Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Xeque-mate

Astro-pop, juiz De Sanctis lança livro de ficção

Por 

O juiz federal Fausto Martin De Sanctis teve uma noite com muitos holofotes no lançamento de seu primeiro livro de ficção. Depois de se sentar na cadeira giratória do Roda Viva da TV Cultura, de responder às perguntas do gordo no Programa do Jô na Rede Globo e de desfilar sua sabedoria pelo Contraponto da TV Aberta e da TV Justiça, o juiz federal pousou na Livraria Cultura para a noite de autógrafos de sua mais recente criação: Xeque-Mate. 

E não será a última. De Sanctis promete uma série de romances para retratar a vivência e o trabalho de um juiz. Como ele. Não por acaso as iniciais do nome do personsagem principal do livro - Fernando Montoya Di Sorrento — coincidem com as do autor.

De Sanctis esteve sorridente enquanto recebia os cumprimentos, que retribuía com entusiasmo. Foi prestigiado por colegas de trabalho, advogados, promotores, estudantes de Direito e familiares. Não faltaram os servidores da 6ª Vara Federal Criminal, que têm o autor como juiz titular. Também bateram ponto no ágape o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, o senador Eduardo Suplicy (PT), o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (DEM), a vice-prefeita de São Paulo Alda Marco Antonio (PMDB); a desembargadora do TRF-3 Regina Costa; o juiz federal da 10ª Vara Federal Criminal Nino Toldo e o advogado Fábio Konder Comparato.

“Ele é um juiz competente, embora reconhecidamente duro. Estou curiosíssimo para ver o resultado dessa primeira incursão pelas veredas da ficção”, disse Márcio Thomaz Bastos. A desembargadora Regina Costa também rasgou seda para o colega de turma no concurso de ingresso na magistratura. “Ele é meu colega há muitos anos, sempre tive muita admiração e estima, não podia deixar de estar aqui”, ressaltou. Alda Marco Antônio, emocionada, manifestou sua admiração pelo juiz e convocou-o para mostrar os projetos que toca como vice-prefeita de São Paulo.

De Sanctis, que finalmente se inscreveu para ser promovido a desembargador, agiu com naturalidade como ator principal na cena. Logo ao chegar, atendeu a imprensa. Em seguida, colocou-se todo solícito à disposição da plateia. Os autógrafos se estenderam por três horas. A fila para cumprimentá-lo se manteve longa por uma hora e meia e o autor só assinou o último autógrafo às 22h. Estava lá desde as 19h. Mais de 200 livros foram vendidos.

Já com a crítica, o livro, como tudo em que se mete De Sanctis, causou controvérsia. Alcir Pécora, professor de teoria literária da Unicamp, diz que o livro de De Sancits é um equívoco. "Evidentemente De Sanctis não se torna um juiz menos admirável pelo equívoco de sua aventura literária, assim como a sua literatura não se tornou melhor pela sua qualidade moral e profissional como magistrado", sentenciou o especialista em artigo assinado no jornal Folha de S.Paulo.

O repórter Mário César Flores, da mesma Folha de S. Paulo, foi mais condescendente nas críticas, mas revelou alguns hábitos do autor de Xeque-Mate que servem para justificar seu desempenho literário. Segundo o jornalista, "De Sanctis não é um leitor contumaz. Só lembra de dois títulos ficcionais que leu neste ano: Memórias das Minhas Putas Tristes, de García Márquez ('não gostei'), e Crime e Castigo, de Dostoiévski ('genial')". Sua maior influência, afirma, é Machado de Assis (1839-1908). 'Sabe aquelas interrupções de narrativa de Memórias Póstumas? Tentei fazer isso no livro.' A falta de paciência é o grande problema, diz. "Não tenho paciência para reescrever. É um erro meu. Sinto como se fosse uma perda de tempo."

Indagado se  sonha com uma vaga na Academia Brasileira de Letras, o juiz foi sincero: "Ainda é muito cedo".

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2010, 15h06

Comentários de leitores

10 comentários

AOS HOMENS DA LEI NÃO CABEM TROFÉUS

CHORBA (Bancário)

Lamentavelmente os homens que deveriam zelar pela ordem, pela aplicação da justa lei, formarem JUÍZO DE CONVENCIMENTO embasado em provas concretas, a lei e a constituição, estão a navegar aos rumos da FAMA.
Quando ingressaram no cargo, fizeram um juramento que deveriam cumprir em toda a sua interpretação.
Dizer que um magistrado não pode escrever um livro é correto?
Partindo-se do princípio de que seu trabalho é JULGAR pessoas, seres humanos, há que se pensar que não.
Se quer escrever, largue o cargo de Homem da Lei, afaste-se nem que temporariamente... ou poderá, quem quer que seja, arcar com o ônus e acabar por entrar em xeque-mate.
Com todo o respeito aos magistrados:
Busquem JUSTIÇA,
Não busquem troféus.
LEIAM muito, OS PROCESSOS.
Para tudo na vida tem um momento adequado. - Chorba
Jorge Alencar Chorba
chorbamatrix@gmail.com
http://chorbamatrix.blogspot.com/
55.9623.6520

ESTRELAS NÃO BRILHAM PARA SEMPRE...

Raul Haidar (Advogado Autônomo)

Há muitas "estrelas" nos meios juridicos, inclusive na Advocacia. Mas como nos ensina a astronomia, estrelas apenas explodem e brilham durante algum tempo. Vida inteligente só há nos planetas, aliás nem em todos...

Que má vontade, hem Conjur?

Armando do Prado (Professor)

Má vontade, ou inveja? O Juiz De Sanctis merece todos os encômios, sendo ou não um grande romancista.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/08/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.