Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Posicionamento superior

As Jurisprudências do TJ-SP e STJ sobre loteamentos fechados

Por 

A disputa não é recente entre moradores de loteamentos fechados e as associações que congregam a maioria deles. Principalmente pelo posicionamento do Tribunal de Justiça de São Paulo, essas associações têm sido autorizadas a receber quotas-partes e taxas não importando se o morador não é seu associado e resiste a tal cobrança.

Dezenas de demandas se instauram no Judiciário, nas quais os moradores não associados, inconformados com tais taxas alegam sua desobrigação ao pagamento, sempre tendo como base dispositivos constitucionais, como a falta de previsão legal para tal cobrança, por não estarem obrigados à associação a par de, de certo modo, turvar o direito de ir e vir. (Constituição, artigo 5° - inciso II “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”; XV — “é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens” e XX — “ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado”).

As prefeituras costumam ter legislação própria sobre a matéria, garantindo por decreto o fechamento de loteamentos e bairros “a título precário” se num processo administrativo formal, 70% dos moradores optarem por tal medida.

Na contrapartida a associação de moradores se obriga ao cumprimento de uma série de ações normalmente atribuídas à Administração municipal que, a bem da verdade, não isenta a localidade fechada dos impostos a par de obter economia naquelas obrigações que legalmente lhe cabiam (limpeza pública, coleta de lixo, conservação de vias, iluminação pública, etc).

Nessas demandas o Tribunal de Justiça de São Paulo firmou jurisprudência no sentido de que os moradores que resistem ao pagamento das taxas mensais para tais despesas, se desobrigados, “enriquecem sem causa”. Como neste julgado:

“Ementa. Cobrança — Associação de moradores - Sentença de procedência.Prestação de serviços que beneficiam todos os proprietários - Dever de participar do rateio das despesas que recai sobre todos os proprietários, sejam ou não associados - Vedação ao enriquecimento sem causa - Não violação à liberdade de associação - Precedentes da Câmara - Sentença mantida - Apelo desprovido.”

Rejeitando a invocação ao artigo 5° — XX da Constituição, lê-se no corpo desse julgado:

“Em suma, como bem asseverado pelo Des. José Luiz Gavião de Almeida, relator da Apelação 281.315.4/3-00, já mencionada: "Não há falar em ofensa ao artigo 5°, XX, da Constituição Federal, porquanto não se trata de cobrança de contribuição puramente associativa, mas de reembolso de despesas efetuadas no interesse dos proprietários dos lotes.”

Com tantos precedentes nesse sentido, a 3ª Câmara de Direito Privado do TJ- São Paulo emitiu o Enunciado n° 12 com a redação seguinte:

“É admissível a cobrança das despesas com manutenção e benfeitorias realizadas nas áreas comuns do loteamento fechado, independentemente da associação do proprietário, na proporção de sua quota-parte, sob pena de enriquecimento sem causa.”

No Superior Tribunal de Justiça, todavia, essa tese está, em inúmeros julgados, deixando de prevalecer.

Nessa linha, o REsp 1.071.772 da 4ª Turma — relator Ministro Carlos Fernando Mathias (Juiz Federal convocado):

EMENTA: CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO DE COBRANÇA.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES. CONDOMÍNIO ATÍPICO. COTAS RESULTANTES DE DESPESAS EM PROL DA SEGURANÇA E CONSERVAÇÃO DE ÁREA COMUM. COBRANÇA DE QUEM NÃO É ASSOCIADO. IMPOSSIBILIDADE.

1. Consoante entendimento firmado pela Eg. Segunda Seção desta Corte Superior, "as taxas de manutenção criadas por associação de moradores, não podem ser impostas a proprietário de imóvel que não é associado, nem aderiu ao ato que instituiu o encargo." (EREsp n.º 444.931/SP, Rel. Min. Fernando Gonçalves, Rel. p/ Acórdão Min. Humberto Gomes de Barros, Segunda Seção, DJU de 01.02.2006).”

No que concerne ao “enriquecimento sem causa”, um dos fundamentos do Tribunal de Justiça de São Paulo para deferir a cobrança de tais taxas, como visto, chegou a ser atribuído no Superior Tribunal de Justiça às associações esse desvio por as imporem aos não são associados que delas discordam.

Com efeito, no REsp n° 1.025.053 em decisão monocrática do Min. Massami Uyeda depois confirmada pelos recursos regimentais cabíveis, todos rejeitados, há essa “inversão” da vantagem do enriquecimento sem causa:

“O Tribunal de origem, ao determinar o pagamento dos valores alegados pela autora, decidiu em desconformidade com a jurisprudência desta Corte, pois se os proprietários não integram a associação de moradores, inviável a cobrança compulsória de taxas condominiais ou outras contribuição caracterizando o enriquecimento ilícito da associação de moradores, ora requerida.”

Nesse sentido, confira-se o seguinte precedente:

"EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA. RECURSO ESPECIAL. ASSOCIAÇÃO DE MORADORES. TAXAS DE MANUTENÇÃO DO LOTEAMENTO. IMPOSIÇÃO A QUEM NÃO É ASSOCIADO IMPOSSIBILIDADE.

As taxas de manutenção criadas por associação de moradores, não podem ser impostas a proprietário de imóvel que não é associado, nem aderiu ao ato que instituiu o encargo." (EREsp 444931/SP, Rel. Ministro Fernando Gonçalves, Rel. p/ Acórdão Ministro Humberto Gomes de Barros – 2ª Seção, julgado em 26.10.2005, DJ 01.02.2006 p. 427).”

