Consultor Jurídico

Começar de Novo

CNJ lançará portal com oportunidades para presos

O Conselho Nacional de Justiça aprovou, na quarta-feira (27/10), resolução que institucionaliza o Projeto Começar de Novo no Poder Judiciário. A iniciativa tem como objetivo promover ações de reinserção social de presos e egressos do sistema carcerário e de cumpridores de medidas e penas alternativas.

A resolução que institucionaliza o projeto estabeleceu também a criação do Portal de Oportunidades do Projeto, que ficará disponível no site do CNJ. O portal de oportunidades trará o cadastro de entidades integrantes da Rede de Reinserção Social e conterá propostas de cursos, trabalho, bolsas e estágios disponíveis ao público-alvo.

O secretário-geral do CNJ, Rubens Curado Silveira, destaca que o portal já está em produção. “A campanha, com dois filmetes, entra na mídia neste domingo. O primeiro dos filmetes já pode ser acessado no site do CNJ, link programas e ações começar de novo”, acrescentou. Já na próxima sexta-feira (6/11) haverá lançamento da campanha Começar de Novo e do Portal no Presídio de Bangu, no Rio de Janeiro.

A proposta de resolução foi apresentada pela conselheira Morgana Richa e aprovada por unanimidade. De acordo com o presidente do CNJ, ministro Gilmar Mendes, o trabalho de reinserção dos presos e egressos representa uma preocupação do Conselho com a questão da segurança pública. Segundo o ministro, o Projeto Começar de Novo é fundamental para combater a reincidência. Para o ministro, a reinserção social "dá oportunidades para que os egressos possam ter uma vida normal e digna", afirmou.

Dentre as ações que fazem parte do projeto estão medidas voltadas para educação, capacitação profissional e reinserção no mercado do trabalho de presos e egressos do sistema prisional. Com a institucionalização, o Conselho espera que essas medidas sejam adotadas por todos os tribunais brasileiros para facilitar e agilizar a reinserção social dessas pessoas. O Projeto Começar de Novo será implantado, em âmbito nacional, por meio de uma rede de Reinserção Social formada pelos órgãos do Judiciário e por entidades públicas e privadas.

Haverá, ainda, a formação de grupos de monitoramento e fiscalização do sistema carcerário, criados pelos tribunais, que ficarão encarregados de acompanhar a instalação e o funcionamento dos Conselhos da Comunidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do Conselho Nacional de Justiça




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de outubro de 2009, 19h40

Comentários de leitores

1 comentário

"O SOL NASCEU PARA TODOS"

Ana Só (Outros)

Nada mais justo, nada mais justo.
Esperemos agora que a Operação Começar de Novo II seja também implantada para dar oportunidade a profissionais qualificados cujo crime foi a de adentrar a 2a. ou a 3a. idade, uma população esquecida e deixada à própria sorte,sem as benesses da estabilidade do emprego público.
Se bem que, neste país, o cidadão comum não é uma preocupação social, pois aqui, ultimamente, os bandidos sempre vêm primeiro.

Comentários encerrados em 07/11/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.