Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

QUE TAL ALTERAR A FORMA DE INDICAÇÃO DE MINISTROS?

Cláudio João (Outros - Empresarial)

Amigos: cada vez mais noto um acirramento das posições, em razão política, em detrimento das posições de acordo com a Constituição. A forma como se tratam os ministros do STF, denota uma evidente polaridade entre os governistas, não governistas e independentes. Não deveriam agir assim! Após a assunção ao cargo, devemos agradecer nossos padrinhos com decisões que não espelhem outra coisa senão a vontade do legislador constitucional. Afinal, o cargo é vitalício e eles não devem mais nada a ninguém, a não ser à sua consciência jurídica e à Constituição. Decepciona-me, brutalmente, a atuação pífia de alguns ministros que na lide dos simples mortais eram venerados e idolatrados por suas posições de vanguarda e hoje, apagados, se vergam à posições ideológicas do bem o e do mau. E, outros, embevecidos pelo convite de quotas, não percebem que o poder enriquece somente aqueles que o sabem transformar em justiça. Uma boa aposentadoria, no topo de carreira, ajuda, mas, não engrandece. Forte abraço a todos.

Por que aqui ?

Karcsy (Advogado Autônomo)

Este sujeito, oriundo de uma organização denominada proletários armados, que pretendia, pela força das armas, instaurar uma ditadura comunista na Itália, matou ou conspirou para que cidadãos italianos fossem mortos, vem se esconder no Brasil.
Por que não foi para Cuba, China ou Coréia do Norte ?
Provavelmente, veio porque no governo brasileiro estão instalados seus colegas de armas que, como se viu, lhe deram guarida.
Nem se deveria discutir se deve ser extraditado ou acolhido em solo brasileiro. Dever-se-ia lhe dar um salvo conduto para que fosse viver numa das maravilhosas ditaduras comunistas que ele tanto lutou para impor aos italianos.

SUSTENTAR BANDIDOS DE FORA, NÃO BASTA OS DA CASA

Sersilva (Advogado Associado a Escritório - Administrativa)

O cidadão brasileiro, que paga as contas, se pergunta, será que o Brasil deve perder tempo numa questão destas? Porque não devolve de imediato o bandido dos outros, já temos tantos no Brasil. Será que não tem processo pendente no STF mais relevante para ser julgado, como o dos "mensaleiros"? A instância superior da justiça de um País deveria dedicar seu tempo em fazer justiça, propriamente dita, buscar a paz interna, resolver rapidamente os conflitos de ordem nacional. Passar para o cidadão a certeza que o crime não compensa. Ou será que no Brasil a verdade é outra?

De fato, lamentável

Observador.. (Economista)

De fato, muito triste o que acontece no Supremo.Será isto um avanço, uma mostra de modernidade e de que o Supremo está se "aproximando" do povo, até na conduta dos seus membros?
Ao contrário, o povo deve ter bons exemplos, pessoas em quem se espelhar e buscar a excelência.
Não acho que com desrespeito, deselegância, deboche e agressividade o Supremo esteja se aproximando do povo.
Apenas entristece a todos nós.

Falta grandeza ao STF nos debates

JA Advogado (Advogado Autônomo)

Já tivemos composições do STF mais ortodoxas. Não condizem com a idéia de "Suprema Corte" os frequentes bate-bocas e até ofensas pessoais entre os atuais ministros. A divergência faz parte da essência do próprio Direito e os ministros deveriam se respeitar mais, aceitar a interpretação divergente do colega, como é comum em qualquer tribunal. Em certos momentos parecem garotos de colégio discutindo e se ofendendo. Não há notícia de momentos tão ácidos e até indigestos (para a sociedade) no STF. O que sempre se viu foi o ministro se desculpar com o colega para divergir, sustentando sua opinião sobre o caso concreto em julgamento. Hoje é ofensivo divergir. Parece que as transmissões ao vivo pela TV Justiça não estão fazendo bem à imagem do STF, pois aguçam as vaidades televisivas e criam esse ambiente hostil e entristecedor.

Comentar

Comentários encerrados em 17/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.