Consultor Jurídico

Notícias

Colisão na estrada

Empresa ligada ao Baú deve indenizar três pessoas

A empresa BF Utilidades Domésticas, ligada ao Baú da Felicidade, do Grupo Silvio Santos deve pagar uma indenização de R$ 900 mil a três pessoas. Isso porque um dos veículos da BJ se envolveu em uma colisão na estrada. A empresa tentou impedir a penhora online, mas o Superior Tribunal de Justiça negou o pedido.

Na medida cautelar em que a empresa pretendia deixar a questão em suspenso, a BF Utilidades argumentou que a penhora online decorrente de execução provisória prejudicaria a estrutura econômica da empresa e afetaria o pagamento de salários e de despesas rotineiras. Estaria caracterizado, neste fato, dano irreparável ou de difícil reparação, pré-requisitos para a concessão da medida cautelar.

A empresa alega que a Justiça paulista teria ignorado a prova pericial e ainda teria ouvido apenas uma testemunha presencial. O Código de Processo Civil e o Código de Processo Penal adotam o princípio da prioridade da prova pericial em relação às demais provas. A defesa aponta, ainda, ofensa a outros artigos do CPC, relacionadas à regra do ônus da prova, que cabe a quem move a ação.

O ministro Cesar Asfor Rocha entendeu não haver os pressupostos autorizadores da liminar pretendida. Para ele, a BF Utilidades não teria demonstrado o desacerto da decisão que não admitiu o Recurso Especial para o STJ e que considerou não terem sido violados os dispositivos legais apontados. Incide no caso, ainda, a Súmula 7 do STJ. Segundo esse verbete, não é permitido ao Superior Tribunal de Justiça a análise de provas. O ministro ressalta, ainda, que “não houve sequer notícia de execução provisória em curso, o que afasta a alegação de dano irreparável ou de difícil reparação”. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

MC 16.441

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 2010, 17h35

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.