Consultor Jurídico

Artigos

Hackers e Crackers

Testes põem em dúvida o sigilo da urna eletrônica

Comentários de leitores

4 comentários

Instrumento de manipulação da vontade do povo

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Preliminarmente recomendo que visitem o site do voto seguro. data venia as eleições do PT são feitas com cédulas em papel, porque será hem?
Não existe sistema de computadores em rede 100% a prova de fraudes com alegam os neófitos ministros do TSE que presidem as eleições majoritárias. Em 2002 Nelson Jobim presidente do STF e do TSE queria dar o golpe das urnas eletrônicas no Lula sendo FHC, o covarde, dissuadido por Evandro Lins e Silva e outros notáveis o primeiro iria ser ministro da justiça caso.
Eu tenho comigo um relatório dos mistériosos técnicos do INPE que no TSE "construiram a engenhoca" afirmando em 1998 que o sistema era vulnerável em especial o cadastro dos eleitores. A empresa que faz os programas que operam a urna eletrônica a cada pleito é a CTIS diretamente envolvida nos crimes de lesa cofres públicos comandado pelo ex.governador José Roberto Arruda o mesmo do escandalo do painel eletrônico de votação do senado, com o qual manipulavam, fraudavam os resultados. Quando se assumiu no STF por conta de FHC, Nelson Jobim acertou com Roberto Requião arquivar o projeto de lei para impressão do voto nas urnas eletrônicas, mrecebendo em troca o mandado de senador e a destruição de seu principal rival político o então prefeito de Curitiba, Taniguchi. Que voto de cabresto que nada. Eles criaram o monopólio da fraude eleitoral, Nem nos USA, berço do computador e tecnologia da informação adotaram esse sistema que só o Paraguai e Peru de Fujimori utilizaram por empréstimo, as custas do meu do seu do nosso dinheiro.
Custa R$3,40 de multa para ir conestar a farsa das urnas eletrônicas validando pesquisas farjutas. Tá tudo dominado. Tenho dito desde 1998. Sei que o Covas ganhou do Maluf em 1998, só tem estelionatário digital.

Detalhes

Ramon Ferreira (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Não desmerecendo o teste feito e o artigo, excelente, por sinal, não seria se apergar a detalher muitos pequenos quanto a este vazamento de informação do teclado.
Quem já viu como funciona voto de cabresto, sabe que o político "influente" de pequenas cidades coloca o jagunço ao lado da urna.
Já em cidades grandes, ele contrata 3 mil bocas de urna para uma zona eleitoral de 10 mil pessoas, o que já lhe garante 30% dos votos.
Imaginaram o político montando aquele parafernalha para cada urna?
A urna não é inviolável, como sistema nenhum o é, eletrônico ou não. Mas é o único jeito de não votarmos no macaco tião ou mandar o excrutinador para aquele lugar...

Basta uma simples Gaiola de Faraday

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

Se a questão é o vazamento de sinais eletromagnéticos dos teclados, basta uma simples gaiola de Faraday, a custo muito baixo inclusive.
A questão é se a implementação de tal sistema fere interesses de que haja blindagem de sinais eletromagnéticos quais venham em sentido contrário, de fora para dentro das urnas. Estender o assunto poderia se tornar teoria da conspiração.
No entanto é de pensar por que tanto alarde contra o registro impresso do voto? Por que tanto medo de haver um mecanismo irretorquível de recontagem de votos?
"Só tem no Brasil e não é jaboticaba, pode ter certeza que não presta", velho aforismo, mas até agora não demonstrado como impróprio.

Voto de cabresto x urna eletrônica.

Vianna (Advogado Autônomo)

Enquanto houver eleitor que vende o voto por um pacote de arroz de 5(cinco) quilos, 1 (um) par de óculos, e de dentadura, não haverá sistema eletrônico capaz de assegurar o sigilo do voto entranhado no âmago da consciência de servo de gleba dos novos coroneis e senhores de engenho. Sim, dos modernos engenhos de álcool anidro...

Comentar

Comentários encerrados em 19/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.