Consultor Jurídico

Notícias

Só com pedido

Sessão pública nos tribunais pode ser opcional

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados vai analisar um projeto de lei que torna opcional a sessão pública de julgamento de recurso no tribunal. O texto do deputado Regis de Oliveira determina que o relator do processo apresente seu voto por escrito, assim como o revisor, que enviará os autos ao terceiro desembargador para decisão fundamentada. Neste caso, o presidente da turma ou câmara redigirá a ementa do julgamento. A proposta pretende mudar o Código de Processo Civil (Lei 5.869/73).

A sessão pública ocorrerá somente quando uma das partes apresentar um pedido por escrito, no momento da distribuição do recurso. Caso haja o pedido, a sessão permanece com as regras definidas atualmente pelo Código de Processo Civil. O presidente, depois da exposição do relator do caso, dará a palavra sucessivamente ao recorrente e ao recorrido, pelo prazo de 15 minutos para cada um lançar suas argumentações sobre o recurso. A sustentação oral já não é aplicada em caso de julgamento de recursos de embargos declaratórios ou de agravo de instrumento.

Para o presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, o projeto nasce inconstitucional. “Isso não é direito de um individuo, mas sim matéria de ordem pública. Não pode ser opcional. Todos têm que ter acesso. Os órgãos de classe, como a OAB, por exemplo, tem o dever de estar alerta e bombardear esse tipo de iniciativa”, disse Damous.

O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. “Há quem entenda que a publicidade decorre do fato de existir sessão pública de julgamento — o que não é verdade. A publicidade decorre de a decisão ser levada ao conhecimento das partes e à publicação. Note-se que a sentença é pública, mas não é dada em sessão pública”, disse o deputado Regis de Oliveira, que já foi desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Clique aqui para ler o projeto.

Revista Consultor Jurídico, 6 de janeiro de 2010, 16h46

Comentários de leitores

4 comentários

Palpite infeliz

Último Papa (Outros)

Muito, mas muito ao contrário do que a analucia (bacharel/família????????) imagina, a sustentação oral
é vital e tem o poder de mudar decisões muitas vezes esquematizadas.
O analucia que palpite infeliz de quem não conhece nada da realidade da advocacia.

perda de tempo e dinheiro sáo as sessoes de julgamento

analucia (Bacharel - Família)

perda de tempo e dinheiro sáo as sessoes de julgamento, mas os graudos da OAB e da Capital adoram esta burocracia, pois cobram para fazer acompanhamentos e sustentação oral.
A iniciativa do Deputado é brilhante ! E evita a burocracia de se aguardar pauta.

Até quando......

Mário de Oliveira Filho (Advogado Sócio de Escritório)

Até quando esses senhores pagos regiamente (sem trocadilho)vão continuar apresentando tantas baboseiras aqui e acolá?
Quanto temor dos advogados, quanta insistência com leis inconstitucionais para afastar a defesa dos processos. E vejam, são sempre os mesmos!!!
Eleição, essa é a arma contra esses defensores do arbítrio, disfarçados de "progressistas".
Mário de Oliveira Filho

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.