Consultor Jurídico

Comentários de leitores

42 comentários

NÃO VÁ O SAPATEIRO ALÉM DAS SANDÁLIAS

Valdecir Trindade (Advogado Autônomo - Trabalhista)

«Não vá o sapateiro além da sandália»
Para quem não conheça a história:
Conta-se que certo pintor, querendo imprimir um maior realismo às suas obras, elaborou um estratagema: antes de terminar qualquer uma delas, colocava-as num local público, enquanto que ele, escondido, resgistava as opiniões, os comentários e críticas ou sugestões que os transeuntes faziam.
Um dia, passam pelo local dois indivíduos e um deles, sapateiro de profissão, fez alguns reparos técnicos, pertinentes, sobre as sandálias que as figuras pintadas na tela traziam calçadas. O pintor ouviu, registou e, no silêncio do seu atelier, fez as alterações sugeridas pelo sapateiro.
No dia seguinte, os mesmos dois indivíduos voltam a passar junto da tela, e o sapateiro, vendo que o pintor tinha feito, de acordo com os seus reparos, alterações às sandálias pintadas, achou-se no direito de começar a criticar a obra e a dar a sua opinião, não fundamentada, sobre as cores escolhidas, a luminosidade da obra, as formas utilizadas, o estilo, etc., etc.
Escondido ali perto, e depois de ouvir tanto disparate, o pintor não se conteve e, mostrando-se, disse: «Não vá o sapateiro além da sandália».
http://catequese-constantim.blogspot.com/2009/10/n.html

Ministro com cultura admiravel e discernimento deploravel

Marco 65 (Industrial)

Joaquim Roriz, como outros políticos que renunciaram aos seus mandatos para escapar do processo de cassação, no mínimo, declararam-e culpados nas "supostas acusações" que lhes foram aatribuidas
-Gostaram do termo "Suposta"????
Pois é, perante a lei e no linguajar jurídico brasileiro, o cara rouba, é pego em flagrante, tem suas falas gravadas (algumas, até com vídeo) e temos de trata-lo de "suspeito"... via de regra, o "suspeito" se livra da condenação através de artifícios utilizados por advogados que, por sua vez, conhecem as brechas parfa inocentar o culpado.
No caso da Lei da Ficha Limpa, a ótica do Ministro Gilmar Mendes é de que a lei não retroage. Muito bonita a defesa dessa tese quando invoada a C.F. sem a preocupação com os danos que isso causa ao cidadão de bem e té ao próprio Estado. Falando em Constituição, essa que aí está, aprovada em 1988 a toque de caixa com o estímulo de um político totalmente "fora da casinha" como era Ulisses Guimarães deixou o País quase que ingovernavel, não fosse as alterações já nela introduzidas e tantas outras que ainda devem ser modificadas.
E é por essa mesma ótica que navega o Ministro Mendes... fora da realidade, querendo tapar os olhos para as necessidades de um Brasil mais modernizado e que não suporta mais conviver com certas aberrações cometidas por políticos, no mínimo, despreparados.
claro que leis foram feitas para serem obedecidas, MAS... quando a lei é deficiente, inconsistente, omissa na sua plenitude, essa lei tem que ser modificada e aí, os efeitos da nova lei devem ter vigência imediata.
Vamos parar com essa "Ilha da Fantasia" que tomou conta de alguns Ministros do STF.

Comentar

Comentários encerrados em 12/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.