Consultor Jurídico

Notícias

Assistência jurídica

Promotores pedem ao CNJ criação de perícia gratuita

Um pedido de providências sobre assistência judiciária gratuita a pessoas carentes foi enviado por nove promotores de Justiça ao Conselho Nacional de Justiça. Para os promotores, que atuam em Belo Horizonte, o sistema atual priva as pessoas do direito à ampla defesa, já que essas não obtêm perícias judiciais gratuitamente.

A solicitação é assinada pelos promotores Arnaldo Soares, Carlos Souza, Cláudia Motta, Élida Rezende, Heleno Portes, Magali Amaral, Reyvani Ribeiro, Sérgio Campos e Simone Chinelato. De acordo com eles, a maioria dos estados brasileiros não tem órgão público legalmente obrigado a produzir prova pericial solicitada por pessoa carente.

Eles afirmam que também não há nenhum ato normativo editado pelo CNJ que trate especificamente do assunto ou que discipline os procedimentos a serem adotados pelo Judiciário em relação às provas periciais.

Na opinião dos promotores, a regulamentação garantiria a efetividade do direito constitucional ao amplo e irrestrito acesso à Justiça. Além disso, disciplinaria o modo de agir dos juízes em ações que o autor não tenha condições de arcar com provas periciais.

Perícia médica mineira
Em Belo Horizonte, os necessitados já contam com um serviço parecido com o pedido encaminhado ao CNJ. Pioneiro no Brasil, os mineiro possuem a Central de Perícias Médicas Judiciais, criada em 1999, que tem como objetivo atender exclusivamente ao cidadão carente que precisa de assistência judiciária gratuita e que necessita da produção de prova médica, em juízo.

Porém , na solicitação, os promotores descrevem a situação da Central, informando que o local funciona com número reduzido de profissionais, e as condições de trabalho e instalações físicas são inapropriadas e insuficientes diante da crescente demanda. "Existem perícias judiciais agendadas até 2011. Isso fez com que o Tribunal de Justiça suspendesse a marcação de novas perícias médicas", informou o grupo.

"Diante de tais fatos, os membros do Ministério Público têm se deparado com situações lamentáveis nas quais as partes são desencorajadas a produzir prova técnica, inviabilizando o amplo direito de defesa e o efetivo acesso à Justiça", declararam os promotores de Justiça.

De acordo com informações da Corregedoria-Geral de Justiça de Minas Gerais, no estado, existem cerca de 65 mil processos nas varas cíveis e 36 mil nas varas de família que tramitam por meio de assistência judiciária gratuita. Deste total, 40% solicita a produção de prova pericial. 

De acordo com o MP, além de perícias médicas, que são a maioria, também são solicitadas perícias contábeis, grafotécnicas e de engenharia, entre outras. "Mesmo que a Central de Perícias Médicas funcionasse adequadamente, o problema não estaria solucionado, pois não existe a viabilidade da realização de outros tipos de perícias", declararam. Com informações da Assessoria de Comunicação do Ministério Público de Minas Gerais.

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2010, 20h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/02/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.