que, devido aos vícios de nossa própria história e uma estrutura ineficaz do nosso sistema judiciário lento e burocrático, convivemos a cada dia com mais e mais juízes meros apreciadores de pedidos, espero que não entendam que estou a disparar contra o notório saber destes, mas devido ao volume de processos fruto de nosso sistema judiciário.
Notório saber jurídico é uma ferramenta muito difícil de se lidar no quesito saber, ninguém admite saber menos que o seu semelhante, ainda mais quando dotados de função pública notória, mas se levado ao pé da letra conforme muitos dispuseram aqui de forma escancarada e mais semelhante a uma "briga de cumadres", notório saber jurídico ao pé da letra seria do livre docente, neste caso permitiriamos o ingressos de professores universitários para aplicação da norma no órgão que tem maior poder de vinculação no nosso sistema judiciário ?
Vale ressaltar que o tribunal, embora classificado como tribunal de advogados que, representa o ponto míster da discussão jurídica, cabe sempre ao advogado deliberar com juízes sobre aplicabilidade da norma SEMPRE em favor de seus clientes, uma vez tendo uma leve vantagem no conhecimento por sentir por várias vezes o valor dos dois lados da moeda, bem como o que é ter o justo e ser injustiçado.
Não estou aqui defendendo o tribunal de advogados, mas defendendo a indicação destes sempre que possível e notóriamente plausível num estado democrático onde todos são iguais perante a lei.

Quinto?Sou contra!

Neli (Procurador do Município)

Sou contra o modo de indicação de ministros para os tribunais superiores(STJ/STF). Deveria ser escolhido dentre desembargadores.
Ta,bém sou contra o quinto constitucional.Quer quer ser juiz que preste concurso para esse mister.
Dessa lista,torço para o ministro do STJ Teori Albino Zavascki.

SR. Sunda Hufufur

Ana B. (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Dr. Sunda Hufufur, o senhor sempre se manifesta acintosamente contra os juízes. Mas desta vez ultrapassou todos os limites da elegância. Se a decisão judicial não lhe favorece é porque o juiz não pensa e portanto decide mal? Quer dizer que os juízes são aqueles que apenas decoram? Realmente não vale a pena nem tentar dialogar. bom dia

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.