Consultor Jurídico

Provas compradas

PF indiciou 80 por fraude em concursos públicos

Mais de cem pessoas já foram ouvidas pela Polícia Federal na Operação Tormenta, deflagrada em 16 de junho e que investiga uma quadrilha acusada de fraudar concursos públicos em todo o país e também a segunda etapa de exame aplicado pela Ordem dos Advogados do Brasil. Do total de ouvidos, 80 já foram indiciados, de acordo com a PF. O inquérito ainda não foi concluído e outras cem pessoas devem ser ouvidas nos próximos 40 dias. Entre os já indiciados, há acusados de integrar a quadrilha e beneficiados pelo esquema.

Quando a operação foi deflagrada, a PF expediu 34 mandados de busca e apreensão, sendo 21 na Grande São Paulo, um no Rio de Janeiro, três na região de Campinas (SP) e nove na Baixada Santista. Foram expedidos, ainda, 12 mandados de prisão temporária: seis foram soltos após o fim da prisão temporária e outros seis tiveram a prisão preventiva de 30 dias decretada e continuam presos.

A PF iniciou as investigações depois de receber informações sobre a suspeita de fraude em concursos realizados em 2009. A partir disso, descobriu que a quadrilha atuava em todo o país, com o acesso aos cadernos de questões, antes da data de aplicação das provas. Além do concurso da PF, o grupo teve acesso privilegiado às provas do Exame da OAB, que acabou cancelado em março deste ano, e do concurso da Receita Federal para auditor fiscal, realizado em 1994.

O grupo atuava por meio de aliciamento de pessoas que tinham acesso ao caderno de questões, para acesso antecipado às provas; repasse de respostas por ponto eletrônico durante a realização do concurso; e a indicação de uma terceira pessoa mais preparada para fazer o concurso no lugar do candidato-cliente, segundo a PF. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de julho de 2010, 18h19

Comentários de leitores

3 comentários

realidade

dinarte bonetti (Bacharel - Tributária)

A OAB gosta de defender a ideia de que somente esse concurso foi fraudado, em sua 2a. fase.
Isso acaba por dificultar as apurações de outros exames fraudados.
Para a OAB seria um desastre descobrir que houveram fraudes em outros exames.
O que fazer então para descobrir quem conseguiu sua carteira de OAB na fraude? E quais as consequencias?
Cancelariam suas carteiras? Isso desmoralizaria de vez o exame de Ordem.
Um esquema de tanta gente envolvida, com tanto dinheiro em jogo, teria no exame da OAB uma fonte de renda excepcional.
O caso descoberto o foi por um erro primário de um examinando incompetente até para colar numa prova.
Mas terá sido realmente o único exame fraudado? Até que ponto a investigação tem sido rigorosa? A OAB tem obrigação de esclarecer esses fatos.

qual crime cometeram ??

daniel (Outros - Administrativa)

O STF tem decidido que fraudar concurso e vestibular não é crime....... Um absurdo..

Fraude em concurso e na OAB

cida (Bacharel - Civil)

Operação Tormenta, grupo atuava por meio de aliciamento de pessoas, tinham acesso antecipado das provas de concurso público, também fez parte das fraudes a 2ª fase do Exame da Ordem, houve violação e sigilo funcional, era cobrado R$ 50 mil para cada candidato que queria se beneficiar. Pelo visto, somente para candidatos que tinha condições, isto é, para estes R$ 200,00 é pouco!!! Pessoas que teve acesso privilegiado as provas do Exame da Ordem e outros que foram cancelados, o da OAB em março do ano corrente. Durma com um barulho deste!!!

Comentários encerrados em 23/07/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.