Consultor Jurídico

Investigação obstruída

Polícia prende filha de ex-ministro assassinado

A polícia prendeu nesta terça-feira (17/8) Adriana Villela, filha do ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral José Guilherme Villela, morto a facadas em agosto de 2009. Além dela, mais quatro pessoas suspeitas de obstruírem as investigações também estão detidas. O ex-ministro, sua mulher e a empregada foram encontrados mortos no apartamento da família, em Brasília. A informação é do jornal Folha de S.Paulo.

Estão presos a ex-empregada Guiomar Barbosa da Cunha, a vidente Rosa Maria Jaques, o marido dela João de Oliveira, e o agente de polícia José Augusto Alves, braço direito da primeira delegada que investigou o caso.

A polícia alega que uma prova foi “plantada” para incriminar dois suspeitos do assassinato. Esse elemento embasou o pedido de prisão, conforme informou o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. A chave do apartamento do ex-ministro teria sido encontrada com os suspeitos. De acordo com a perícia, a chave era a mesma recolhida pela polícia. Assim, não poderia ter sido levada pelos criminosos após o triplo homicídio.

A delegada Martha Vargas foi afastada do caso e a polícia suspeita que os presos pretendiam atrapalhar as investigações.

Na ocasião do crime, a delegada declarou que "todos levaram facadas. Dois corpos estavam entre o corredor de serviço, que dá acesso à cozinha da residência. O outro, da proprietária do imóvel, estava vindo dos quartos em direção ao hall entrada do apartamento".

Villela advogou para o ex-presidente Fernando Collor durante o processo de impeachment, em 1992. Além de atuar junto aos tribunais superiores, possuía um escritório de advocacia.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de agosto de 2010, 13h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.