Consultor Jurídico

Notícias

Inadimplentes na internet

OAB tem o dever de divulgar sanções disciplinares

Por 

O sigilo dos processos disciplinares que tramitam na OAB termina quando os processos são concluídos. A partir daí, a Ordem tem o direito e o dever de divulgar a sanção aplicada ao infrator. O entendimento foi firmado pelo juiz federal José Airton de Aguiar Portela, da Comarca de Santarém (PA), que livrou o jornalista Jeso Carneiro, responsável pelo Blog do Jeso, e Ana Campos da Silva Calderaro, presidente da subseção de Santarém da OAB do Pará, de pagar indenização de R$ 500 mil para um advogado paraense.

O advogado Arilson Miranda Batista teve seu nome divulgado numa lista de 63 advogados suspensos por não pagarem a anuidade da OAB. O jornalista Jeso Carneiro publicou, no dia 26 de setembro do ano passado, a listagem assinada pela presidente da subseção, Ana Calderaro.

O advogado acusou o blogueiro de publicar o documento sem autorização. Afirmou que o documento era sigiloso. Acusou a presidente Ana Calderaro de perseguição, pois ele já tinha protocolado processo administrativo para tentar solucionar a dívida junto à OAB e, mesmo assim, foi parar na lista divulgada. Na Justiça, Batista pediu que fosse retirada imediatamente a lista do blog, sob pena de multa diária de R$ 1 mil. Pediu também que o blogueiro publicasse uma nota de desagravo público, assinada pela OAB, em favor do autor da ação. 

Em sua defesa, o jornalista Jeso Carneiro alegou que a lista já era conhecida antes da publicação no blog. Disse também que a OAB encaminhou a lista para as autoridades judiciárias de Santarém, para o Ministério Público e ainda para os cartórios do município. 

Ao analisar o caso, o juiz Aguiar Portela considerou que o jornalista nada mais fez senão postar notícia sobre a situação de inadimplência de alguns advogados, de forma objetiva e sem qualquer valoração dos fatos. “No regime democrático, não há nenhuma restrição legal ou constitucional que atribua ao jornalista o dever de não divulgar informação recebida, de quem quer que seja, ainda que seja de alguma fonte a obrigação de manter sigilo.”

Em relação a OAB, o juiz lembrou que o Estatuto da Ordem dispõe que a inadimplência, quando resultar em processo disciplinar, deve tramitar em sigilo, só até o fim do processo (artigo 72, parágrafo 2, do Estatuto). “A preservação da imagem e nome do advogado é necessária e positiva. A mera existência de processo disciplinar, não definitivamente julgado, pode submeter o acusado a constrangimentos indevidos e a descrédito profissional, não cessados mesmo depois da absolvição. Todavia, após o encerramento do processo, cessa o segredo, porquanto a lei não menciona a expressão trânsito em julgado, e sim que o processo disciplinar deve tramitar em sigilo até seu término.”

O juiz considerou que, uma vez concluído o processo disciplinar, a OAB tem o direito e o dever de divulgar o cumprimento de penalidades como a suspensão do exercício das atividades profissionais e a exclusão dos seus quadros. Para o juiz, o fato de o advogado ter apresentado recurso administrativo impede apenas a execução da sanção disciplinar, mas não garante e nem restabelece o sigilo observado durante a tramitação do processo disciplinar. A profissão do advogado guarda estreita relação com a função pública, onde a transparência e a publicidade são princípios a serem observados, disse.

Clique aqui para ler a decisão.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2010, 6h14

Comentários de leitores

7 comentários

Antiético é tornar o inadimplemento conduta antiética. (1)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Sempre saio em defesa da classe. No entanto, isso não impede que eu reconheça haver patente inconstitucionalidade no entendimento que situa a falta de pagamento da anuidade ou contribuição devida à OAB na categoria das infrações éticas.
.
O fato de a Lei 8.906/1994 classificar tal conduta como infração DISCIPLINAR, não significa que seja infração ética. Aliás, perscrutando o Código de Ética não se depara com nenhuma alusão sobre ser o inadimplemento de uma obrigação pecuniária de índole administrativa uma violação ética. E nem poderia ser diferente, pois o inadimplemento pode ter diversas causas, singulares ou concorrentes, que nada têm a ver com a observância de preceitos éticos.
.
Usar o Tribunal de Ética e Disciplina para condenar um advogado, suspendendo-o do exercício de sua profissão, porque está inadimplente constitui decisão francamente inconstitucional. Viola o preceito fundamental que elege o trabalho como dignificação da pessoa e fundamento basilar do Estado Democrático de Direito. Afora isso, cria um enorme problema social, pois retira do advogado assim punido a possibilidade de obter fundos não só para poder pagar a dívida aberta com a OAB, mas todas as suas dívidas, ordinárias e prioritárias, lançando-o e a sua família no mais profundo e lodoso terreno do inadimplemento total. Numa palavra, a OAB com decidir desse modo causa um enorme problema social de repercussão geral que escapa ao âmbito da relação exclusiva entre o advogado e a própria OAB.
.
(CONTINUA)...