Como se constata, a despeito do posicionamento firme do Tribunal de Justiça de São Paulo, o Superior Tribunal de Justiça vem acolhendo de modo iterativo a desobrigação dos não associados ao pagamento dessas taxas de manutenção impostas nos loteamentos fechados pelas respectivas associações.

Esse entendimento do STJ obrigará as associações de bairros e de loteamentos fechados – muitas hábeis em construções luxuosas – a negociarem com os não associados porque muitas agiam e agem de modo desdenhoso em relação a eles valendo-se das decisões judiciais que lhes eram (e são no Tribunal de Justiça de São Paulo) francamente favoráveis.

 

 é advogado em Piracicaba (SP).

Revista Consultor Jurídico, 30 de novembro de 2009, 17h58

Comentários de leitores

3 comentários

TENHO PROVAS DOCUMENTAIS...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Essa bandalha urbana foi idéia politica do PARTIDO DOS DEMOCRATAS a partir do RIO DE JANEIRO e do governo CESAR EPITACIO MAIA.
*
Cesar e foi um dos primeiros sindicos e moradores politico de area cercada e invadida e apelidada de CONDOMINIO, que na "minha opinião" funcionam como CURRAL ELEITORAL.
*
Para manter esse tipo de CONDOMINIO foi colocado uma segurança armada, cujo proprietario da empresa à época era um Balconista de Loja de Fogos de artificios morador da cidade de Caxias-RJ.
*
Foi Cesar Maia e o DEM que implantou a primeira Guarda Municipal com poder de policia, Multagem Eletronica, Vistoria Veicular Anual, e tantas outras arbitrariedades com o silencio permisso do MPERJ e autoridades do Poder Judiciario Carioca.
*
Foi Cesar Maia que criou um PEDAGIO EM AVENIDA que segundo fundamentação juridica do MINISTERIO PUBLICO "FEDERAL" conduz a razoavel e notória interpretação ( da qual concordamos 100% ).
*
Analisando as ações do MP-Federal contra cobrança de pedágio aos munícipes, na qual concordamos plenamente com toda fundamentação, podemos até concluir que a obrigatoriedade compulsiva de pagar o "pedágio urbano municipal" sobre ameaça de multas e perdas de pontos na CNH poderia ser admitida o "CRIME DE EXTORSÃO MEDIANTE GRAVE AMEÇA" vez que não existe opção, ou paga ou é violentado ou sob coação, por parte dos funcionários da concessionária, ou da Guarda Municipal, obrigando naquele exato momento o veículo retornar, independente de crianças ou idosos que estejam no interior do veiculo, de maneira humilhante sob coação, obstruindo o direito de ir e vir do cidadão no ato cumprir suas obrigações e deveres de um modo geral, e ou até mesmo sob risco de morte ou agravamento em caso de emergência médica.

Exploração oficializada

Leopoldo Luz (Advogado Autônomo - Civil)

Parabéns ao articulista pela resenha.
Infelizmente, o Judiciário Estadual proteje a prática da exploração da vizinhança por precárias e obscuras associações. O mesmo ocorre no Rio, onde existe até uma súmula a favor das associações, que prestam "serviços", concorrentes com os que cabem ao Estado (segurança, limpeza pública etc.) e cobram indistintamente a vizinhança sem necessidade de prestação de contas.
Ainda bem que o STJ está corrigindo esta distorção.
Outra, que ainda não foi resolvida é o próprio fechamento de bairros por particulares, com respaldo das prefeituras. Transeuntes são obrigados a explicarem seus motivos, apresentarem documentos e até serem revistados por serviçais de particulares, para passar por portais que ligam o espaço público com, pasmem, o espaço público.
Guarujá é um exemplo disso: a grande parte dos condomínios que lá existem não são condomínios, mas, ao invés, bairros fechados por seus moradores!

COISA INFUNDADA.

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Isso é que é uma discusão idiotamenbte infundada, profana a lei e dissimula a constituição, enaltece a anarquia juridica, desmoraliza a tese e a jurisprudencia.
*
O judiciario me parece viver um estado de absoluta insanidade, sem muita consonancia com seus deveres e obrigações maturados num pseudo ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITOS, onde cada grupo de picaretas funda suas raizes sugadoras do nectar dos falsos deuses, para o enriquecimento ilicito, ou pelo menos infundado nas bases constitucionais e legais.
*
Qualquer executivo atropela a lei sarcasticamente e cria lá um caça niquel acompanhado de um "habeas fisco", quero diser que arrecadam o "condominio" o "pedaguio" o "Pardal" a "vistoria Veicular" a "multa por quem não tem poder de Policia e de Fisco", e o cidadão "otario" permanece então pagando os impostos e fazendo a parte do ESTADO que arrecada e manda pra onde essa receita(?).
*
Com certeza deve mandar pra o fundo "Mensalinho das autoridades corruptas", ora... que loucura imensuravel e essa, que julgadores são esses que não conseguem se quer analisar uma conduta fiscal, uma dupla arrecadação, um bi-tributarismo...
*
Pô fala sério, ninguem se revolta.
*
Essa coisa chamada Brasil vai acabar muito mal!

Comentários encerrados em 08/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.