Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Briga olímpica

Monumento do Cristo não é objeto de culto religioso

Por 

Cristo com metrolhadora, revólver e colete. - ReproduçãoO Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro concedeu Habeas Corpus pelo trancamento da Ação Penal que o Ministério Público do estado moveu contra o advogado paulista Alberto Murray Neto, por vilipêndio de objeto de culto religioso (artigo 208 do Código Penal). O crime imputado pelo MP a Murray, que fez campanha contra a indicação do Rio para sediar a Olimpíada de 2016, foi ter distribuído um e-mail para membros do Comitê Olímpico Brasileiro contendo uma fotomontagem do Cristo Redentor vestido com um colete à prova de balas e empunhando uma metralhadora e uma pistola.

A Ação Penal contra Murray corre na 40ª Vara Criminal do Rio de Janeiro. A decisão pelo trancamento da ação foi tomada, por unanimidade, pela 8ª Câmara Criminal do TJ-RJ, acompanhando o voto do relator, desembargador Marcos Quaresma Ferraz. 

Para a defesa de Alberto Murray Neto, a cargo dos advogados José Luis de Oliveira Lima e Rodrigo Dall’Acqua, do escritório Oliveira Lima, Hungria, Dall’Acqua e Furrier, nem houve ofensa a símbolo religioso nem o monumento do Cristo Redentor pode ser considerado um símbolo religioso.

Os advogados sustentam que a imagem considerada ofensiva está disponível na internet e é semelhante a dezenas de outras que circulam pela rede de computadores. Todas elas são uma crítica à violência no Rio e não tem nenhuma conotação religiosa, dizem. “De superficial análise, salta aos olhos que o e-mail não tem nenhum viés religioso, destinando-se apenas a apontar a violência urbana como problema para a realização das Olimpíadas no Rio de Janeiro.”

Os advogados sustentam ainda que o monumento ao Cristo Redentor está relacionado diretamente com a cidade do Rio de Janeiro antes de ser um objeto de culto da religião católica, o que, por si só, descaracterizaria o objeto da denúncia. “Ainda que se possa vincular o monumento ao Cristo Redentor com a religião católica, é inegável que a primeira e mais forte vinculação é com a cidade do Rio de Janeiro em si”, diz a defesa.

Briga olímpica
A Ação Penal foi instaurada pelo MP-RJ a partir de um pedido de investigação policial feito pelo presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, contra Alberto Murray. Tanto Nuzman como Murray são advogados e ligados ao movimento olímpico. Murray, que é neto do major Sylvio Magalhães Padilha, que por 30 anos dirigiu o COB, formou-se em Estudos Olímpicos na Grécia e foi membro do COB até o ano passado, quando se demitiu do cargo por divergência com a direção da entidade. Já Nuzman é o presidente do COB há 20 anos.

Murray fez campanha aberta contra a candidatura do Rio como sede olímpica. Para isso, usou de seus contatos na comunidade olímpica e de seu blog pessoal.  “O Brasil tem outras prioridades e carências sociais para serem resolvidas, como educação, saúde, esporte para todos, habitação”, diz. O alto custo do evento, estimado em R$ 25 bilhões, as carências na infraestrutura do Rio em áreas como transporte e habitação, a falta de políticas públicas para o esporte e o temor de que os investimentos não se revertam em benefícios para a população são alguns dos problemas apontados por ele.

A desavença olímpica foi parar na polícia. Inconformado, o presidente do COB pediu investigação policial contra o advogado. Com base nas acusações de Murray, entre outras informações, o procurador do ministério Público Federal Paulo Roberto Galvão abriu inquérito contra o COB e Nuzman por mau uso de dinheiro público na promoção da candidatura do Rio-2016. Cristo só entrou na briga, por acaso.

HC 2009.059.07286
AP 2009.001.199390-6

Clique aqui para ler o pedido de Habeas Corpus

 é diretor de redação da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 22 de outubro de 2009, 14h52

Comentários de leitores

11 comentários

Cristo Armado

Sargento Brasil (Policial Militar)

Gostaria de saber por que a imagem de Jesus Cristo, o redentor, é tão somente tido pela religião católica. Se dissessem Cristãos, tudo bem. E por que achou que vestindo tal imagem, supôs que teria efeito sua crítica à violência no Rio de Janeiro, por que não o fez sobre sua própria imagem? Ou acha que o Brasil não tem a maioria de pessoas cristãs? Se o efeito foi de ''aparecer'', já conseguiu.

Liberdade de expressão

Rafael Janiques (Advogado Associado a Escritório - Civil)

Primeiramente, o comentário de que o advogado que utilizou a imagem em questão é pagão é no mínimo absurda, para não falar em ridícula.
Preconceito religioso é vc apontar crença sem fundamento.
Em segundo plano, essa imagem já circulava pela internet antes dessa manifestação, que ao meu ver não passa de uma liberdade de expressão.
Do mesmo modo que as pessoas que apoiaram as Olimpíadas do Rio, existem as pessoas que não acreditam que ela seria útil. Essa é a democracia! Opiniões diversas.
Quero salientar que estou muito orgulhoso pela vitório do Rio e do Brasil nessa candidatura. Contudo, não concordo que o MPF/RJ faça uso incorreto do judiciário em uma ação completamente absurda. Existem mitos problemas a serem resolvidos, não é MPF???

TRES PODERES - RELIGIÃO, POLITICA E GRANA !

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

Essa é a diferença religiosa entre o Cristo Redentor e Mahomé... Entre outras.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/10/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.