Antiético é tornar o inadimplemento conduta antiética. (2)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

(CONTINUAÇÃO)...
.
Ora, até mesmo uma criancinha será capaz de perceber que ao usar desse modo, indiscriminadamente, o Tribunal de Ética e Disciplina para forçar o advogado a pagar a anuidade, a OAB age em conflito com sua função social, esta sim, expressa na lei de regência.
.
"Last but not least", vale lembrar, a OAB possui meios jurídicos, como todos, de cobrar judicialmente as dívidas abertas de seus inscritos.
.
Portanto, a decisão está equivocada porque deveria, de ofício, anular a condenação do TED/PA, porque inconstitucional, e, ainda, deferir o pedido de indenização. Não no montante pretendido, porque evidentemente abusivo. Mas teria sido boa medida o exato montante da dívida, compensando-se, assim, os créditos de um e de outra.
.
Quanto à questão da divulgação do resultado dos julgamentos do TED, concordo que devam, e se devem, então, podem ser publicadas. Mas a OAB responde e deverá indenizar aquele que obtiver a cassação da condenação em juízo, independentemente de haver ou não publicado o resultado da decisão. Essa publicação, quando muito, poderá fundamentar a magnitude da indenização.
.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito e doutorando pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

SANÇÕES DISCIPLINARES e PUBLICIZAÇÃO.

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Colegas, por favor, bom senso!
Temos uma entidade CORPORATIVA que nos acolhe, aceitando-nos como PROFISSIONAIS, desde que cumpramos certos requisitos!
Temos uma entidade CORPORATIVA que DEVIA FISCALIZAR o EXERCÍCIO dos PROFISSIONAIS que ESTÃO FILIADOS a ELA e SANCIONÁ-LOS, observado o devido processo legal e o exercício do direito de defesa!
Ao nos FILIARMOS, não só nos obrigamos a CUMPRIR DEVERES ou OBRIGAÇÕES, como a ENTIDADE se OBRIGA a CUMPRIR DEVERES ou OBRIGAÇÕES.
Portanto, por que, para o BACHAREL que se submete a essas regras, na presunção de que TERÃO AMBOS, nas suas relações, estrita OBSERVÂNCIA ao PRINCÍPIO da BOA-FÉ, é mister que, para que haja PUBLICIZAÇÃO de uma SANÇÃO ADMINISTRATIVA, se aguarde o trânsito em julgado de uma DECISÃO JUDICIAL que, em tese, reafirmaria o julgamento da instância administrativa?
Colegas, temos que tornar os famosos princípios constitucionais menos maleáveis à VONTADE SUBJETIVA e às IDIOSSINCRASIAS individuais!
Estamos vivendo uma época em que CADA MAGISTRADO de 1a. Instância, ou Tribunal de 2a. Instância têm OPINIÕES e DECISÕES que, de uma maneira geral, NÃO ENCONTRAM SINTONIA com as DECISÕES PRINCIPIOLÓGICAS das INSTÂNCIAS SUPERIORES.
Portanto, é mister, para a SEGURANÇA das RELAÇÕES JURÍDICAS, que as INSTITUIÇÕES possam funcionar sob o IMPÉRIO da COMPREENSÃO e do ENTENDIMENTO de suas INSTÂNCIAS ADMINISTRATIVAS, que FORAM FEITAS para, em ESPÍRITO DEMOCRÁTICO, PRESERVAREM nossas PROFISSÕES e NOSSOS INTERESSES INDIVIDUAIS e CORPORATIVOS!
Magistrados sabem, sobre a nossa profissão, NADA e NÃO HÁ NORMAS LEGAIS, com excessão daquelas CRIMINAIS, que NÃO DEVERIAM SER APLICADAS nos processos administrativos, de uma maneira geral!
Se um ADVOGADO merecer processo administrativo, que seja julgado!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.