Consultor Jurídico

Notícias

Planos econômicos

STF suspende ações e recursos sobre correções

Por 

Estava certo o ministro João Otávio de Noronha ao pedir para que o Superior Tribunal de Justiça aguardasse a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre os expurgos inflacionários decorrentes dos planos econômicos. Nesta sexta-feira (27/8), o ministro Dias Toffoli, relator dos dois recursos que tiveram a repercussão geral reconhecida pelos demais ministros do Supremo, determinou o sobrestamento de todas as ações em grau de recurso em andamento no país que tratam das diferenças de correção de cadernetas de poupança.

Com base no parecer da Procuradoria-Geral da República, o ministro definiu que esta decisão não se aplica e aos processos em fase de execução definitiva e às transações efetuadas ou que vierem a ser concluídas. Dias Toffoli afirmou ainda que a proposição de novas ações, a distribuição e a realização de atos da fase de instrução estão liberadas.

Com isso, a decisão da última quarta-feira (25/8) da 2ª Seção do Superior Tribunal de Justiça, sob o rito da Lei de Recursos Repetitivos, não teve efeito prático. O subprocurador da República Washington Bolívar levantou questão de ordem para pedir que o STJ aguardasse a manifestação do Supremo nas ações que discutem exatamente a mesma matéria.

Além dos dois agravos relatados pelo ministro Dias Toffoli, o Supremo analisa a ADPF 165 (Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental), em que Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) pede que seja reconhecida a constitucionalidade dos planos Cruzado, Bresser, Verão e Collor I e II.

Dos dez ministros que compõem a 2ª Seção, apenas o ministro João Otávio de Noronha votou por esperar a decisão do Supremo. Segundo ele, “a jurisdição é una e a cúpula desta jurisdição é o Supremo Tribunal Federal. Há no STF dois recursos que tratam da mesma matéria com repercussão geral conhecida. Em homenagem à Corte Suprema, seria prudente suspender este julgamento”. Mas ele ficou vencido.

Os ministros da 2ª Seção decidiram a causa em favor dos poupadores. Tanto a responsabilidade dos bancos por pagar os expurgos quanto o prazo de prescrição das ações, fixado em 20 anos para processos individuais e em cinco anos para os coletivos, foram resolvidos por unanimidade na 2ª Seção. A corte também estabeleceu os índices e as datas para a correção em cada plano.

O colegiado também definiu índices de correção para as diferenças a serem pagas. No caso do Plano Bresser, a correção foi definida em 26,06%. Para o plano Verão, foi estipulada a correção de 42,72%, enquanto para o plano Collor I o índice definido foi de 44,80%. Para o plano Collor II, a decisão do STJ foi de corrigir os valores da poupança foi de 21,87%.

De acordo com a Federação Brasileira de Banco (Febraban), os bancos podem perder até R$ 100 bilhões caso a decisão do STJ seja mantida. Por esses cálculos, cada ação teria o valor de R$ 180 mil, em média. A Febraban ainda aguarda uma definição do Supremo. A entidade afirma que a única alternativa é promover ação contra o Estado para tentar o ressarcimento dos valores.

Clique aqui para ler a decisão no RE 626.307
Clique aqui para ler a decisão no RE 591.797

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 27 de agosto de 2010, 17h11

Comentários de leitores

9 comentários

Desprezo II

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Marcao petista baba ovo (ainda se fosse do Celso de Mello, vá lá mas do incompetente do Toffoli!)Nao vou identificar-me pois tenho medo que com meus dados Vv. os petistas et caterva invadam o meu escritório de advocacia, violem meu sigilo profissional e fiscal e por fim metam a mao no meu suado dinheirinho, como fazem petista et caterva daqueles que verdadeiramente trabalham. Com bandidos no poder nao se brinca!

Responder

Ao advogado sem nome... (deve ter medo de se identificar)

Marco 65 (Industrial)

Olha aqui, óh amigo do voltaire, antes de falar bobagem. logo as 9 horas da manha de uma segunda feira, (o que demonstra que vc deve estar desocupado), páre de denegrir a imagem do Ministro e cuidar da sua imagem!
E mais... esse papo de "cada macaco no seu galho" é coisa de gente incompetente, que só sabe dar valor a títulos... coisa do tempo dos coronéis.
Coloque seu nome, cidadão.... e, se for mesmo advogado, o numero da OAB. vamos ver ser vc tem culhão pra se identificar, falando um absurdo desses do Ministro Dias Toffoli!!!

Responder

Por que nao se cala?

amigo de Voltaire (Advogado Autônomo - Civil)

Marcao. Nao tenho procuraçao do advogado autônomo nao, mas cada macaco no seu galho. V. nao é do ramo para elogiar as decisoes e fundamentaçoes do "Toffoli" como V. intimamente o trata. O cara caiu sim de paraquedas e foi reqprovado em concurso público. O único atributo que ele possui é ser amigo do molusco - invasor de escritórios de advocacia - e advogado da esquerdinha vagabunda violadora de sigilos profissional e bancário. V. nao entende do que está falando. Se és amigo do cara guarde suas observaçoes para um chopinho com ele e com o ministro atestado médico, depois vai vir um churrasquinho cus cumpanheiro.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.