Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Respeito à advocacia

A imensa maioria dos advogados é séria e ética

Por 

Os jornais noticiam que o Ministro da Justiça defende, abertamente e sem nenhum pudor, o "monitoramento" das conversas entre advogados e presos nos parlatórios.

Essa foi uma das "soluções" apresentadas diante do quadro vivido no Rio de Janeiro: monitorar (eufemismo para escuta, invasão da privacidade, grampo ou qualquer outro termo mais adequado) as conversas entre os advogados e seus clientes, como se os advogados fossem os responsáveis pelo ingresso de armas no território brasileiro e como se os advogados, de forma generalizada, se prestassem ao papel de pombo correio do crime.

É possível que alguns advogados desbordem de seu papel e de sua necessária postura ética e se prestem a levar e trazer recados, inclusive com ordens para que se cometam crimes. Os que se escondem sob uma inscrição na Ordem para efetivar tais práticas não são advogados: são bandidos e devem ser excluídos da advocacia. Com eles e com tais condutas não pode haver complacência.

Mas esses, que se disfarçam de advogados, são minoria. A imensa maioria dos advogados é séria, é ética, é digna e exige ser respeitada.

Não se pode aceitar a proposta de invasão da privacidade que deve regular a conversa dos advogados com seus clientes, pois isso significa aceitar a pecha de que somos os advogados porta vozes de criminosos e mensageiros do mal.

"Monitorar" conversa, "escutar" o que falam cliente e advogado é inaceitável. Representa afronta às prerrogativas profissionais e fere o direito do preso. Como ensina Mirabete, a entrevista pessoal e reservada é "um direito que tem seu fundamento no âmbito da Constituição Federal, que garante aos acusados ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. (...). Assim, devem ser concedidas as maiores facilidades para essa comunicação pessoal que, por ser reservada, exige que se lhe destine um lugar apropriado e digno no estabelecimento penitenciário, garantindo o sigilo que deve presidir essas relações do cliente com seu procurador judicial."

No entanto, ao invés de afirmar o Estado Democrático, o Ministério da Justiça — é o que leio — apresenta proposta que nem na ditadura se ousou sustentar.

É preciso repudiar as afirmativas dos que, diante da falência do Estado na questão da segurança pública, buscam passar para a população a noção de que o advogado se confunde com seu cliente e imputam aos advogados, como regra, condutas que são exceção.

Somos, os advogados, indispensáveis à administração da Justiça e necessitamos, para nosso exercício profissional pleno, do respeito às nossas prerrogativas.

Porém, quando se vê tamanho absurdo, quando nos deparamos com tão clara proposta de quebra de nossas prerrogativas profissionais e de insulto a nossa profissão, é reconfortante relembrar o ministro Celso de Mello: "qualquer conduta dos agentes e órgãos do Estado que afronte direitos e garantias individuais, como o direito de defesa, cerceando e desrespeitando as prerrogativas profissionais do Advogado, representa um inaceitável ato de ofensa à própria Constituição e, como tal, não será admitido nem jamais tolerado pelo Supremo Tribunal Federal".

Prerrogativa não é privilégio. Nós, que resistimos às ditaduras, não nos curvaremos a propostas demagógicas, populistas e flagrantemente ilegais.

Por isso, como advogados, dizemos: Respeite, eminente Ministro, a advocacia brasileira.

Homero Junger Mafra

Presidente da OAB-ES

Homero Junger Mafra é presidente da OAB-ES.

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2010, 16h38

Comentários de leitores

14 comentários

DITADURA LULISTA

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Ô CAMBADA DE TUCANINHOS SAFADOS! EITA DOR DE COTOVELO, HEIN?rs
.
O BRASIL MELHOROU, E EXATAMENTE POR ISSO JOGARAM AS FORÇAS ARMADAS DAQUELA FAVELA.
.
AGORA SÓ FALTAM AS ESCUTAS EM PRESÍDIOS, QUE A CURTO PRAZO OCORRERÃO NORMALMENTE.
.
VAMOS APROVAR A GRAVAÇÃO DE CONVERSA ENTRE ADVOGADOS E SEUS CLIENTES VAGABUNDOS!

Esta é para o J Candal

Oziel (Funcionário público)

Sou plenamente favorável à revista em pertences de funcionários públicos para se evitar furtos de coisa pública.
Passar incólume por uma busca dessas servirá como prova a meu favor em caso de uma acusação injusta.
Prefiro o constrangimento de ser revistado pela polícia, por exemplo, em via pública, do que não ver a presença policial e ser vítima de algum crime.
A infração de alguns profissionais não mancha toda a classe, a não ser, é claro, que ela fique muito melindrada com qualquer tipo de monitoramento, como no caso dos policiais, juizes, promotores, advogados,etc.

GRAVAÇÃO DE CONVERSA ENTRE ADVOGADO E CLIENTE

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Há um pequeno equívoco no título desta matéria. O título mais viável deveria ser:"Nem mesmo na honesta ditadura militar ousou-se gravar conversas entre advogados e presos, como pretende a atual corrupta ditadura do proletariado".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/12/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.