Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Relatos de agressões

Unidade de internação de adolescentes é interditada

Depois de denúncias de tortura e outros tipos de agressão a adolescentes que cumprem medidas socioeducativas, a Justiça interditou o Centro Educacional São Lucas, no município de São José (SC). Apesar de elogiar a atitude, Daniel Issler, juiz auxiliar do Conselho Nacional de Justiça, defendeu que também seja interditado o Plantão Interinstitucional de Atendimento (Pliat), de Florianópolis, onde haveria situação de violência idêntica.

No último dia 7 de dezembro, o CNJ já havia recomendado ao governador Leonel Pavan o fechamento das duas unidades por estarem em desacordo com as diretrizes do Estatuto da Criança e do Adolescente e do Sistema Nacional de Medidas Socioeducativas (Sinase).

“Não se pode esquecer da Pliat, que também deve ser interditada. Essas duas unidades são verdadeiras masmorras, depósitos de adolescentes. Elas se prestam a ações de vingança e punição aos internos, que em nada contribuem para a sua ressocialização”, afirmou Issler.

O juiz é um dos coordenadores do Programa Medida Justa, do CNJ, que percorre o país para fazer um diagnóstico da situação processual dos adolescentes privados de liberdade e das condições física e pedagógica das unidades de internação. Ele foi criado para que os adolescentes tenham tratamento diferenciado dos adultos. O programa busca, dessa forma, acelerar o processo de implantação das diretrizes do ECA e do Sinase.

No mês de agosto, a equipe do Medida Justa visitou 20 unidades de internação em 16 municípios de Santa Catarina. O relatório gerado a partir da visita traz reclamações dos internos do Pliat e do São Lucas sobre agressões, tortura e humilhação. Segundo os relatos, os monitores fazem dos castigos físicos uma rotina, com o uso de armas de fogo e de algemas de pulso e de tornozelos.

O documento retrata, ainda, que nas unidades de Pliat e São Lucas “notou-se que o grupo de monitores, ao invés de internalizar os valores protetivos e socioeducativos no tratamento dos adolescentes, que são próprios da principiologia estabelecida pelo jurídico pátrio, vivenciam cultura de dominação e intimidação”.

Na unidade Pliat, definida como “semelhante a uma masmorra da Idade Média”, a equipe do CNJ viu, em cada um dos alojamentos, três ganchos presos à parede. Segundo queixas dos adolescentes, ali eles são algemados nus e, em seguida, agredidos e torturados. Além disso, os internos contaram ser obrigados a urinar dentro de seus próprios alojamentos, em garrafas tipo pet. Isso ocorre quando eles não conseguem ir ao banheiro porque os monitores se negam a abrir a grade do alojamento. E, quando autorizados a ir, o banheiro não dispõe de portas que garantam um mínimo de privacidade.

Os reeducandos denunciaram também que são obrigados a lavar os pratos sujos deixados pelos monitores e que, por motivos fúteis, ou mesmo sem motivo, são agredidos. O clima de intimidação na Pliat se reflete também nas caveiras que adornam o quadro de avisos e nas camisetas pretas dos monitores que, segundo relato dos menores, portam, durante a noite, pistolas calibre 380. 

O relatório foi encaminhado ao presidente e ao corregedor-Geral do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, ao procurador-geral de Justiça do Estado e aos juízes de Direito responsáveis pela fiscalização do sistema socioeducativo local. Entre as recomendações do CNJ, estão a capacitação e atualização de magistrados e servidores das varas da Infância e da Juventude para a melhoria da prestação jurisdicional. Com informações da Assessoria de Comunicação do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 22 de dezembro de 2010, 15h20

Comentários de leitores

1 comentário

COLOQUEM TODOS NA RUA

Gusto (Advogado Autônomo - Financeiro)

Já que os semideuses do Judiciário entendem dessa forma, coloquem todos os marginais na rua e façam com que a maioria absoluta das pessoas de bem passem a ser torturadas pelos bandidos. Eles, coitados, merecem todo o conforto, afinal são "jovens em processo sócio-educativo" (piada de português), enquanto que os idiotas que trabalham, estudam e auxiliam no crescimento do país, devem aguentar o peso desses vagabundos.

Comentários encerrados em 30/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.