Consultor Jurídico

Preço da conta

Horário eleitoral gratuito custa R$ 850 milhões

As emissoras de rádio e tevê receberão desconto de mais de R$ 850 milhões no Imposto de Renda pela transmissão do horário eleitoral dito gratuito. Considerando mais R$ 200 milhões do fundo partidário, as campanhas têm R$ 1,05 bilhão de financiamento público.

A propaganda eleitoral no rádio e na televisão teve início nesta terça-feira (17/8). Durante 45 dias, os eleitores vão conhecer as propostas dos candidatos aos cargos de deputado federal, estadual e distrital, presidente da República, senador e governador. O programa eleitoral permite saber o que tem a dizer  Dilma e Serra,  Paulo Maluf e o Bispo Crivella, Plinio de Arruda Sampaio, Tiririca, Marcelinho Carioca, Maguila, a Mulher Pera, Levy Fidelis, Eymael e milhares de outros candidatos de todo o Brasil.

Devido à veiculação da propaganda eleitoral, as emissoras de rádio e tevê abertas recebem do governo desconto no pagamento do Imposto de Renda, ou seja, uma isenção fiscal parcial. A dedução prevista é de 80% do valor cobrado pela transmissão de propagandas comerciais naquele horário, de acordo com a tabela de cada emissora. O desconto está em vigor desde 1993.

A isenção é válida também para as inserções publicitárias que ocorrem entre os períodos de eleições, ou seja, fora do período de propaganda gratuita. Neste ano, a Receita Federal estima em mais de R$ 850 milhões a soma do dinheiro que deixará de ir para os cofres públicos em razão do horário eleitoral. Além disso, a população também participa financeiramente das campanhas por intermédio do fundo partidário — que neste ano somou R$ 200 milhões.

Diferentemente da proposta de reforma política que tramitou na Câmara entre 2003 e 2007, e que previa o financiamento público exclusivo de campanhas (PL 4.634/09), a isenção fiscal concedida às emissoras, juntamente com o fundo partidário, formam um modelo de financiamento misto de campanhas, que reúne dinheiro público e privado.

Críticas ao desconto fiscal
O desconto concedido a emissoras de rádio e tevê recebe críticas. Para o deputado Paulo Henrique Lustosa (PMDB-CE), o governo não deveria pagar pela transmissão do horário eleitoral. Nem o governo, nem os partidos e nem os cnadidatos. A conta, segundo o deputado, que hoje é paga pelos eleitores deveria ficar na mão dos empresários do setor de comunicação.  "O uso da radiofrequência para radiodifusão é uma concessão pública e, consequentemente, um patrimônio da sociedade brasileira administrada pelo Estado".

A mesma tese é defendida pela representante da organização civil Intervozes — Coletivo Brasil de Comunicação Social, Cristina Charão. "Se o processo eleitoral faz parte da gestão do Estado brasileiro, nada mais correto que os concessionários públicos, que utilizam um espaço público de radiodifusão, cedam gratuitamente esse espaço para que o processo eleitoral ocorra da forma mais democrática possível".

Já o diretor geral da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert), Luis Roberto Antonik, defende a isenção fiscal. Segundo ele, a medida compensa uma "perda importante com venda de espaço publicitário" em horário nobre. Além disso, de acordo com Antonik, a maioria das emissoras registra perda "brusca" de audiência com o horário eleitoral. "Muitas vezes, a audiência perdida não é mais recuperada porque as pessoas desligam o rádio e a tevê e vão fazer outras coisas".

Ganho democrático
Apesar do alto custo das isenções fiscais concedidas pelo governo brasileiro, a cientista política Maria do Socorro Sousa Braga avalia que o "ganho democrático" da medida compensa o gasto. "Abre-se um espaço para que as forças políticas possam expressar suas ideias para a população e, dessa forma, cria-se uma cultura política de participação por meio do voto", defende.

Segundo a cientista política, a difusão do rádio e, principalmente, da TV na maioria dos lares brasileiros faz com que a campanha eleitoral divida-se em "antes e depois do período de horário eleitoral". "É a partir desse momento que os indecisos tomam suas decisões e que se notam as maiores diferenças entre intenções de votos para cada candidato". Com informações da Agência Câmara.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de agosto de 2010, 0h36

Comentários de leitores

3 comentários

O "Hilário" Político

Zerlottini (Outros)

O que signifca que os eleitores temos de pagar para escutar as mentiras que essa corja fala, nos rádios e na TV? É uma pletora de mentiras deslavadas, com a cara mais limpa do mundo, promessas que NUNCA serão cumpridas. Como MUITO BEM disse o João Ubaldo Ribeiro: "Como se algum político representasse alguém que não seja a si próprio, à sua família e meia dúzia de agregados..."
Deviam era acabar com isso. Seguir o que disse a Rita Lee: "Fazer uma espécie de BBB com todos os candidatos. E o povo iria eliminando um a um, até sobrar só um, que seria o eleito". Pois, como disse Churchill, "pode-se enganar uma pessoa grande parte do tempo; várias pessoas por algum tempo. Mas não se pode enganar TODAS as pessoas TODO o tempo!"
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

É a democracia à brasileira...

omartini (Outros - Civil)

Não há país democrático que utilize financiamento público exclusivo de campanhas políticas que gaste mais que o Estado brasileiro para propaganda eleitoral.
O eleitor brasileiro é considerado alienado e incapaz de escolha política.
Tutelado pelo Estado, tem que votar obrigatoriamente após submetido, durante toda a gestão de governo, à regular e quase sempre mentirosa propaganda oficial sobre realizações fantasiosas ou invencionices e promessas. Ou seja, pagamos impostos para também sermos legalmente enganados.
Como a “cultura política de participação popular” não resta consolidada, um último esforço concentrado no horário político, também OBRIGATÓRIO, em que forças no poder têm tempo predominante...
Se não bastasse, para o horário político ser efetivamente obrigatório, sem escolha para o cidadão, a propaganda se realiza principalmente através de emissoras de rádio e TV abertas – quando há inúmeras públicas, mantidas quase que exclusivamente por nossos impostos (TV Câmara, TV Senado, TV do Lula, TVs de assembléias, TVs educativas, etc, etc...) – todas com constante ínfima audiência...

"GANHO DEMOCRÁTICO" E "PERDA "BRUSCA" DE AUDIÊNCIA"?

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Ledo engano da cientista política. Saúde, segurança etc. isto é "ganho democrático". "Abre-se um espaço para que as forças políticas possam expressar suas ideias para a população e, dessa forma, cria-se uma cultura política de participação por meio do voto", defende". Defesa equivocada. A cientista política parece desconhecer a divisão do tempo destinado a cada candidato. Abre-se um espaço CARÍSSIMO para que SÓ as forças políticas possam expressar suas MENTIRAS para a população.
E o diretor geral da ABERT descobriu a roda: "a maioria das emissoras registra perda "brusca" de audiência com o horário eleitoral."

Comentários encerrados em 26/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.