Consultor Jurídico

Atendimento de risco

Brasil Telecom deve indenizar viúva de cliente

A Brasil Telecom foi condenada a pagar R$ 20,4 mil de indenização por danos morais à viúva de um cliente que sofreu enfarto enquanto tentava cancelar um serviço pelo call center da companhia. O homem morreu dois dias depois da ligação telefônica. A decisão unânime foi da 3ª Turma Recursal Cível dos Juizados Especiais do Rio Grande do Sul.

A ação foi ajuizada na Comarca de Uruguaiana pela viúva do cliente, que era titular de linha telefônica que tinha vinculada ao serviço de internet BR Turbo. O primeiro pedido de cancelamento das assinaturas foi feito em junho de 2008. A empresa informou o fim do contrato em agosto, mas retomou a cobrança em outubro, o que motivou o novo contato do cliente para o call center. Segundo a viúva, o precário atendimento no momento da ligação levou o seu marido a enfartar. A viúva sustentou que durante a ligação de 45 minutos, a pressão arterial do marido aumentou e ele sofreu enfarte agudo. A morte ocorreu dois dias após a internação hospitalar.

Na ação, a viúva pediu a antecipação de tutela determinando à empresa que não bloqueasse a linha telefônica e tampouco inscrevesse seu nome nos cadastros de inadimplentes. Por conta da morte do marido, pediu indenização por danos morais. Na contestação, a empresa negou o mau atendimento.

Na primeira instância, o juiz entendeu que a complexidade configurada na comprovação do nexo causal entre o enfarte, a morte e o mau atendimento prestado pela Brasil Telecom impedia uma análise e julgamento no âmbito dos Juizados Especiais. Por essa razão, reconheceu apenas o direito ao cancelamento do serviço e julgou extinto o processo sem resolução do mérito.

Recurso deferido
A viúva recorreu e teve o pedido deferido pela Turma Recursal. Para o relator do recurso, juiz de Direito Carlos Eduardo Richinitti, o histórico de problemas que o cliente vinha enfrentando com a empresa, conhecida pelo mau atendimento, permite conclusão de que houve nexo de causalidade entre a morte e o procedimento da companhia. “Comprovada a situação, é inegável que a autora tem direito ao dano moral pretendido, configurado na perda irreparável de um ente querido”, observou o relator. “Inquestionável que a dor advinda da perda não se paga com 40 salários mínimos, mas se atenua não só pelo ganho financeiro, mas também pelo natural sentimento de que a revolta do marido, do pai, desconsiderado a ponto de ter sua tranquilidade existencial abalada, não restou impune.”

De acordo com o juiz Richinitti, a decisão serve, também, de alerta à empresa para que revise sua conduta no relacionamento com o cliente. “Senão por obrigação legal, pela repercussão econômica decorrente da falta de atenção àquele que, mais do que o lucro, na medida em que se trata de uma concessão estatal, é sua razão de ser, no caso o cidadão.” O valor da indenização deve ser atualizado pela variação do IGP-M a partir da data do julgamento, acrescido de juros de mora de 12% ao ano a contar da citação. Com informações da Assessoria de Imprensa do Rio Grande do Sul.

Processo 71.002.173.979




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de abril de 2010, 2h35

Comentários de leitores

3 comentários

É isso que acontece com esses atendimentos telefônicos-1

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Eis a primeira vítima fatal do atendimento telefônico prestado por essas empresas que lesam os consumidores com a maior desfaçatez. Parece até que os atendentes são treinados para irritar o consumidor. Se este não infartar, então haverá uma possibilidade de alguns juízes considerarem o fato como "um mero aborrecimento" incapaz de induzir responsabilidade. Quer dizer, há de se esperar ocorra a consequência mais gravosa e irreversível: a morte do consumidor em razão do péssimo e cínico atendimento.
.
Quem ainda não experimentou isso, não a morte, é óbvio, mas esse tipo de atendimento que mexe com os nervos até de um professor de Ioga ou de um monge tibetano.
.
Pessoalmente já tive a oportunidade de experimentar episódios teratológicos, como, v.g., a atendente dizer que não autorizava que eu gravasse a ligação embora ela pudesse gravar e isso tivesse sido anunciado por uma mensagem eletrônica logo no início do atendimento. Em outra oportunidade, quando a atendente me disse que a ligação era gravada e eu redarguí: «é gravada por mim também», ela simplesmente desligou o telefone na minha cara, e tive de passar pela via-crúcis de uma nova ligação.
.
(CONTINUA)...

É isso que acontece com esses atendimentos telefônicos-2

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

(CONTINUAÇÃO)...
.
Esse estado de coisas só vai acabar no dia em que o Judiciário começar a entender que só condenando tais empresas no pagamento de indenizações de centenas de milhares, se não alguns milhões de reais, é que elas vão investir no melhor treinamento de seus funcionários para que atendam melhor aos consumidores, sem dar motivo para a pretensão indenizatória. Algo mais ou menos como nos EUA, pois todo empresário faz sua tabelinha de «pay off» seguindo a teoria dos jogos para determinar qual a decisão estratégica racionalmente mais vantajosa.
.
Por enquanto, essa estratégia parece favorecer o correr o risco de uma ação indenizatória, pois, além de levar muitos anos para ser julgada definitivamente, as indenizações são tão irrisórias para o «budget» das empresas que elas não sentem nem cócegas, e o Judiciário acha que está prestando um bom serviço para a sociedade. De ilusão também se vive.
.
(a) Sérgio Niemeyer
Advogado – Mestre em Direito e doutorando pela USP – sergioniemeyer@adv.oabsp.org.br

Pífio valor...

Stanley M.D.Tenório (Advogado Autônomo - Administrativa)

Até quando remanescerá o Poder Judiciário a aplicar condenações com valores pífios a empresas como esta, que, sabidamente, consome a alma de muitos brasileiros. Onde o exemplo inibitório?
Sinceramente, a balela do enriquecimento sem causa não justifica que a vida humana seja computada na relação custo/benefício de uma prestação de serviço que bem se amolda ao esbulho da mesma.
Acorda Brasil!

Comentários encerrados em 21/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.