Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vantagem indevida

Mantida condenação de servidor por corrupção passiva

O supervisor da unidade de cálculos da Justiça Federal de Campo Grande condenado a cinco anos e quatro meses de reclusão sob acusação de ter cobrado R$ 2 mil para acelerar a elaboração dos cálculos e agilizar a expedição de precatório não conseguiu trancar a Ação Penal no Superior Tribunal de Justiça. O relator do pedido de Habeas Corpus na 5ª Turma, ministro Jorge Mussi, concluiu que há provas de que, de fato, o servidor recebeu dinheiro. O réu alegava atipicidade da conduta.

De acordo com a legislação, a corrupção passiva consiste em solicitar, receber ou aceitar promessa de vantagem indevida, para si ou para outrem, em razão da função pública exercida pelo agente, mesmo que fora dela, ou antes, de assumi-la.

No pedido de Habeas Corpus, a defesa alegou que não houve tal delito, uma vez que o processo encontrava-se com Embargos à Execução opostos pela União pendente de julgamento, circunstância que impediria qualquer agilização para a expedição do precatório pretendido.

Para o relator do HC, ministro Jorge Mussi, a denúncia oferecida pelo Ministério Público e a sentença condenatória demonstraram suficientemente que o réu, no exercício de suas funções, recebeu vantagem indevida para realizar ato funcional de sua competência e adiantar a elaboração de cálculos em ação judicial, restando caracterizada a prática do delito de corrupção passiva. Seu voto foi acompanhado por unanimidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 135.142

Revista Consultor Jurídico, 17 de agosto de 2010, 13h24

Comentários de leitores

3 comentários

Nem tudo está perdido

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

A corrupção é epidêmica e toma conta do Brasil, tudo tem jeito e preço. Estamos assistindo a condenação dos PMs que levaram propina para acobertar o assassinato do filho da atriz da Globo por um play boyzinho fedorento e arrogante assim como seu pai corruptor.
Falta de caráter se aprende em casa né?

Ainda vigora o crime de lesa majestade.

Antônio Macedo (Outros)

Ainda o crime de corrupção passiva cometido por funcionário público é resquício do crime lesa majestade vigente na época coroa portuguesa. Não há chance de perdão para o infeliz que o pratica. A devassa punitiva tem de ser a mais completa e impiedosa. Para isso, vige o princípio de que ninguém pode alegar o desconhecimento da lei, equipara-se os ignorantes e ingênuos aos doutores da lei. E ainda dizemos que estamos no século XXI.

Ainda vigora o crime lesa majestade.

Antônio Macedo (Outros)

Ainda o crime de corrupção passiva cometido por funcionário público é resquício do crime lesa majestade vigente na época coroa portuguesa. Não há chance de perdão para o infeliz que o pratica. A devassa punitiva tem de ser a mais completa e impiedosa. Para isso, vige o princípio de que ninguém pode alegar o desconhecimento da lei, iquiparando os ignorantes e ingênuos aos doutores da lei. E ainda dizemos que estamos no século XXI.

Comentários encerrados em 25/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.