Consultor Jurídico

Ofensiva nacional

MP-SP ganha laboratório contra lavagem de dinheiro

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, entregou nesta sexta-feira (12/2), em Brasília, o segundo Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro (LAB-LD) de São Paulo, o primeiro foi para a Polícia Civil do estado (já em funcionamento) e, agora, para o Ministério Público.

Com o LAB-LD, segundo Luiz Paulo Barreto, as investigações consolidam a culpa e desarticulam as organizações criminosas. “O crime se modernizou. Se não adotarmos essas ferramentas tecnológicas, não vamos alcançá-los”, enfatizou. “Nas primeiras vezes que utilizamos o Laboratório, já foi possível perceber o mapeamento das quadrilhas. É mais um patamar, que não se encerra por aqui”.

De acordo com o secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, cuja equipe idealizou o laboratório, trata-se de uma ferramenta essencial para cortar o fluxo financeiro das organizações criminosas. “Não basta prender, é preciso impedir que o dinheiro fruto de atividades ilícitas continue refinanciando o crime”, afirmou. “Queremos estabelecer uma política de Estado, permanente, e não apenas de governo”.

“O LAB-LD representa um instrumento valiosíssimo; as atuações tradicionais não são mais suficientes e adequadas”, acrescentou o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Fernando Grella Vieira. “Já temos uma equipe de caráter institucional nesse sentido, sem qualquer tipo de ingerência política, para a utilidade fim do Ministério público”.

O LAB-LD faz parte do programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), do Ministério da Justiça. É pioneiro no mundo. São hardwares e softwares que, a partir do cruzamento de dados obtidos por investigações e documentos fornecidos por fontes parceiras (polícias, instituições financeiras e os próprios ministérios públicos), possibilitam o cruzamento de dados em tempo recorde para a localização de organizações criminosas.

Agora sobe para 12 o número de laboratórios conveniados no país: 2 em Minas Gerais; 2 no Rio de Janeiro; 2 em São Paulo, 2 na Bahia; 1 em Goiás; 1 no Rio grande do Sul; e 2 no DF (sendo 1 na sede da Polícia Federal). Um dos laboratórios que ficam em Salvador (BA) tem uma característica peculiar: atender as estados de Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe. O Ministério da Justiça pretende fazer o mesmo, ainda este ano, com outras regiões brasileiras. Com informações da Assessoria de Imprensa do Ministério Público Estadual.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de fevereiro de 2010, 10h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/02/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.