Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Relação processual

PL garante advogado em causas de até 10 salários

A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 7.707/2010, do deputado Germano Bonow (DEM-RS), que prevê assistência gratuita de advogado em causas de até 10 salários mínimos em Juizados Especiais. Pela proposta, onde não houver Defensoria Pública, o Estado fica obrigado a arcar com as despesas de honorários. O texto altera a Lei dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (Lei 9.099/1995).

A proposta também torna obrigatório o acompanhamento de advogado nas causas de valor superior a 10 salários mínimos. Nesses casos, no entanto, não há exigência de gratuidade. Atualmente, a lei dispensa a assistência de advogados em causas de até 20 salários mínimos. Para causas acima desse valor, o acompanhamento de advogado é obrigatório.

De acordo com o autor do projeto, a alteração proporcionará maior eficiência, celeridade e segurança jurídica nos processos. “A presença do advogado é fundamental para o indispensável equilíbrio na relação processual”, afirma Bonow.

O deputado diz que, em geral, os cidadãos têm de enfrentar sozinhos departamentos jurídicos de grandes empresas em suas causas. O projeto tem o apoio de outros 20 deputados da bancada gaúcha, que também assinam a proposta.

A proposta será analisada em caráter conclusivo. Ou seja, o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo: comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. O projeto só perderá esse caráter em duas situações. Quando houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra) ou se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra a decisão de 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário. Com informações da Assessoria de Imprensa da Câmara dos Deputados.

Revista Consultor Jurídico, 26 de agosto de 2010, 6h56

Comentários de leitores

11 comentários

quero meu jus postulandi

daniel (Outros - Administrativa)

quero o meu jus postulandi
direito de se dirigir diretamente ao Judidiciário é cidadania e direito humano. Inclusive está previsto nos Tratados Internacionais.
Em suma, Advogado é essencial à justiça, mas não significa advogado com monopólio da palavra junto ao Judiciário.
Negar o jus postulandi é negar a cidadania em prol da reserva de mercado. Cabe ao cidadão decidir se contrata um advogado, ou não. Da mesma forma que pode celebrar contratos sem assistência do advogado, bem como comprar, vender, casar e outros atos da vida.
A Lei não proibe que a parte contrate adv, apenas faculta. Logo, cabe à OAB facilitar o acesso ao advogado,como fez (com muito atraso) no cartão do pagamento de honorários através de cartão de crédito.
Também deve a OAB mostrar ao povo a necessidade de adv e não apenas obrigar para reserva de mercado.
Liberdade já !!

Atendimento bom?

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

Sem querer falar mal nem nda mas sinceramente eu nao confiaria nem um pouco nos estagiario que atendem nos JECs. Os atendentes (estagiarios) nao ganham absolutamente nada, ou seja, nng gosta de trabalhar de graça ne? Nao acredito, de verdade, que seja um serviço bem prestado.

Corrigindo...

Carmen Patrícia C. Nogueira (Advogado Autônomo)

Corrigindo erro de digitação: desassistido.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.