Consultor Jurídico

Comentários de leitores

9 comentários

ninguem se lembra de pensionistas e aposentados ...

joão gualberto (Advogado Autárquico)

Nada contra que os magistrados (talvez mais ainda os procuradores de justiça) sejam classe das melhores remuneradas da nação; a função obriga. Todavia, não devem ser esquecidos - como vem fazendo o governo Lula até o momento - dos servidores federais aposentados e pensionistas que há mais de uma década estão defasados (talvez criminosamente) nas suas revisões de proventos e pensões, porque o governo não lhes concede o devido, inobstante as normas constitucionais e legais vigentes. Eles não tem poder, são pessoas isentas de votar, são idosos, estão na maioria combalidos pela vida, parece que o governo espera dar-lhes baixa pela morte e não fazer-lhes justiça pelo trabalho dedicado ao servioço público e à nação. E as ditas "autoridades de controle público" federais não poem cobro a esta situação. Vergonhoso se não criminoso.

salário congelado

Paulo Mendonça Souza (Advogado Autônomo - Civil)

Nã só a Magistratura. Os Delegados de Polícia do Estado de Santa Catarina, categoria de onde sou originário, estão há 10 anos com os salários congelados. Recebem os menores salários da categoria no Brasil.

Art. 20, § 4º

Plinio Gloucester (Advogado Sócio de Escritório)

Interessante essa posição de que R$ 15.000,00 líquidos é um valor injusto, principalmente partindo de um integrante da magistratura federal.
Não falo especificamente do autor do texto, mas, vencida a fazenda pública na justiça federal, é absolutamente normal e corriqueira a fixação de honorários em valores bem aquém do que esses R$ 15 mil nas sentenças dos juízes federais e TRF´s, mesmo em causas de dezenas de milhões.
Tal fixação é feita solitariamente pelo judiciário, se na fixação de honorários em valores menores que R$ 15 mil por anos de trabalho têm-se como observada a equidade, a razoabilidade, é justo reclamar que 15 mil é um valor quase aviltante por um mês de trabalho? É razoável supor que todos os advogados tratam de centenas de casos e por isso cabível o arbitramento de valores inferiores a 15 mil?
A correção da fixação de honorários em 0,1%, ou menos, pode ser feita sem lei, sem barganha de espécie alguma, sem nenhum toma-lá-da-cá.
Se os honorários fossem fixados com os mesmos olhos que enxergam insuficiência em 15 mil líquidos...

Peçam a inflação, mas não manipulem

Nado (Advogado Autônomo)

Os juízes precisam parar de manipular a opinião pública. Todos têm que ter salário atualizado e não corroído, agora, dizer que juiz ganhando bem vai ficar mais livre é ridículo e grotesco. Primeiro, porque passa a ideia de que, se ganhar mal, vai se vender ou se vender mais ainda, segundo, porque, se ganhasse mal, com certeza, teria mais motivos para punir os políticos, o que evita fazer ou faz pouquinho e com muita má vontade, vejamos casos atuais de Sarney no STF entre outros. O fato de parlamentares quererem punir o MPF, não lhes concedendo o aumento, mostra bem o nível de mentalidade mesquinha presente nos nossos três poderes, que, de outro modo, reflete no ordenamento, na fuga à aplicação da lei e no atraso da nossa débil democracia continuista e excludente. E revela que em quase todas as coisas tratadas pelos nossos poderes vale a vontade de seus integrantes e não a vontade ou as necessidades do povo.

Os vencimentos dos Juízes e Promotores

Auditor (Advogado Autônomo)

Concordo com as justas reclamações dos Juízes e Promotores, com salários congelados desde 2005.
Até quando esse país permanecerá na mediocridade?
Carlos Maximiliano, no seu tempo, ao escrever sobre o Juiz inglês, lembrava: A Grã-Bretanha possui a melhor magistratura do mundo. Remunera generosamente o trabalho dos membros dos tribunais superiores... A Inglaterra possui o juiz grão-senhor, com instalação pomposa,e no gozo de acatamento e prestígio; homem independente...(Hermenêutica Aplicação do Direito - p. 77, 8a ed., Ed. Freitas Bastos - 1965).
Como, com isso, querer um Juiz independente para fazer Justiça contra os poderosos?
Aqui, estamos ainda na Idade da Pedra.
O Juiz e o Promotor, de chapéu nas mãos, têm que mendigar aos nossos digníssimos políticos a reposiçào de seus vencimentos.
Vergonha!
Antes, o STF cumprisse ele mesmo a Constituição e determinasse, como lembrado pelo articulista, o pagamento da reposição salarial e deixasse o ius esperniandis aos ditos políticos inconformados.
A nação, nesse 7 de setembro, certamente aplaudiria a coragem transparente do Bastião da Democracia.

O óbvio

M.P. (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Tudo o que Magistratura e o MP querem é a reposição salarial e - meio que óbvio - pedir (implorar) a revisão justamente para quem é fiscalizado e punido por ambos é uma imbecilidade sem limites num país corrompido, em que os políticos forçam a entrada de ambos no jogo sujo, jogo do qual Magistratura e MP deveriam estar muito distantes e totalmente imunes. Simplesmente se fere de morte a independência, a auto-estima funcional e o senso de decência de todos os integrantes. Só um perfeito idiota não vê o quanto isto custa ao Brasil inteiro.

Hum?!!

Jorge Cesar (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

Então, ...os Defensores Públicos, que recebem 20% das demais carreiras jurídicas indevida e humilhantemente, prestam serviço voluntário!!!
Affh!
Anh!?? Fazer concurso para outra carreira?!! Mas todo mundo já fez!
E quem defende os cem milhões de brasileiros carentes de tudo por vocação? Faça Medicina?!!
Ai ai...

Os três "is"

Directus (Advogado Associado a Escritório)

O problema está na forma como muitas pessoas encaram o Poder Judiciário.
São três "is":
INDIFERENÇA, ou IGNORÂNCIA, ou INVEJA.
No caso dos políticos, há um quarto e duplo "i": INTERESSES INCONFESSÁVEIS.
Tudo isso é profundamente lamentável.
A INDIFERENÇA para com a perseguição aos magistrados é indiferença com o próprio ACESSO À JUSTIÇA.
A IGNORÂNCIA quanto à situação dos magistrados, inclusive quanto às suas responsabilidades e sua carga de trabalho (inigualável no campo jurídico), leva ao preconceito nocivo à própria Instituição.
A INVEJA de uns poucos, já que existe, deveria se estender não apenas ao "status" da posição de magistrado, conquistada com muito estudo e esforço; deveria se aplicar também às numerosíssimas atribuições e RESPONSABILIDADES inerentes ao cargo.
O último e duplo "i" submete o magistrado à pressão política, retirando uma independência que é DO POVO.
NO CASO DOS JUÍZES ESTADUAIS, especialmente em SP, caso o nobre articulista não saiba, os magistrados, além de terem suas férias negadas por necessidade de serviço e falta de juízes substitutos, não estão recebendo um único centavo de indenização pelas férias confiscadas.
Aquilo que é dado a todos, não é dado aos Juízes.
Sei que haverá canalhas que ignorarão e ironizarão todo o acima exposto. Mas sei que há também muitos advogados, promotores, juízes e cidadãos de caráter neste País. E é a eles, só a eles, que o agonizante Judiciário pode recorrer.

Não só os magistrados

João Gustavo Nadal (Cartorário)

Os Notários e Registradores, cá no Paraná, estão sem correção no valor das custas e emolumentos desde 2002.

Comentar

Comentários encerrados em 14/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.