Consultor Jurídico

Notícias

Sentido do processo

Querer que juiz acerte sempre é irracional

Comentários de leitores

11 comentários

Um lúcido operador do direito em meio a um mar de embriagez

Pedro de Queiroz Cordova Santos (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Creio que as palavras proferidas pelo Eminente Ministro Cesar Peluso são difícies de serem absorvidas pelos jurisdicionados em geral e mesmo para neófitos operadores de direito.
Mas quem - como nós - já milita há mais de 10 (dez) anos na advocacia, não pode dispensar tal valioso ensinamento, não apenas para não se afastar da meta atinente ao mister que lhe foi confiado pelo cliente, mas para jamais distanciar o mesmo da factivel razoabilidade de um desfecho diverso de suas expectativas.
O bom profissional deve ser como um bom médico - com obrigação de meios - não pode prometer nem o vôo, nem a vida eterna - e muito menos afastar-se da velha máxima de que "direito não é aquilo que se pede, mas o que o juiz dá".
Parabéns a lucidez do Sr. Ministro!

A balela

JCláudio (Funcionário público)

Então, é pura balela o discurso do Sr. Cesar Peluso. Os Juizes e afins erram porque não lêem os processos. É tudo feito no faz de conta. Vc. acretida que eles leram os processos e eles figem que lêem os processos. E por aí vai. Todos passam acreditar que a mentira dita é a pura verdade dos fatos. Portanto, a hipocrisia da história do erro é lançada e os seus pares passam a difundir esta cretinice.

Ué, mas eles não se consideram Deus?

Diego. S. O. (Advogado Autônomo - Civil)

...Quando o Advogado erra, mesmo que seja um erro mínimo, os Juízes adoram criticar, zombar, dizer que o Advogado é burro e não teve competência para passar em concurso, entre outras coisas.

JUIZES IRRACIONAIS?

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Irracional, ilustre Ministro, é a incompetência e a corrupção que impera no Poder Judiciário, desgastado e falido.

(Bem)Próximos do fim!

jorgecarrero (Administrador)

Realmente, o que esperar da justiça neste país? Agora, um togado do andar de cima encontra, cria um suporte - frágil, inapropriado e temeroso - para justificar as algumas lambanças (crescentes e sem reparos) - danosas até - dos togados em diversos níveis. NÃO TEM MAIS JEITO! Tem que começar do zero! Essses funcionários públicos, remunerados (e muito bem!) com recursos públicos - o meu, o seu e o nosso -acham que podem errar... NÃO, NÃO PODEM. NÃO! Mais estudos, mais sensibilidade e doses de vergonha na cara são ingredientes para analisar e julgar com zelo e competência as demandas dos cidadãos brasileiros, em especial.

sobre o óbvio ululante

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

O Sr. Ministro nada trouxe que acrescentasse algo de importante; talvez isso se deva ao nível da platéia que o assistia, afinal, há, hoje, estudantes para todo tipo de ensinamento e a tal da "educação para todos" somente está fazendo aumentar o número e a qualificação dos "educados": já agora há analfabetos com diploma superior, de Universidade, aproveitando a deixa que foi iniciada pelo Governo de São Paulo (parece)que criou a pedagogia da NÃO REPROVAÇÃO. Todavia, pegando carona no assunto, deixo registrado que, o mal não está que o Juiz erre ou não, afinal, o juízo humano estará sempre sujeito aos melindres do humor (atenção, estudantes, não se trata do humor de televisão...), do preconceito, enfim, dos diversos tipos de idiossincrasias próprias à nossa natureza: se trata, realmente, de NÃO DEIXAR QUE O ERRO TORNE-SE EFICAZ E IMUTÁVEL POR AUSÊNCIA DE RECURSO, isto é, por NÃO SE PERMITIR QUE AQUELA DECISÃO DO JUIZ SOFRA A REVISÃO NECESSÁRIA, AINDA QUE POR OUTRO JUZ....sobre isto, que é o que há de importante, o Sr. Ministro se calou....Aliás, o STF tem calado sobre diversos assuntos da mais alta importância (não digo que não tenha decidido, mas tem decidido de uma tal forma que é igual a calar-se), ou quando não, tangencia o assunto, limitando-se a proferir frases que fariam inveja à uma certa personagem de Eça de Queiroz, famosa por fazer discursos inflamados sobre irrelevâncias: o Comendador Acácio.

Os leigos

Igor Zwicker (Serventuário)

Com todo o respeito, mas é complicado abrir a participação, em debates jurídicos, para leigos (leia-se: pessoas sem formação jurídica). Já é complicado quando todos têm formação jurídica, que dirá quando não têm. Muita besteira.

IRRACIONAL É ESCONDER OS ERROS DA JUSTIÇA

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

PORQUE CARIOCA NÃO SE UNE E ACABA O PEDAGIO NA AVENIDA CARLOS LACERDA-LAMSA:
*
Segundo pesquisa existe UM MENSALINHO DE GABINETES a LAMSA BANCA FINANCEIRAMENTE AUTORIDADES DO TIPO PROCURADOR, PROMOTOR, JUIZ, DESEMBARGADOR, POLITICOS, no estilo MENSALINHO como se fosse uma “TAXA DO CALADÃO” pra que essas autoridades finjam que esse pedágio na AVENIDA é LEGAL E CONSTITUCIONAL
*
http://sites.google.com/site/arrudafilialriocom/

TEM LIMITES

olhovivo (Outros)

É certo que juízes podem errar, mas há determinados erros bizarros que, por isso mesmo, são inadmissíveis para quem cursou uma faculdade de direito.

Excelente frase

Chico Bueno (Advogado Autônomo - Civil)

"Querer que juiz acerte sempre é postura irracional". Que sobre essa frase do ministro Cezar Peluso meditem também os juízes que se consideram deuses.

A QUE PONTO CHEGAMOS $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

SOCIEDADE MORBIDA...
*
O perigoso elo da ilegitimidade passou a existir do momento em que na célula social ninguém protege ou é protegido constitucionalmente. Não há poder de policia embora haja na policia interesse, não há poder judiciário pela mesma maneira, não há escolas, não há hospitais, não há consciência cívica ou patriotismo, não há estrutura familiar, não há valores definidos, não há recuperação aos desajustados, não há dignidade, não há respeito ao próximo, não há capacidade do estado em formar os jovens para o futuro, não há fiscalização popular digna e honesta, não há imprensa que não manipule a verdade em prol dos seus interesses, não há a declaração da verdade, não há ética ou moral que se sustente nesta nação.

Comentar

Comentários encerrados em 20/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.